SEC. TRABALHO, TURISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Cidade das Compras vai gerar 6 mil empregos diretos em Feira

18/6/2019, 8:11h

Com a proposta de se tornar o melhor centro comercial do Nordeste, a Cidade das Compras vai gerar cerca de 6 mil empregos diretos em Feira de Santana. O equipamento está sendo construído pelo Governo do prefeito Colbert Martins Filho através de Parceria Público Privado (PPP), em área do Centro de Abastecimento.

Também conhecido como Shopping Popular, o empreendimento vai abrigar cerca de 1.800 camelôs que atuam nos mais diversos segmentos. Aliado a estes empreendedores, o espaço também vai receber lojas âncoras, fortalecendo, diversificando e modernizando o equipamento.

Presidente do Grupo Uai, responsável pelo empreendimento, Elias Tergilene ressalta que são 60 mil metros de área construída com toda estrutura para se tornar um forte centro comercial para o Nordeste.

O secretário de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico (Settdec), Antônio Carlos Borges Júnior, destaca que o novo centro comercial terá praça de alimentação, salão de beleza, lojas de celulares, bancos, todos os setores que atualmente são explorados por camelôs, além de amplo estacionamento e lojas âncoras dos mais diversos segmentos.

  •  

Poesias negras e versos de amor são temas de livro lançado por jornalista

16/6/2019, 11:36h

O livro “Letras pretas, cores – poesia de luta e contos de amor” e a revista especializada em literatura “Omnira”, ambas publicações assinadas pelo jornalista e escritor soteropolitano Roberto Leal, foram lançados em Feira de Santana, neste sábado, 15, no MAP (Mercado de Arte Popular).

“São poesias negras de luta e muito amor”, afirmou o jornalista, que há alguns anos reside em Angola. “Na África, mesmo com toda riqueza e sofrimento, existem muito amor”. Os versos das poesias negras, diz, abordam questões sociais, de luta, miséria, fome e muita luta.

São 61 poesias de luta, mais quatro contos onde o amor é abordado, mais um relato de fato vivido pelo autor. No livro, que levou um ano para ser editado e que já foi lançado em Salvador, também consta um glossário com os significados de palavras africanas usadas nos textos.

Omnira, em ioruba, significa liberdade, reúne contos e poesias de vários autores, entre eles o rodelense João Bosco Soares dos Santos e Iolanda Lucas.

Para a escritora e professora Lélia Vítor Fernandes (foto), presidente da Academia de Letras e Artes de Feira de Santana, que apoiou logisticamente o evento, o lançamento de um livro enriquece culturalmente e insere novos conhecimentos. “É importante sob todos os aspectos”.

Roberto Leal (foto) é correspondente da Academia de Letras e Artes. Os lançamentos contaram com o apoio da Secretaria de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, por meio da Diretoria de Turismo.

  •  

Resiliência, resposta segura para adversidades

16/6/2019, 11:30h

Como se transformar num resiliente, aquela pessoa que supera, tem respostas seguras para as adversidades e voltar ao estado normal depois de um revês? Treinos pode preparar o cérebro para se chegar a este estágio.

Atingir este condicionamento é a proposta do Treinamento em Resiliência do Projeto Autoconexão 3, realizado neste sábado, 15, pela psicóloga Neuza Santoro, no auditório do MAP (Mercado de Arte Popular). O evento foi gratuito.

O que se busca, diz a psicóloga, é desenvolver as habilidades ante questionamentos socráticos – o filósofo grego induzia as pessoas a procurar a verdade de qualquer jeito.

São três os estágios a serem atingidos. O tempo depende das individualidades, diz a psicóloga. “Em até um mês pode cumprir todas as etapas”. Disse também que a expectativa é de que outros eventos semelhantes sejam realizados no auditório do MAP.

O evento teve o apoio da Secretaria de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, por meio do Departamento de Turismo.

  •  

Lançamento literário e treinamento em resiliência acontecem neste sábado, no MAP

14/6/2019, 17:13h

Três eventos prometem movimentar o Mercado de Arte Popular (MAP), neste sábado, 15.  A União Baiana de Escritores e a Academia de Letras e Artes de Feira de Santana farão o lançamento da revista Literatura Òmnira em homenagem ao saudoso jornalista, professor, filosofo e escritor soteropolitano Germano Machado.

