SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Projeto estimula interpretação e escrita através de diferentes tipologias textuais

19/9/2018, 14:51h

Trabalhar a interpretação e produção de texto através da releitura de diferentes tipologias textuais. Este foi o objetivo do projeto “Na JDG, ler e criar é só começar”, que vem sendo realizado desde o início do segundo semestre letivo na Escola Municipal Dr. João Duarte Guimarães, do bairro Limoeiro e foi encerrado na manhã des sexta-feira, 14.

A culminância do projeto foi marcada por apresentações dos alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental e lançamento do livro “Polícia e Comunidade na Corrente do Bem”, de autoria do soldado Orlando Lima, ilustrador e auxiliar de Mídias Sociais do Departamento de Comunicação Social da Polícia Militar da Bahia.
 
Os alunos de cada série ficaram responsáveis por uma tipologia diferente. O 5º ano, por exemplo, após estudar histórias em quadrinhos, produziu e apresentou livros temáticos nesse formato sobre meio ambiente, Copa do Mundo, etc. O 4º ano ficou responsável pelos contos de assombração; o 3º ano apresentou as fábulas; e os alunos do 2º ano e Educação Infantil, que ficaram com a poesia, encenaram grandes obras do poeta Vinícius de Moraes, como Arca de Noé, O pato e As Borboletas.

Orlando apresentou o trabalho da polícia de forma lúdica

Na apresentação de seu livro, Orlando (foto) afirmou que tinha como objetivo apresentar a polícia de uma forma lúdica e informar que a Polícia Militar atua em diversas áreas, não somente em segurança pública. “Muita gente não sabe, mas a Polícia Militar também oferece serviços em áreas culturais, educacionais e esportivas como o Grupo de Teatro, Coral, Banda e os Colégios da PM”, completou.

Experiência de grande valor para alunos e pais

Com 10.000 exemplares impressos, os livros vêm sendo distribuídos em escolas públicas da Bahia desde o seu lançamento no início do ano. A João Duarte foi a primeira escola de Feira de Santana a receber o material. Jucinalda Lacerda, diretora da unidade de ensino, comemorou a parceria com o oficial da Polícia. “De uma forma geral, o projeto da escola cumpriu seu objetivo e foi uma experiência de grande valor para os alunos e pais”, afirma Jucinalda (foto).

Projeto enriquecedor

Representando a Secretaria Municipal de Educação de Feira de Santana, a chefe da Divisão de Educação Infantil da Seduc, Ana Maria Alves dos Santos e Silva (foto), ressaltou que a culminância do evento se revelou um grande momento para todos os envolvidos. “Um projeto muito enriquecedor em todos os segmentos”, completou.

  •  

Divulgado resultado parcial do concurso público para professores da Rede Municipal

17/9/2018, 16:39h

O edital de resultado da prova objetiva (preliminar), para o concurso público para professores da Rede Municipal de Educação foi divulgado neste sábado, 15. Pode ser consultado na edição 820 do Diário Oficial do município.

O concurso contou com 11.897 candidatos que concorrem a 100 vagas. É possível acessar a lista com os nomes no link: http://www.diariooficial.feiradesantana.ba.gov.br/.

Os candidatos que desejarem a interposição de recurso têm entre 0h00min do dia 18 de setembro de 2018 (terça-feira) até às 23h59min do dia 19 de setembro de 2018 (quarta-feira) para protocolar formulário próprio disponível no site: http://www.aocp.com.br/, responsável pela realização do concurso.

O gabarito pós-recursos, os pareceres dos recursos deferidos e o gabarito preliminar da prova objetiva estão disponíveis no mesmo endereço eletrônico.

Os candidatos podem consultar individualmente sua folha de respostas e o desempenho na prova objetiva também no site da AOCP, por até 60 dias, a contar da data de publicação do edital.

  •  

Aumento no Ideb é reflexo do fortalecimento pedagógico da Rede Municipal de Educação

11/9/2018, 9:38h

Com o foco voltado para o ensino e aprendizagem das crianças, as ações e atividades pedagógicas são a principal estratégia para o avanço da Rede Municipal de Educação. Esta semana, a Rede conheceu o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, Ideb, com base na avaliação de 2017. Na análise, as escolas municipais ficaram com nota 4,4 nas séries iniciais do Ensino Fundamental – do 1º ao 5º ano, faltando apenas um décimo para atingir a meta projetada pelo Ministério da Educação, 4,5.

