Semmam entrega certificados, firma projeto e doa aparelho sonoro, nesta terça, no Parque do Saber

11/12/2017, 18:24h

Professores homenageados, alunos receberão seus certificados, projetos de parceria firmados e a doação de equipamentos sonoros apreendidos durante a “Operação Feira quer silêncio”. A noite desta terça-feira, 12, será movimentada para a Secretaria de Meio Ambiente.

O evento está marcado para ser iniciado às 19h, no Museu Parque do Saber Dival Pitombo, com a presença do prefeito José Ronaldo de Carvalho, o secretário Sérgio Carneiro e diversas outras autoridades.

Serão homenageados 40 professores que participaram dos oito cursos e duas oficinas oferecidos pela Unamacs (Universidade Aberta de Meio Ambiente e Cidadania Sustentável) no primeiro semestre. Os facilitadores foram todos voluntários.

Dezesseis pessoas físicas e jurídicas, que contribuíram com ações em defesa da natureza, receberão o Prêmio Guardiões do Meio Ambiente. O reconhecimento deve-se as ações positivas focadas na defesa do meio ambiente.

Aproximadamente 300 alunos receberão seus certificados, mais os 15 servidores da Secretaria de Serviços Públicos, do Departamento de Áreas Verdes e do setor de coleta, que participaram do curso de 80h, com foco no descarte de resíduo.

O “Projeto sustentabilidade nas escolas” será firmado entre a Semmam, Secretaria de Educação e a Pepsico. A iniciativa objetiva o recolhimento das embalagens cartonada tetra park, usadas em achocolatados, em escolas da rede municipal. A empresa vai reutilizar o produto.

Entidades que prestam assistência social no município e que tenham o reconhecimento de utilidade pública pela Câmara Municipal receberão equipamentos sonoros apreendidos durante as operações “Feira quer silêncio”.



  •  

Unamacs projeta novos cursos para 2018

11/12/2017, 16:33h

Os bons resultados atingidos pela Unamacs (Universidade Aberta de Meio Ambiente e Cidadania Sustentável) no seu primeiro semestre de atividades, tanto em qualidade como em quantidade, estão sendo comemorados na Secretaria de Meio Ambiente. Do final de agosto até o final de novembro a instituição realizou oito cursos e duas oficinas, que somados, tiveram as participações de mais de 250 pessoas – média de 25 por turma. 

A Semmam já organiza a grade para o próximo semestre. Algumas sugestões foram apresentadas e estão sendo avaliadas, conforme explica o secretário de Meio Ambiente, Sérgio Carneiro. “Precisamos estudar as viabilidades das propostas para que atenda o maior número de interessados em participar dos cursos e oficinas”.

O sucesso da Unamacs, conforme o secretário, se deve muito ao empenho das professoras Elizângela Lucena e Érica Teles, intituladas por ele como "reitoras da Unamacs". "O empenho delas e a dedicação foram fundamentais para que os objetivos fossem atingidos".

TRANSFORMAÇÃO

A UNAMACS é aberta a pessoas de todas as idades, independente do nível de escolaridade. Para a professora Érica Teles (foto), o interesse e compromisso dos alunos superou todas as expectativas. "A transformação e mudança de atitudes foram evidentes", salientou.

RECOMPENSA

“Maior recompensa é proporcionar a reflexão”, diz Elizângela 

Os cursos e oficinas são totalmente gratuitos para os alunos. O professores, por sua vez, nada cobram para ministrar as aulas. Mas para os mestres, a maior recompensa é proporcionar a reflexão ambiental. “É uma oportunidade ímpar na vida dessas pessoas. E poder fazer parte disso é muito gratificante”, ressalta Elizângela Lucena.

SOBRE A UNAMACS

Elizângela Lucena, Sérgio Carneiro e Erica Teles, representantes da Unamacs

Os cursos foram realizados no Parque da Cidade Frei José Monteiro Sobrinho, com cargas horárias variadas. O maior deles foi o de “Capacitação em Resíduos Sólidos: Destino e Reuso”, que teve 80 horas. 

A UNAMACS é a primeira Universidade Aberta do Meio Ambiente da Bahia e do Norte e Nordeste neste formato, para capacitação de cursos e de educação informal, a terceira do Brasil, acompanhada da UMAPAZ (em São Paulo) e a Unilivre (em Curitiba) e a sétima no mundo.