Também haverá o lançamento do livro “Letras Pretas Cruas & Nuas” – Poesia com Luta e Contos de Amor (Ed. Ònmnira) – do jornalista, escritor e editor Roberto Leal. A obra literária ambientada na África, mais precisamente em Angola e Cabo Verde, é dedicada a poetisa ativista cultural angolana Jovita Kifinamente Leal, representando todas as mulheres negras e africanas.   

Enquanto isso, no auditório, haverá o Treinamento em Resiliência do Projeto AutoConexão3. O evento, que é gratuito, usa técnicas da psicologia positiva, cuja proposta é “ajudar as pessoas a se reconectarem com sua essência, e, a partir daí conquistarem mais bem-estar, felicidade, elevando a atenção plena, autoestima e resiliência". Será ministrado pela psicóloga Neuza Santoro.

  •  

Empresários visitam obras do Centro Comercial Popular

14/6/2019, 11:4h

Prestes a ser inaugurado, o Centro Comercial Popular (Cidade das Compras), recebeu a visita da imprensa e de empresários que foram conhecer as obras que estão sendo concluídas, no mais arrojado empreendimento do gênero do Nordeste.

Com mais de 2.200 lojas, o equipamento vai contemplar 1.800 camelôs que comercializam suas mercadorias no Centro da cidade, sobretudo nas ruas ruas Sales Barbosa, Conselheiro Franco e adjacências.

A transferência do comércio informal para o Cidade das Compras é parte do Projeto Pacto da Feira. Lançada em 2013, sobre o governo do ex-prefeito José Ronaldo de Carvalho, a iniciativa tem como um dos focos principais promover a requalificação urbana das ruas centrais do Comércio.

O projeto de requalificação, orçado em R$ 200 milhões, será iniciado tão logo ocorra a relocação dos camelôs para o novo entreposto comercial, um equipamento erguido numa área de aproximadamente 26 mil metros quadrados, capacitado para oferecer mais de 500 vagas de estacionamento.

O espaço também contará com diversas áreas de serviços, um amplo centro gastronômico, além de um moderno Centro de Convenções.

"Dentro deste ambiente estritamente comercial, esperamos que todos os comerciantes ambulantes que foram cadastrados possam obter o sucesso desejado, e encontrar os resultados que todos esperamos", ponderou o prefeito Colbert Martins Filho (foto).

O empresário Elias Tergilene (foto), presidente do Grupo UAI, responsável pelo empreendimento, através de uma Parceria Público-Privada (PPP) firmada com o Governo Municipal, salientou alguns benefícios que os futuros permissionários passarão a contar.

Dentre eles, Tergilene citou a oportunidade de comprarem suas mercadorias diretamente das fábricas, alem de linhas de crédito no sistema bancário.

O secretário do Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, Antônio Carlos Borges Júnior (foto), destacou, em sua fala, o processo que culminou com a transferência dos ambulantes do Centro da cidade para o futuro Cidade das Compras.

"Nós conseguimos que investidores acreditassem no projeto Pacto da Feira, que teve a assinatura de vinte e uma entidades. Um projeto que foi amplamente debatido em várias instâncias, resultando numa licitação que, após  trinta anos (de concessão), tudo que foi investido, aqui, passa a ser incorporado ao patrimônio do Município", disse Borges Júnior.

  •  

Arraiá do Comércio: clima junino no coração da cidade

14/6/2019, 10:59h

O Arraiá do Comércio, que este ano acontece pela primeira vez na Praça Padre - conhecida como Praça Matriz - está dando um clima junino ao local que é considerado o coração da cidade. O evento foi iniciado no último sábado, 8, e segue até este domingo, 16.

No Arraiá do Comércio as opções dos pratos típicos são bem variadas. Há para todos os gostos. Além de uma grande quantidade de licores de vários sabores, desde os tradicionais maracujá, jenipapo, cajá e tamarindo aos cremosos morango, chocolate e limão, quem vai à Praça Padre Ovídio pode se deliciar com bolos, canjicas, biscoitos e tapiocas recheadas.

Há 19 anos participando do evento, que tem o apoio da Prefeitura de Feira de Santana, Luciane Barbosa é uma entre os 30 vendedores e vendedoras de licores. Moradora do distrito de Jaíba se diz satisfeita com o movimento que tem resultado nas boas vendas.