Nos últimos cinco anos, o Ideb da Rede Municipal subiu de 3,4, em 2013, para 4,0, em 2015; e deste para 4,4, nesta última análise. Isto garante ao conjunto das escolas um avanço sempre superior ao índice médio esperado para cada biênio – que é de 0,3.

“Obviamente esperamos crescer ainda mais, no entanto, o resultado mostra que estamos acima da média”, avalia a secretária de Educação, professora Jayana Ribeiro.

Nesta última análise, 80 escolas da Rede foram avaliadas - destas, 66 tiveram aumento em comparação ao índice anterior; 40 ficaram acima da meta esperada e três atingiram a nota esperada. Oito ficaram com o mesmo índice e seis escolas regrediram.

O Ideb é o principal indicador da qualidade da educação básica no Brasil. É calculado com base nos resultados das provas de português e matemática aplicadas a cada dois anos e no fluxo escolar – taxa de aprovação, reprovação e ainda abandono dos estudantes.

Conjunto de estratégias

Diversas ações foram elaboradas para promover o fortalecimento do trabalho pedagógico nas escolas municipais de Feira de Santana. Os professores – peça fundamental para a melhoria e implementação de ações voltadas à aprendizagem das crianças – participam periodicamente de encontros de formação continuada. Este ano, parte da reserva de carga horária atribuída ao trabalho destes profissionais é dedicada às formações.

“A Seduc promove diversos encontros de formação para professores que atuam desde a Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e ainda na Educação de Jovens e Adultos. Cerca de 8h por mês são dedicadas para reunirmos estes profissionais e discutirmos juntos temáticas importantes, mantendo sempre o foco para o trabalho em sala de aula”, defende a professora Jozelia Araujo, diretora do Departamento de Ensino da Secretaria.

Segundo a professora, as orientações também são voltadas aos diretores, agora mais comumente chamados de gestores escolares – aos quais compete a administração da escola – e ainda aos coordenadores pedagógicos. “Sabemos a importância do trabalho em equipe bem articulado dentro das unidades de ensino, então os gestores são parte fundamental”, defende.

O trabalho realizado com os diretores visa favorecer a implantação de uma gestão democrática. “Buscamos o fortalecimento dos conselhos escolares para que as tomadas de decisões sejam de forma coletiva, contando com representantes de todos os segmentos da comunidade escolar”, explica a diretora Jozelia.

A secretária Jayana Ribeiro destaca a sistematização das ações. “Valorizamos as formações dos profissionais de Educação, mesmo considerando que todo o quadro da nossa Rede tenha graduação ou pós-graduação. Visamos o aperfeiçoamento destes profissionais sempre pensando na aprendizagem dos alunos”, argumenta.

Combate à distorção idade x ano

Nos últimos dois anos, a Rede Municipal investiu em dois programas que têm sido fundamentais para diminuir a distorção idade X ano, diretamente ligada aos baixos índices de aprendizagem. Em parceria com o Instituto Ayrton Senna, a Seduc implantou os programas Se Liga e Acelera Brasil, cujas ações visam garantir o rendimento das crianças que estão atrasadas ou que estão em processo de alfabetização.  

A equipe da Seduc estimula ainda o constante monitoramento da aprendizagem. O sistema digital implantado nas escolas colabora para facilitar a análise pelos professores e gestores. “Após cada trimestre, procuramos dialogar com os diretores e professores para analisarem seus resultados e pensarem em ações estratégicas, que contem também com o apoio da equipe pedagógica da Secretaria”, ressalta Jozelia.

No âmbito pedagógico, a Rede Municipal busca também o fortalecimento das estratégias de alfabetização. O programa Mais Alfabetização é uma delas, que procura para fortalecer e apoiar as escolas no processo de alfabetização dos estudantes regularmente matriculados no 1º ano e no 2º ano do Ensino Fundamental. É desenvolvido em parceria com o Ministério da Educação.

