FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, TELECOMUNICAÇÃO E CULTURA EGBERTO TAVARES COSTA

Museu Parque do Saber também promove alegria da criançada

20/10/2017, 17:2h

Pipoca, algodão doce, bambolê, doces, e muita fantasia. Tudo isso faz parte do universo infantil e marca os sabores e as sensações da infância. Na de quinta-feira, 19, a Fundação Egberto Costa promoveu, no salão de exposições do Museu Parque do Saber, um momento de cultura, lazer, educação e muita festa, em comemoração ao mês das crianças.

No evento, foi apresentado o espetáculo com fantoches A Floresta de Mariquita, no qual a personagem principal tem sua floresta devastada pelo terrível Cristóvão Carambola. A peça fala sobre a importância de cuidar do meio ambiente. “Montamos esse espetáculo, há 10 anos, para falar sobre educação ambiental. E a gente reconhece que isso tem que ser propagado assim, desde cedo, para as crianças”, disse o ator e escritor da peça, José Arcanjo.

Além da peça, Tio Jean e sua turma agitaram a garotada com brincadeiras, danças e teatro. Luciana Melo, professora da Escola Municipal Dr. Celso Ribeiro Daltro afirmou que “esse momento, que trabalha com ludicidade, é muito importante porque também proporciona este momento de animação para essas crianças que muitas vezes estão imersas numa realidade difícil”, contou.

Tainá Santos, tem oito anos e estuda na Escola Municipal Dr. Celso Ribeiro Daltro. Com muita disposição, até no final, a pequena estudante contou um pouco da experiência que viveu no evento. “Eu dancei muito, brinquei e pulei. Mas o que eu mais gostei foi o lanche! Eu adoro cachorro quente e algodão doce”, comemorou.

Toda a festa aconteceu no Museu Parque do Saber. Segundo o chefe de Difusão Científica da Fundação Egberto Costa e também diretor do Museu, Basílio Fernandez, a escolha do local foi muito coerente. “O Museu é também um lugar de diversão, de lazer. Um lugar em que a gente pode apresentar conhecimento e cultura tendo espaço para a música, teatro, canto. Então, é  isso que oportuniza as crianças terem  lazer de uma forma cultural”, comemorou.

  •  

Ao som dos anos 60, Café Dramático faz leitura de clássico da dramaturgia

19/10/2017, 14:28h

A noite de valorização da dramaturgia brasileira teve inicio ao som de músicas dos anos 60, que faziam alusão aos movimentos sociais e culturais como a Jovem Guarda, Tropicália, época em que a peça Roda Viva, de Chico Buarque de Holanda, foi escrita.

A leitura dramática do clássico chamou atenção do público que ávido acompanhou até o fim a performance e o talento dos atores que mesmo sem cenário, nem figurino, conseguiam dar vida aos personagens. “É muito interessante. A nossa imaginação fica a mil acompanhando o desenrolar da história”, ressaltou Bruna Calixto, estudante de Letras.

A professora Vivian Maria Santos destacou a atualidade da temática. “Além da politica, imperialismo, a peça fala do poder da mídia, da fabricação de idolos, e o povo sendo massa de manobra, da desvalorização da mulher.  Muito pertinente.”

Para o cantor, Tanny Brasil, pela primeira vez no projeto Café Dramático, a sua participação como ator convidado foi uma experiencia prazerosa que tem a ver com sua trajetoria musical. “Já fiz alguns trabalhos teatrais, musicais como 'Votei em homem seu e ganhe seu cemitério'. Achei genial a ideia de trabalhar esse texto de Chico Buarque, que tem muita musica e temática bastante atual”, destacou.

O diretor do espetáculo, Arailton Públio, ressaltou a importância da obra como marco histórico da contracultura, inagurando uma nova maneira de se fazer teatro onde atores e plateia interagem, quebrando paradgimas.