A educação informal surge na Inglaterra em 1969 e chega no Brasil com a concepção da Universidade Aberta à Terceira Idade, onde os mais velhos vão a um local em que desenvolvem atividades mentais de jogos, cursos de corte e costura, dança e salão com mentores que, não necessariamente, tenham cursos superiores. O Meio Ambiente se apropria dessa ideia e oferece cursos como o de compostagem, jardinagem, minhocário e capacitações acerca do tema “meio ambiente” e que, diferentemente das Universidades tradicionais, não exigem anos de graduação.



  •  

Nenhum estrangeiro que não seja naturalizado brasileiro poderá explorar box no Shopping Comercial Popular, afirma José Ronaldo

11/12/2017, 14:26h

“O mundo inteiro busca dinheiro na China para investimentos, assim como o Governo do Estado, que tem ido à China constantemente para conseguir financiamento para a construção da ponte Salvador/Itaparica e o Porto de Ilhéus. Os governos de outros estados e o Governo Federal também não têm medo de empresas nacionais se associarem a grupos chineses para executar os seus projetos”.

Com estes argumentos o prefeito José Ronaldo de Carvalho desmentiu, durante entrevista concedida na manhã desta segunda-feira, 11, ao quadro “Na Sala do Povo”, do Programa Acorda Cidade, os boatos espalhados por setores refratários a construção do Centro Comercial Popular, de que o entreposto seria explorado por comerciantes de origem chinesa.

No jornalístico da Rádio Sociedade comandado pelo radialista Dilton Coutinho, José Ronaldo enfatizou, inclusive, que a Câmara Municipal aprovou um Projeto de Lei encaminhado pelo Poder Executivo, proibindo que estrangeiros ocupem áreas comerciais no Centro Comercial Popular, a não ser quer sejam naturalizados brasileiros.

Presidido pelo empresário mineiro Elias Tergilene, a Fundação Doimo, responsável pela construção do Centro Comercial, atua nos ramos de mineração de pedras ornamentais para a Construção Civil, no setor industrial; e na implantação de shoppings populares. Todos estes seguimentos contam com capital italiano, brasileiro e chinês.

No tocante à implantação do Centro Comercial Popular, a Doimo está representada pelo capital brasileiro (Elias Tergilene), e os sócios chineses e italianos. Este fato, entretanto, “não tem nada a ver com o espaço ser direcionado a comerciantes de origem chinesa”, descartou o prefeito.

Embora este tema tenha ganhado destaque durante a entrevista, dada à importância socioeconômica que envolve o investimento, que tem como um dos principais objetivos reordenar o comércio informal nas ruas centrais da cidade, José Ronaldo também respondeu sobre as ações do seu governo, a exemplo das obras do BRT, que segundo ele deverão ser concluídas nos próximos seis meses.

Com transmissão simultânea através da página que o programa mantém no Facebook, a maioria das participações dos ouvintes se referiu às obras contidas no Pacote de Obras lançado na semana passada pelo prefeito, orçado em mais de R$ 35 milhões, sendo cerca de R$ 14 milhões destinados à pavimentação de ruas e praças, na sede e nos distritos.



  •  

Centro da cidade recebe iluminação e decoração especial para o Natal

11/12/2017


Compartilhar no Facebook    
  •  

Feira teve Carnaval, antes de criar a Micareta

11/12/2017, 12:20h

Autor do livro “31 Anos de Micareta”, o jornalista e historiador Helder Alencar lembra que em tempos idos existia Carnaval em Feira de Santana, ainda com a denominação de Entrudo. O advento da nova rodovia Feira-Salvador contribuiu para o declínio da festa carnavalesca na cidade, pois com as facilidades de locomoção por conta da rodovia, os foliões passaram a optar pelo Carnaval da capital. Foi assim, e graças aos artigos do jornalista Antônio Garcia, que a folia em Feira mudou de nome e data, nascendo a Micareta de Abril, a maior do Brasil. Vale a pena ler o artigo de Helder Alencar. (Adilson Simas)

O CARNAVAL NA FEIRA

Hélder Alencar


São antigas, muito antigas mesmos, as festas de Momo na Feira de Santana. Elas datam de quando o carnaval ainda era a festa, denominada de Entrudo, festa que precedeu no Brasil, como em Portugal, aos grandes festejos carnavalescos.