No que se refere à infraestrutura, a Secretaria de Educação investiu nos últimos cinco anos na construção de 32 Centros Municipais de Educação – CMEI´s – e escolas de Ensino Fundamental; ampliação e reforma de 80 por cento das 217 escolas já existentes. Além da aquisição de fardamento, diversos itens de mobiliário, equipamentos diversos e eletrônicos, específicos para a cozinha e preparo dos alimentos.

O objetivo é promover espaços mais agradáveis e adequados para alunos e professores.  “Se o pedagógico é imprescindível, acreditamos também que escolas com ambientes mais favoráveis colaboram muito para que os estudantes e profissionais se sintam estimulados e continuem se desenvolvendo”, defende a secretária.

  •  

Secretaria de Educação vai avaliar escolas estaduais que serão municipalizadas

5/9/2018, 10:59h

Para dialogar sobre a municipalização de escolas da Rede Estadual de Ensino de Feira de Santana, a secretária de Educação, Jayana Ribeiro, reuniu-se com representantes do Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE 19) e chefes dos setores da Secretaria Municipal de Educação.

A Seduc já havia disponibilizado uma equipe técnica para visitar as escolas indicadas pelo NTE-19 com intuito de avaliar estrutura física, número de alunos, trabalho pedagógico, entre outros aspectos. Neste encontro, foi feita uma reavaliação das escolas a partir das constatações obtidas para que, nos próximos meses, tenha-se um resultado definitivo das prováveis unidades de ensino estaduais que serão municipalizadas.

  •  

Escolas com Educação Infantil têm até dia 10 para escolha do Livro do Professor

5/9/2018, 8:31h

As unidades de ensino da Rede Municipal de Educação que ofertam Educação Infantil em Feira de Santana têm até o próximo dia 10 de setembro para escolherem o Livro do Professor. A escolha faz parte do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2019) e o processo deve ser realizado no site do PDDE Interativo, através do endereço eletrônico: www.pddeinterativo.mec.gov.br. Para efetuar o acesso, são necessários número do CPF e senha do diretor(a) da escola. Apenas o diretor poderá realizar o registro dos livros escolhidos.

Escolha do material didático

A Divisão de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação reuniu os coordenadores e gestores da Educação Infantil para orientação sobre escolha do material didático. As opções foram aprovadas pelo Ministério da Educação em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) - documento de caráter normativo que define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da Educação Básica.

  •  

Rede Municipal avança de 4,0 para 4,4 no Ideb do Ensino Fundamental I e fica a um décimo apenas da meta

3/9/2018, 19:43h

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, Ideb 2017, da Rede Municipal em Feira de Santana, subiu de 4,0 para 4,4 nas séries iniciais do Fundamental – do 1º ao 5º ano, faltando apenas um décimo para atingir a meta projetada pelo Ministério da Educação, 4,5.  Das 80 escolas avaliadas pelo Ideb em 2017, 38 ficaram acima da meta estabelecida e dessas pelo menos dez tiveram aumento superior a 50%. Outras 46, embora não tenham alcançado o objetivo, melhoraram o resultado em relação ao ano de 2015, quando foi feito o exame anterior.

O Ideb é o principal indicador da qualidade da educação básica no Brasil. É calculado com base nos resultados das provas de português e matemática aplicadas a cada dois anos e no fluxo escolar – taxa de aprovação, reprovação e ainda abandono dos estudantes.

Nas séries finais do Ensino Fundamental – que compreende o período do 6º ano 9º ano – a Rede Municipal registrou o mesmo movimento verificado no país, apresentando um aumento muito discreto. No âmbito nacional, a meta era 5,0 e o índice alcançado foi de 4,7, apenas 2 décimos a mais que o resultado anterior – 2015. 

A Rede Municipal saiu de 3,5, em 2015, para 3,6 quando a meta era 4,3. Situação idêntica no universo geral de Feira de Santana – média para as três redes juntas, federal, estadual e municipal. No 9º ano, o município sai de 3,1 em 2015 para 3,3 em 2017, aquém da meta para o período que é 4,2.

ESCOLAS BEM AVALIADAS

A equipe pedagógica da Secretaria Municipal de Educação ainda está analisando os dados, mas inicialmente destaca o excelente desempenho de algumas das escolas distribuídas nos bairros e distritos.  Destaque especial para a Escola Municipal Joaquim Pereira dos Santos, localizada no distrito da Matinha, que atingiu o índice de 108% a mais em relação a 2015. Ela saiu de 2,5 para 5,2 na última avaliação, superando com folga a meta que era de 3,5. 