“Com essa peça, o teatro passa a ser uma arena de discussões. Roda Viva foi encenada, censurada e depois liberada durante a ditadura. Na estreia, ainda sob o regime militar, os atores foram agredidos porque o texto discutia alguns temas politicos da época. É um texto marcante na história do Brasil, nós quisemos fazer esse elo nesse momento político que a gente está vivendo com uma leitura dramática significativa”.

Estiveram também no elenco da leitura de Roda Viva, os atores Welber Oliveira (Anjo da Guarda), Cláudio Galizas (Mané) e Márcio Nunes (Capeta) e a atriz Lene Costa (Juliana). O projeto ainda faz mais duas leitura antes do final de 2017. Para 2018 estão programadas quatro apresentações, duas por semestre. Entre os autores que vão ter obras lidas estão Plínio Marcos, Antonio Bivar e Dias Gomes.

  •  

Café Dramático é nesta quarta no Museu de Arte Contemporânea

17/10/2017, 13:14h

O Museu de Arte Contemporânea, equipamento da Fundação Egberto Costa, vai sediar na próxima quarta-feira, 18, às 20h, a primeira edição do Café Dramático, projeto que visa valorizar textos da dramaturgia nacional através de leituras com atores e atrizes feirenses.

A primeira fase do projeto explora textos dos anos 60, ligados aos movimentos da contracultura. O primeiro clássico a ser lido é Roda-Viva, de Chico Buarque de Hollanda, escrito em 1968, encenado, e logo depois, censurado, em 1969.

No elenco da leitura de Roda-Viva, estão os atores Welber Oliveira (Anjo da Guarda), Cláudio Galizas (Mané), Márcio Nunes (Capeta), a atriz Lene Costa (Juliana) e Tanny Brasil (Ben Silver).

A noite se encerrará ao som de músicas dos anos 60, relebrando movimentos musícais como Jovem Guarda, Tropicália e as Canções de Protesto. A entrada é gratuita.

  •  

Uma mãe, duas filhas, e a nova vida da família, com o CEU Aviário

17/10/2017, 9:12h

Vanuza da Silva, 32 anos de idade, não era apenas uma das dezenas de mães que prestigiavam as comemorações pelo Dia da Criança no Centro de Artes e Esportes Unificados – CEU do Aviário, realizadas de 9 a 11 deste mês. Alguns detalhes fazem dela uma presença bastante significativa no evento, que proporcionou momentos de lazer e solidariedade para a comunidade do bairro.

Há cinco anos morando no bairro, ela fez uma confissão: “não participava de nada, só ficava dentro de casa, e como dona de casa, minha atividade era cuidar do meu lar e ir levar e buscar meus filhos na escola”. Em seguida, relata a mudança que está transformando a vida dela e de sua família. “Me tornei aluna do programa Arte de Viver, desenvolvido aqui no CEU Aviário. Hoje faço aula de práticas corporais aqui na praça; minha filha de 10 anos faz aula de teclado e a de 7 anos faz recreação”.

Tem mais: além disso tudo, diz ela, com um belo sorriso estampado no rosto, “o CEU Aviário tem possibilitado que eu participe do Grupo de Convivência com as Mulheres. Inclusive hoje teve um passeio e a gente assistiu uma palestra sobre o Outubro Rosa, foi maravilhoso”, destacou.

Com a propriedade de quem é mãe de duas meninas, ela falou da “importância de momentos como esse para as crianças”. Criança, lembra Vanusa, “não liga pra valor, pra coisa de marca; qualquer coisa faz com que a criança seja feliz, mesmo que seja pouco, ela já sorri, fica feliz e é isso que está acontecendo hoje”.

Com doações, mais de 400 brinquedos foram distribuídos



O coordenador do Centro de Artes e Esportes Unificados –do Aviário, Ruy Contreiras, e a professora Daiane Araujo, reuniram, nas comemorações pelo Dia das Crianças, populares e empresários que doaram brinquedos novos e usados, além de doces e lanches para a garotada. Ao todo distribuímos mais de 400 brinquedos nesses três dias de atividade.