Diz Luiz Câmara Cascudo, inegavelmente, o maior folclorista brasileiro, no seu “Dicionário de Folclore Brasileiro”, que o “entrudo brutal e alegre viveu até meados do Século XIX”.

Assinala ainda, Cascudo, que “pelo norte ao centro sul do Brasil o movimento era geral. Água, farinha do reino, gomas ensopavam os transeuntes – águas molhando famílias inteiras em plena batalha”.

O velho jornal “O Comercial” que por muitos anos se editou na Cidade de Feira de Santana, condenava, em 1871, o entrudo feirense, com a seguinte nota: “O divertimento do entrudo passou nesta vila sem lamentar-se desgraça alguma, graças ao desuso em que vai caindo esse péssimo brinquedo”.

O entrudo permaneceu, entretanto, até 1891, ano em que os jornais locais dão conta das primeiras manifestações carnavalescas.

Em 1877 – durante o entrudo feirense, no baile das máscaras do Hotel Globo, o moço Francisco Xavier de Macedo recebeu uma estocada e, no local denominado Minadouro desancaram a pauladas a Martim Levino Diêgo.

Como se pode notar a fama do Minadouro data de longos anos. O entrudo era assim, uma festa bárbara, violente e absurda, precursora do Carnaval.

Na Feira de Santana houve muitos entrudos, até que surgisse o Carnaval que duraram alguns anos, quando então apareceu a festa magnífica e grandiosa que é a Micareta.

Passada a fase do entrudo, a cidade começa a viver o período carnavalesco propriamente dito e em 1891, a imprensa falava em Carnaval, que teve a sua primeira agremiação fundada em 1924, o “Clube Carnavalesco 2 de Julho”.

Oscilando entre a animação em certos anos e o fracasso em outros; o carnaval foi sobrevivendo na Feira de Santana, proporcionando ao povo momentos inesquecíveis de alegria, até que o aparecimento da rodovia para Salvador decretasse o início do declínio carnavalesco, aparecendo fraco e sem grande movimentação o tríduo de momo de 1932.

A nova rodovia determinava a ausência de foliões, que preferiam o carnaval de Salvador.

Menção especial merece o carnaval feirense de 1929, não só pela animação que reinou, como também pela revolta popular acontecida na terça-feira, quando a cidade ficou às escuras por certo tempo.

Portando velas, o povo realizou enorme passeata até a sede da Cia. Melhoramentos, que ficava situada defronte do local onde hoje se ergue o Feira Tênis Clube, sendo contido, entretanto pelo então intendente Dr. Elpídio Raymundo da Nova.

Voltando a luz o povo se divertiu na Praça da Matriz até as primeiras horas da madrugada de quarta-feira, ao som da Sociedade  Filarmônica 25 de Março, que no coreto realizava retrata.

O fracasso do carnaval feirense, com animação caindo de ano para ano, foi determinando o nascimento das festas de após páscoa, que pouco ganharam mais animação e consistência até o seu surgimento definitivo.

O carnaval de 1937, um dos últimos realizados nesta cidade, apresentou a Srta. Eunira Alves Boaventura como Rainha e as Srtas. Teté Fernandes, Maria Luiza Motta, Bernadete Lima Santos e Mary da Silva Azevedo, como princesas.

O sr, Heráclito Dias de Carvalho, Prefeito Municipal na época e por sinal um dos mais operosos que já passaram pelo governo de Feira de Santana, era o Presidente de Honra da Comissão, que era constituída, na parte executiva, pelos Srs. Oscar Erudilho, Hermogênes, Alvaro Moura Carneiro, Rodolfo Ballalai, Pedro Matos e Vitor Santana.

A Comissão de Propaganda apresentava:  Antônio Garcia, Oscar Erudilho. Eliziário Santana e Arlindo Ferreira, sendo a Comissão de Bailes assim constituída:  Oscar Marques, Antônio Matos, Edgard Vasconcelos, Álvaro Carvalho e Almiro Portugal.

Joaquim Costa, José Maciel Ribeiro, Florisberto Moreira e Tertuliano Carneiro eram encarregados das ornamentações das ruas, enquanto Jacy Assis, Ceres Figueiredo, Eunira Boaventura, Cremilda Sampaio, Mariinha Assis, Eunice Alves Boaventura e Bernadete Lima Santos compunham a Comissão Feminina.