Também atingiram notas superiores ao esperado as escolas Rosa Espiridião Leite, Raul Ribeiro de Oliveira, Maria Amália Martins Daltro Coelho e Paula de Freitas Almeida, dentre outras.

Na sede, dezenas de escolas atingiram a meta ou até mesmo superaram a nota estipulada pelo Ministério da Educação. Vale ressaltar o desempenho da Escola Municipal Antonio Gonçalves da Silva que fica no bairro Parque Ipê. A unidade de ensino saiu de 3,5 em 2015 para 5,3 em 2017, nota bastante superior à sua meta, 3,8.

  •  

Concurso para professor: coordenação projeta baixa abstenção

3/9/2018, 10:5h

Com projeção de baixa abstenção e sem ocorrência de anormalidades, o concurso para professores da rede municipal ocorreu com tranquilidade nas 29 escolas e colégios onde as provas foram aplicadas.

A informação é da coordenação da AOCP, empresa paranaense responsável pelo concurso. A prova de conhecimentos específico e a redação foram aplicadas no domingo, 2, com 11.897 candidatos às 100 vagas.

No Instituto de Educação Gastão Guimarães (IEGG), a lista na porta das salas, que confirmava as presenças dos candidatos, indicava a desistência de aproximadamente 10% dos candidatos.

Não foi uma surpresa

Lilian Ravagnani, que coordenou o concurso, disse considerar que, se confirmada a projeção, o número é baixo, levando-se em consideração a quantidade de candidatos.

“O baixo número de ausentes não é surpresa para mim”, afirmou. “As pessoas se prepararam para o concurso e estavam avisadas sobre as datas e horários. Foram poucos os casos de atrasos”.

Outro ponto evidenciado pela coordenadora foi com relação à quantidade de candidatos, que se aproximou de 12 mil. “A expectativa era de quatro mil candidatos”, diz.

Primeiro a concluir as provas

Candidato a uma das vagas de história, Cleiton Portela, de Simões Filho, foi o primeiro a concluir as provas, em pouco mais de 90 minutos. Elogiou a organização e disse que as provas estavam dentro do nível esperado.

“Tudo transcorreu em paz e agora é esperar o resultado. Se estou confiante? Muito”. Disse ainda que tudo foi feito dentro do proposto pelo edital.

  •  

Lançada 11ª Feira do Livro, patrimônio imaterial da Bahia

30/8/2018, 19:24h

Declarada patrimônio imaterial cultural do estado da Bahia, a 11ª Feira do Livro – Festival Literário e Cultural de Feira de Santana teve sua cerimônia de lançamento realizada na manhã desta quinta-feira, 30, na Sede do Serviço Social do Comércio (Sesc). De volta às suas origens, neste ano, o evento será realizado entre os dias 25 e 30 de setembro na Praça Padre Ovídio - local onde aconteceram as suas duas primeiras edições.

Foi sancionada no dia 11 de maio de 2018 a Lei 13.934/2018, que declara o Festival Literário e Cultural de Feira de Santana, a Feira do Livro, como patrimônio cultural imaterial do Estado da Bahia. A determinação foi publicada no Diário Oficial do Estado da Bahia, edição nº 22.416, no dia 12 de maio.

Feira de Livro tem nova sigla

Buscando enfatizar o início de uma nova fase para o Festival, além da mudança de local, foi adotada para o evento a sigla “Flifs”, que denomina a Feira do Livro de Feira de Santana. “Para a sigla, utilizamos cores vibrantes que dialogam com o intuito de tornar evidente a atmosfera de encantamento que permeia todo o evento”, afirma a coordenadora do evento, Eliana Carlota Marques Lima.

Feira é fruto de parcerias

A Feira do Livro é realizada pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) em parceria com Secretaria Municipal de Educação e Arquidiocese de Feira de Santana e conta com apoio de diversas instituições. Apresentações culturais, contação de histórias, literatura de cordel, exposição e vendas de livros, mesas redondas, oficinas e shows fazem parte da programação da sua 11ª edição.