“Nós temos que agradecer a todos os parceiros, principalmente a comunidade que nos apoiou com as doações. Trazer isso hoje para essa comunidade foi de grande importância. Mostramos pra elas hoje que existem formas saudáveis de ser feliz e ser criança”, disse Daiane.

Contreiras, por sua vez destacou o papel da Fundação Egberto Costa  - FUNTITEC, para a realização das atividades desenvolvidas na praça. “Gostaria de agradecer a Fundação por proporcionar esse momento para as nossas crianças, ao presidente Antonio Carlos Coelho e a chefe de gabinete Aline Miranda por atender nossas demandas. Além disso, quero também registrar a minha gratidão à equipe de funcionários aqui do CEU que não apenas dispuseram o tempo, mas também se reuniram para fazer doações para as nossas crianças”.

  •  

Comemoração de 10 anos do FENATIFS agita Teatro Margarida Ribeiro

14/10/2017, 9:22h

O Festival Nacional de Teatro Infantil de Feira de Santana comemorou no dia 11 de outubro, no Teatro Margarida Ribeiro, seus 10 anos de existência. Alunos da rede particular de ensino foram ao equipamento da Fundação Egberto Costa para assistir ao espetáculo de quase duas décadas da CIA CUCA de Teatro, Marinha Minhoca, e celebraram juntos à equipe do festival após a apresentação.

A atriz Elizete Desteffani falou sobre o efeito do Festival para a Infância-Juventude de Feira de Santana desde que foi lançado, em 2008. “São 10 anos de construção de crianças que cresceram e que hoje até trabalham conosco. Os festivais têm esse poder: eles agregam. O FENATIFS impulsiona o teatro na cidade. É um festival que representa a cidade no Brasil e fora dele”.

A pedagoga Jamile Mascarenhas explica que o acesso cada vez mais precoce ao mundo digital tecnológico tem ajudado a afastar as crianças da cultura e da leitura de seu meio. “Essa organização estimula as crianças a frequentar mais o teatro. É uma forma de ensinar fora da sala de aula”, disse Jamile.

O FENATIFS é o maior festival para a infância-juventude do norte e nordeste do país e o terceiro do Brasil. Apresentou nesta edição mais de 60 espetáculos para mais de 20 mil crianças, além de oficinas e outras atividades culturais. Para mais informações, acesse: www.ciacucadeteatro.com.br.

  •  

Música e Dança na Praça leva cultura para o CEU Cidade Nova

10/10/2017, 9:19h

Durante a primavera, que começou em setembro e só termina no mês de dezembro, a Fundação Egberto Costa realiza o projeto Música e Dança na Praça, em vários locais da cidade. No domingo, 8, o cantor Dann Silveira e os dançarinos do Grupo de Artes Estrelas da Massa Popular (Emap) se apresentaram no evento que aconteceu no CEU das Artes do bairro Cidade Nova. 

Além de celebrar a cultura no período mais florido do ano, o projeto estreita os laços entre as pessoas. “Um momento como este é muito importante porque é aqui que a comunidade se encontra e interage tendo acesso a esses bens culturais. E isso reverbera na vida das famílias, não só do bairro Cidade Nova mas de todos que usufruem de tudo que é oferecido aqui”, disse a coordenadora do CEU das Artes do bairro Cidade Nova, Fátima Correia.

Esta foi a segunda edição do projeto – a primeira ocorreu no Mercado de Arte Popular recentemente. O Próximo evento será realizado no dia 29, um domingo, às 16h no CEU do bairro Aviário. Em breve serão divulgadas as atrações de mais um dia de boa música e dança para o lazer dos feirenses.

Emap leva a dança “para fora dos portões da escola”

 

O Emap é formado por alunos de escola pública que se reuniram para fazer e propagar arte. Eles apresentaram várias coreografias. “O grupo surgiu desse desejo de mostrar para as pessoas que o que é público também é de qualidade. Então a gente está levando, agora, para fora dos portões da escola o nosso trabalho para mostrar que todo mundo tem que ter acesso à arte e cultura”, explicou o integrante do Emap, Uriel Falcão.