Antes dos festejos carnavalescos de 1937, a Comissão Feminina realizou a Festa dos Zíngaros, que foi assim comentada por uma cronista da época: “A encantadora Festa dos Zíncaros, promovida pela prestigiosa Comissão Feminina foi o prenúncio do brilhantismo do Tríduo da Folia em que (podemos já informar) só haverá bailes a fantasia em as noite de sábado, 6 de fevereiro próximo e da segunda-feira gorda, reservados o domingo e a terça-feira de Momo para as passeatas vespertinas e noturnas de cordões, batucadas, ranchos e blocos e para o corso de veículos ornamentados”.

Foi aí que o Profº Antônio Garcia, um dos redatores da “Folha”, sugeriu a realização da Páscoa da Folia dando definitivamente, início à chamada Micareta.

Era o Carnaval de 1937 aguardado com a máxima ansiedade pelo povo que se divertiu pouco sem sentir-se plenamente satisfeito, pois chuvas intensas e forte desabaram sobre a cidade durante o tríduo carnavalesco, especialmente na chamada terça-feira gorda, a partir das 15h, quando as chuvas foram mais fortes, prolongando-se ainda por toda a quarta-feira de cinzas.



  •  

O encontro de um ex-mecânico com a música, aos 80 anos de idade

11/12/2017, 11:51h

Aos oitenta anos de idade, o aposentado Raimundo Neves não se satisfez em apenas curtir seu momento de aposentadoria sem adquirir mais uma experiência para a sua vida. Ex-mecânico, começou a trabalhar novo e passou por muitos lugares nesse Brasil e até fora dele. Há um ano frequenta a oficina de musica do Programa Arte de Viver realizado pela prefeitura de Feira de Santana, através da Fundação Egberto Costa. Segundo o aposentado, antes da oficina nunca tinha tocado violão, mas guardava consigo uma vontade imensa de aprender a tocar o instrumento, e foi a partir das aulas que ele descobriu uma nova paixão. 

“Eu tinha que ter uma atividade. Sempre tive vontade de tocar violão, ai cheguei aqui no Arte de Viver e encontrei essa oportunidade. Como nunca fiquei parado e comecei a trabalhar desde muito novo, construindo plataforma de petróleo, já morei na África, trabalhei na Petrobras, na Odebrecht e depois de aposentado procurei pelas aulas de violão, que só fez a melhorar mais a minha vida”, diz Raimundo.

Turma canta composição própria

O aposentado Raimundo faz parte da turma do Professor Mano Gavazza que na sua apresentação tocou a música "Trem Bala", de Ana Varella, e "Música é vida", uma composição própria  do grupo.  

Plateia repleta de familiares e amigos

O encerramento das oficinas de música do semestre 2017.2 aconteceu no dia 5 no teatro Ângela Oliveira, do Centro de Cultura Maestro Miro. Os familiares e amigos foram prestigiar os quarenta e quatro alunos que se apresentarem divididos em três turmas. 

Professores fazem apresentação de abertura

A abertura do evento foi com uma apresentação dos três professores, Rogerio Ferrer, Mano Gavazza e Rafael Ras que tocaram e cantaram a música "Lamento Sertanejo" de Dominguinhos e Gilberto Gil.

“A arte tem o poder de transformação e a pessoa busca isto através da prática musical, teatral, seja qual for a escolha", disse Rogerio Ferraz após se apresentar com sua turma tocando Asa Branca de Luiz Gonzaga.

“Como professor é muito emocionante, é como se tivesse um filho vendo ele aprendendo a andar, a gente ver ele ganhando independência, e ver que aquele tempo que nos dedicamos não foi em vão. É um curso básico de violão popular, mas eles saem daqui com uma noção básica de como tocar uma música, posicionar o dedo, é muito interessante esse processo de todo semestre tá formando novas pessoas porque é um aprendizado”, ressalta Rafael Ras.

“Pra mim é gratificante demais, porque a gente ver o resultado nos olhos desses alunos. Quando eles compõe, eles dizem “essa frase é minha” oficinas como essas transformam a vida dessas pessoas. A gente se surpreende muito com o desenvolvimento deles durante as aulas, muitos chegam aqui tímidos e depois estão compondo músicas", conta Gavazza.

PERSONAGEM

O garoto José Neto, convidado pelo professor Mano, para declamar a letra da música composta por seus alunos.