Ao seu lado, Laurença dos Santos, moradora do povoado Moita da Onça, distrito da Matinha, abre um largo sorriso de satisfação para contar que os licores colocados à venda no Arraiá do Comércio são produzidos por ela. “Aqui tem licor que foi colocado em infusão de um ano pra outro. Está bem curado e ideal para ser degustado nesse forró”, diz.

Enquanto os vendedores aproveitam o evento para obter um lucro financeiro, a praça decorada por bandeirolas, balões e chapéus de palha cria um ambiente acolhedor para quem gosta dos festejos juninos, curtir um forró e saborear as delícias da época. Nesse clima, adultos e crianças se divertem.

O militar Renato Oliveira, de 67 anos, estava com um grupo de amigos. Assistiram à missa na Catedral de Senhora Sant’Ana e depois foram curtir um forrozinho. “Viemos arrastar o pé e tomar um licorzinho pra irmos para casa”, disse parabenizando a organização do Arraiá do Comércio. O evento é promovido pelo Sesc (Serviço Social do Comércio) e conta com o apoio da Prefeitura.

  •  

Comerciantes satisfeitos com bom movimento e novo espaço do Arraiá do Comércio

13/6/2019, 17:18h

A boa presença do público no Arraiá do Comércio vem rendendo bons lucros para quem aproveita a festa para garantir uma renda extra no período junino. Este ano o evento está sendo realizado na Praça Padre Ovídio. É uma promoção do Sesc (Serviço Social do Comércio) em parceria com a Prefeitura. 

O Arraiá do Comércio funciona das 10h da manhã às 22h. Foi iniciado no último sábado, 8, e segue até o próximo domingo, 16. Durante o dia o público pode visitar as barracas e aproveitar as iguarias, entre comidas típicas e licores diversos. A noite o evento ganha o incremento dos shows dos trios de forró.

Na noite de quarta-feira, 12, Dia dos Namorados, os comerciantes comemoram também o sucesso da festa. Há 13 anos vendendo licor no Arraiá do Comércio, Maria das Graças estava feliz com o resultado das vendas até agora. Ela disse que já vendeu mil litros da bebida e espera vender muito mais até o último dia da festa.

"Este ano o comércio está bombando tanto pela presença do povo como pelo comércio de licor. Quem não compra o litro pode preferir o copo", afirmou.

Na Barraca da Sogra, Isa Trindade também estava animada. Mas, diferente de Maria das Graças, ela disse que a venda de licor está razoável. Mesmo assim, a comerciante mostrava-se otimista. "Eu acho que no próximo final de semana vai melhorar muito".

No local há licores em diversos sabores. Os mais comuns são chocolate, maracujá, amendoim, genipapo e tamarindo. O preço por litro varia de R$ 10,00 a R$ 15,00.

A comerciante Susana Neves elogiou o novo espaço do Arraiá do Comércio. "Eu participo desde o primeiro ano do evento. Minha avaliação é que a festa está parecida com os bons tempos. Quando começou no estacionamento da Prefeitura", lembra.

O gerente do Sesc, Fabrício Freitas, fez uma avaliação positiva da festa. Para ele a dinâmica do espaço da praça permitiu maior organização do evento.

"Este ano a grande mudança foi sairmos da Praça do Fórum para a Praça Padre Ovídio. Temos espaço infantil, para artesanato, além de uma Praça de Alimentação sem a necessidade dos tabuleiros espalhados", informou.

  •  

Homologados nomes de 1.788 ambulantes com espaço assegurado no Centro Comercial Popular

12/6/2019, 18:51h

A Prefeitura de Feira de Santana, através da Secretaria do Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, divulgou portaria com  homologação de 1.788 nomes dos vendedores ambulantes que deverão ser transferidos para o Centro Comercial Popular, cuja construção esta sendo realizada em parceria público-privada entre o Município e o consórcio Feira Popular S.A.

A portaria com os nomes foi divulgada na edição desta quarta-feira, 12, do Diário Oficial Eletrônico do Município (www.diariooficial.feiradesantana.ba.gov.br). Estes comerciantes têm pontos fixos na avenida Senhor dos Passos, nas ruas Marechal Deodoro, Recife, no calçadão da Sales Barbosa, Hermínio Santos, entre outros locais do centro da cidade, que passa por um novo ordenamento, dentro do projeto Pacto de Feira.

Cópia da lista, disse o titular da Settdec, Antônio Carlos Borges Júnior, foi enviada para o Ministério Público Estadual, que acompanha esse processo. “O nosso objetivo, desde o início desse processo, é proporcionar total transparência aos atos administrativos relativos aos contratos firmados e a sociedade”, afirma.