Dann Silveira: “Permite ao artista se mostrar para seu povo”

“Muito importante este trabalho da Fundação que permite que o artista aqui da cidade possa se mostrar para o seu povo. Aqui a gente consegue fazer as pessoas entenderem que existe poesia, música de qualidade”, afirmou o cantor Dann Silveira que também se apresentou no evento.

  •  

FUNTITEC solicita relatório estrutural do Casarão dos Olhos D’água

9/10/2017, 13:42h

Após firmar o Termo de Convênio com a Fundação Alfredo da Costa e Almeida Pedra, a Fundação de Tecnologia da Informação, Telecomunicação e Cultura Egberto Costa - FUNTITEC, que agora administra oficialmente o Casarão Olhos D’Água, encaminhou expediente ao secretário Pablo Roberto, titular da Secretaria Municipal de Prevenção a Violência e Direitos humanos, solicitando apoio da Defesa Civil, objetivando o fornecimento de um relatório da parte estrutural, buscando o detalhamento da parte física do prédio.

A solicitação é parte da iniciativa do presidente da FUNTITEC, Antonio Carlos Coelho, em dar celeridade ao processo de transformação do prédio no Memorial do Vaqueiro. “Após esse relatório vamos montar, junto com o departamento de administração da FUNTITEC, um processo de inexigibilidade para contratação de pessoas com notória especialidade no assunto, para construir o Memorial do Vaqueiro, motivo esse pelo qual a Fundação assumiu a administração do equipamento”, afirmou Antonio Carlos.

Ainda de acordo o presidente, o departamento irá enviar esse processo para o Tribunal de Contas do Município - TCM solicitando um parecer sobre o assunto. Caso não seja acatado por parte do TCM o processo por inexigibilidade, será preparado um processo licitatório. “Estamos buscando o processo mais rápido para iniciar a obra. Vamos fazer as intervenções necessárias para inaugurar um novo espaço de conhecimento e entretenimento cultural para o nosso município”, disse.

  •  

Semana de Física da Uefs levou atividade ao Planetário do Parque do Saber

8/10/2017, 12:25h

Uma viagem pelo universo. Essa foi a programação da XX Semana de Física da UEFS realizada na tarde de quarta-feira, 4, no planetário do Museu Parque do Saber Dival da Silva Pitombo. Este ano, pela primeira vez, o museu fez parte da grade de atividades do evento.

“O Parque do Saber é um espaço privilegiado no que se refere à divulgação cietífica. E que trabalha com temas muito próximos aos que nós também lidamos no Departamento de Física da UEFS, como a astronomia, por exemplo. Então, nada mais natural que inserir o Parque do Saber na nossa programação”, disse o coordenador da Semana de Física, Antônio Neto.

“Isso aqui é o praíso, o sonho de consumo de qualquer estudante de astronomia. A qualidade das projeções, os detalhes que são exibidos. Eu amei”, disse a mestranda em astronomia, Jucélia Santos, que já atua como professora e saiu do evento com o desejo de trazer seus alunos para conhecerem o planetário.

Para o diretor do Museu Parque do Saber, Basílio Fernandez, esta aproximação entre museu e universidade só tem a contribuir para a educação. “Fazer parte da Semana de Física é motivo de felicidade para nós. E é uma forma também de reafirmar que este é um espaço de difusão científica que está de portas abertas para a comunidade e para as instituições de ensino. Assim, a gente consegue contribuir para a formação desses estudantes, proporcionando que eles revisitem os conteudos de ciência trabalhados na universidade”, disse.

A Semana de Física acontece nos dias 4, 5 e 6 de outubro e tem o objetivo de discutir e mostrar, para o público, os conceitos da física divulgando também as pesquisas realizadas na Universidade. Este ano o tema do evento é “A física na Princesa do sertão: passado, presente e futuro”, uma poposta que debate todo o trabalho desenvolvido pelo Departamento de Físca da instituição e também discute tudo que ainda tem que ser feio para dar maior projeção às produções realizadas na UEFS. Para se inscrever e conferir a programação basta acessar:http://dfis.uefs.br/sf/sfisica2017.