Construção do saber

O reitor da UEFS, Evandro do Nascimento Silva, destacou a importância do evento para público feirense. “A Feira do Livro é da comunidade feirense. Sabemos a importância que a universidade pública tem na construção do saber, na produção de conhecimento, para mudar a vida de pessoas, e formar leitores é importante para possamos ter dias melhores”, declarou o reitor.

Seduc em todas as edições

A secretária de Educação, Jayana Ribeiro, declarou sua satisfação pela Secretaria ter participado de todas as edições da Feira do Livro. “Buscamos sempre dar nosso apoio. Nossos alunos realizam apresentações culturais no evento e, há quatro anos, conquistamos os vales-livros para que eles e os professores pudessem adquirir livros de acordo com seus gostos”, afirmou a secretária.

Personalidades homenageadas

Personalidades feirenses darão nome aos mais diversos setores da Feira do Livro. Serão eles: A praça do cordel José Carlos Barreto de Santana, reitor da Universidade da Universidade Estadual de Feira de Santana entre 2007 e 2015; Arena Ana Angélica Morais, professora; Auditório Luiz Pimentel, jornalista e escritor; Palco Washington Almeida Moura, vice-reitor da UEFS entre 2007 e 2011; e Passarelas dos Expositores Renato Galvão, centenário, e Lélia Vitor Fernandes, pesquisadora e escritora.

A solenidade de lançamento foi marcada por apresentações de alunos do coral e flautistas do projeto do Sesc, Habilidades de Estudo, e do grupo Observatório de Contação de História, promovido pelo Grupo de Estudo e Pesquisa em Currículo e Formação do Ser em Aprendizagens (FORMARSER)  do Departamento de Educação da UEFS, que, com muita música e bom humor, contaram várias histórias ao público presente.

  •  

Professores desenvolvem programas para aula de inglês na escola

30/8/2018, 11:50h

O uso de ferramentas tecnológicas na sala de aula favorece a aprendizagem. E a partir desta compreensão, professores que dão aula de Língua Inglesa estão desenvolvendo conteúdos para as aulas em programas de computadores. Eles participaram na quarta-feira, 29, da segunda parte do workshop “Do It Yourself - Faça Você Mesmo: Eu, Autor (a)”. A atividade aconteceu no ônibus digital da Secretaria Municipal de Educação.

No veículo, os professores colocaram em prática os conteúdos estudados na primeira etapa do workshop. A atividade foi desenvolvida pela professora mestra Andreia Machado Castiglioni de Araújo, da equipe técnica da Seduc, durante a formação das atividades complementares oferecidas aos profissionais da Rede Municipal de Educação.

Tecnologia em prol do desenvolvimento

“É importante que os professores usem a tecnologia em prol do desenvolvimento dos alunos em sala de aula, que eles saibam como lançar mão dessas ferramentas e que também possam ter autonomia para adequar os conteúdos às demandas da sala de aula”, defende Andreia. “As ferramentas tecnológicas favorecem o estímulo visual, auditivo e interativo dos estudantes”, aponta.

O workshop abordou o uso de ferramentas como a lousa digital; apresentações interativas em programas como o Prezi; o uso de materiais didáticos-pedagógicos através do Canvas e do Publisher – programas de computadores – e ainda a produção de objetos educomunicativos a partir do Ardora.

  •  

Escola Municipal Chico Mendes incentiva leitura de cordel

29/8/2018, 10:23h

Os estudantes do quarto ano da Escola Municipal Chico Mendes estudaram durante os meses de julho e agosto a sequência didática “encantos de cordel”. A atividade é uma oportunidade para os estudantes terem contato com uma das mais expressivas e marcantes formas de cultura nordestina: a literatura de cordel.

Os estudantes aprenderam sobre a articulação das várias linguagens - verbal, oral, escrita, musical e gráfica no cordel. Outro traço importante é o acesso a temas diversificados que são abordados nos folhetos. 

De acordo com a professora Thagliany Lopes, coordenadora pedagógica da escola, a iniciativa promoveu “um contato dos estudantes com a cultura popular, já que valoriza e incentiva o respeito à multiculturalidade do nosso país. Também difunde os significados de coletividade e experiência, presentes na produção do cordel”, argumenta.

  •