Ele  explicou que 12 nomes restam para serem homologados – no total serão 1,8 mil destes comerciantes que serão transferidos para o novo espaço. “São pendências referentes, por exemplo, a  pessoas que faleceram. Outros se encontram fora da cidade”. Inicialmente, o prazo para apresentação venceu no dia 31 de maio. “Mas, daremos alguns dias para que as pessoas ou familiares se apresente para solucionar a questões. E pedimos que fossem breves”. 

As homologações tiveram participação do Núcleo de Informações de Pesquisas Econômicas Sociais  da Prefeitura de Feira de Santana. Foram analisadas as atualizações de dados que o Sebrae disponibilizou e os cadastros efetivados pela Settdec, a partir de 2014, via biometria e outros dados sócio-econômicos referenciais. 

As obras do Centro Comercial Popular encontram-se em fase de finalização e o entreposto deve ser entregue nos próximos meses. Uma vez repassados os boxes aos ambulantes, estes poderão  fazer em seus respectivos espaços as adequações necessárias para exercerem as suas atividades.

  •  

Comerciante de fogos de artifício com boas expectativas de vendas no Parque de Exposição

12/6/2019, 10:53h

Dona do Aladim, estabelecimento especializado em venda de fogos de artifício, a comerciante Mara Rúbia Scher disse que o movimento registrado nos últimos dias mudaram suas expectativas, de dúvidas para certeza, quanto aos resultados das vendas na barraca montada no Parque de Exposição João Martins da Silva. O local foi definido pela Prefeitura, em caráter temporário, para a instalação dos barracões.

“Começamos a vender ainda quando a gente estava arrumando as caixas nas prateleiras”, afirmou a comerciante, que disse estar muito otimista quanto aos resultados nas vendas. “Inicialmente não tinha noção de como os clientes reagiriam a esta transferência. Pelo que estamos vendo, a reação foi das melhores”.

Com mais de duas décadas no mercado, a empresa, disse a dona, emprega cerca de 30 pessoas neste período. Mas existe a expectativa de que o quadro seja reforçado. “O tempo para que a gente passe orientações sobre os nossos produtos é curto, mas esperamos contratar”. O espaço oferece produtos a partir de R$ 2.

Outras duas barracas – um está sendo montada – deverão vender seus produtos no Parque de Exposição até o dia 2 de julho, quando os festejos juninos são oficialmente encerrados. Estas barracas até o ano passado funcionou na avenida Noide Cerqueira, mas por segurança foi transferida para este novo espaço, que é bem mais amplo e seguro.

A entrada ao espaço é pela BR 324. O melhor caminho para chegar ao Parque de Exposição é pela avenida Noide Cerqueira e o retorno pela B$ 324.

  •  

Aumenta a oferta dos produtos usados na culinária junina no Centro de Abastecimento

10/6/2019, 14:0h

A quantidade à venda de produtos usados na culinária junina aumenta à medida que as datas festivas se aproximam. Para o sertanejo, festejos juninos e forró apenas estão a contento se vir a mesa farta, de uma ponta a outra.

No Centro de Abastecimento, entreposto administrado pela Prefeitura, a procura pelo milho – versátil semente usada na pamonha, canjica ou comido assado ou cozido - ainda não está na mesma intensidade do ano passado, mas os vendedores estão otimistas.

Como mais uma vez a safra da região foi frustrada, devido à falta de chuvas, o milho está sendo trazido de outros municípios, como Petrolina, Irecê e do interior de Sergipe, onde as chuvas caíram na quantidade e tempo certos.

Um cento está sendo vendido por R$ 40 – as porções saem por R$ 5. Mas, de acordo com o vendedor Antônio Santana, como os produtos vem de fora, detalha que aumenta os custo, não há garantia de que o preço permaneça os mesmos até as proximidades do São João.

O amendoim, outra iguaria que não deve faltar à mesas junina, está mais presente nas barracas. O balde de quatro litros está sendo vendido a R$ 10 e a saca com medida de cinto latas de querosene, R$ 130. A de três latas está sendo vendida por R$ 80.

Outro item fundamental é a laranja, que está sendo vendida a R$ 14, o cento. Entretanto, a mesma quantidade da de umbigo, uma as preferidas para ser consumida no período junino, está custando R$ 40.

  •