  •  

Oficina de Palhaço, da Fenatifs, para alunos da rede pública

6/10/2017, 14:7h

Alunos da rede pública de ensino tiveram acesso a mais um projeto do 10º Festival Nacional de Teatro Infantil de Feira de Santana, na manhã de quinta-feira, 5, no Centro de Esportes e Artes Unificado do Jardim Acácia, um dos equipamentos da Fundação Egberto Costa. Dessa vez, as crianças prestigiaram uma oficina de palhaço com o ator Rodrigo Robleño.

A diretora da escola municipal Gente Miúda, Maria de Lurdes, falou sobre a importância do evento, principalmente no mês de outubro. “A gente aproveitou e incluiu essa oficina já para fazer parte da agenda de eventos do mês das crianças. Sair da escola para uma aula diferente é muito bom, traz o lúdico para eles”.

A coordenadora da CIA CUCA de Teatro, que realiza o festival, Neide Coca, pontuou que o FENATIFS acontece para dar acesso as crianças à arte teatral, mas que o espaço também é dos adultos. "Para que a criança possa assistir, o adulto tem que levar, então também se beneficia".

O FENATIFS é o maior festival para a infância-juventude do norte e nordeste do país e o terceiro do Brasil. As atividades acontecem até o dia 12 de outubro nos diversos teatros e outros espaços públicos da cidade de Feira de Santana e região. Para mais informações, acesse: www.ciacucadeteatro.com.br.

  •  

Sarau das Minas e Exposição Coletiva movimenta o MAC

4/10/2017, 15:0h

Um público, principalmente jovem, lotou o Museu de Arte Contemporânea para o Lançamento da Exposição Coletiva de Novos Talentos Femininos nas Artes Plásticas e Sarau das Minas, promovido pelo Coletivo Empoderamento de Mulheres de Feira de Santana e Região e o MAC na noite desta terca-feira, 3. Ao todo, 15 mulheres estão expondo seus trabalhos sob o tema ”A Mulher é uma Construção”. São pinturas, gravuras, fotografias, desenhos, grafite, vídeo arte, arte performática, transmídia e instalações que expressam a visão das mulheres por elas mesmas.

“O objetivo aqui é dar visibilidade a produção artística feminina, coisa que é sempre difícil para a mulher, para as artistas que estão começando. Temos aqui reunidos cerca de 50 trabalhos que revelam muito talento. Queremos que a comunidade conheça”, destacou Larissa Rodrigues, do Coletivo de Mulheres.

Um das obras que mais chamaram a atenção do público foi a Instalação interativa da artista plástica e poetisa Deisiane Barbosa, que se resumia num arquivo, um fichário onde continha alguns poemas da artista e em volta dele folhas de papeis em branco, lápis, lápis de cor, envelopes, que convidavam o público a interagir com a obra.

“Fui atraído pela folha em branco e quis logo desenhar, pontuou o técnico em Enfermagem Hebert Barbosa. Ao lado dele, a também poetisa e mestre em literatura, Mariane Barbosa, completou: “como sou ligada à literatura, pensei em escrever a partir de toda essa ambientação aqui tendo o fichário como centro, os envelopes me remetem a memórias”.

A cantora Milena de Souza Melo abriu o Sarau das Minas cantando MPB e canções autorais. Dona de uma voz marcante, ela participou do concurso nacional The Voice Brazil. “É muito importante estar aqui mostrando o nosso trabalho”, destacou.

Para o Diretor do Museu de Arte Contemporânea, Edson machado, mais uma vez o museu cumpre o seu papel que é divulgar novos talentos. “Todo artista precisa de espaço, de apoio e o MAC abraça essa causa. Junto com o Coletivo de Mulheres já fizemos o projeto "Leia Mulher" e agora essa exposição, que com certeza impulsiona a carreira que quem está começando. Os trabalhos podem ser vistos até o final do mês".

  •