  •  

Matinha sai na frente no primeiro jogo da final da Copa Interdistrital

11/12/2017, 9:55h

O time do distrito de Matinha disputa a partida de volta da final do Campeonato Interdistrital de Futebol 2017, no próximo dia 17, contra o time do distrito de Humildes, na casa do adversário, com a vantagem de poder empatar o jogo. É que na primeira partida da final, na manhã deste domingo, 10, venceu por 1 x 0, impulsionado pela torcida que animou o estádio.

O gol que garantiu a vitória e, consequentemente, a vantagem para a partida decisiva, veio ainda no primeiro tempo. Numa cobrança de pênalti definiu o placar e levou o segundo tempo só administrando a vantagem, enquanto a torcida fazia a festa na arquibancada com instrumentos de percussão.

Para reverter a situação, o time de Humildes terá que vencer a partida do próximo final de semana, com pelo menos dois gols. Se empatar, perde automaticamente o título do campeonato e, caso consiga vencer com apenas um gol de diferença, terá que disputar o título nos pênaltis.

A Copa Interdistrital de Futebol é uma iniciativa do Governo Municipal, através da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer, visando projetar talentos no esporte mais popular do Brasil. Contou com a participação de times de todos os oito distritos feirenses, com partidas nas próprias comunidades.



  •  

Corrida de Verão revela longevidade com saúde

11/12/2017, 9:49h

Aos 75 anos, o professor de artes marciais Pascoal Bispo dos Santos (foto), 3º DAM de karatê, revela todo o segredo para a longevidade com saúde e muita disposição: a prática de exercícios diários. Este hábito saudável o levou também a se tornar corredor profissional e, durante a 2ª Corrida de Verão, promovida pela Prefeitura de Feira de Santana e a Associação Feirense Atletas Corredores (Afac), na manhã deste domingo, 10, na avenida Nóide Cerqueira, deixou muitos jovens para trás e sem fôlego.

Atleta polivalente, Pascoal avalia que o atletismo é a base para todos os demais esportes, desde artes marciais, MMA até natação, basquete e futebol. “Ajuda bastante no desempenho, na coordenação motora, no alongamento e na flexibilidade. E, acima de tudo, proporciona estar de bem consigo próprio. E quem está nesta situação está de bem com o universo e tudo fica favorável”, alertou.

A 2ª Corrida de Verão foi realizada com percursos de 5 km e 10 km ao longo da avenida Nóide Cerqueira, com todos os atletas recebendo medalhas. Este ano, conforme o presidente da Associação Feirense de Atletas Corredores, Antônio Carlos Rocha, reuniu cerca de 100 atletas, dentre feirenses e pessoas vindas dos municípios de Bonito, Serrolândia, Rui Barbosa, Salvador, Camaçari e Lençóis.

Durante o evento também estiveram presentes o prefeito José Ronaldo de Carvalho, o vice-prefeito Colbert Martins Filho e o secretário de Cultura, Esporte e Lazer, Edson Borges.



  •  

Festival de Samba projeta talentos feirenses e mostra força de gênero musical

11/12/2017, 9:36h

A idéia de que “Quem não gosta de samba bom sujeito não é / É ruim da cabeça ou doente do pé...”, transmitida pela canção Samba da Minha Terra, eternizada na voz do cantor e compositor Dorival Caymmi, ganhou força no Mercado de Arte Popular (MAP), com a promoção do 1º Festival de Samba de Feira de Santana. O evento foi encerrado neste sábado, 9, com dezenas de pessoas embaladas pelo ritmo frenético ao som do coletivo cultural Unidos pelo Samba.

Durante uma semana, o festival, aberto no dia 2, quando é comemorado o Dia Nacional do Samba, projetou talentos feirenses, que mantêm viva uma das principais manifestações culturais populares brasileiras, levando ao público grandes clássicos de canções que desceram os morros do Rio de Janeiro para contagiar todo o Brasil. E aqui em Feira de Santana os artistas também mostraram todo o talento através de algumas produções autorais que caíram ao gosto do público, fazendo todos dançarem.

O coletivo cultural tem como peculiaridade reunir 10 sambistas talentosos, todos feirenses, amantes do mais puro samba. Pessoas simples, mas com muita vocação para o sucesso, em busca apenas de uma oportunidade para o reconhecimento do grande público e de projeção no cenário nacional.

Dupla fez a platéia dançar

Integrantes do coletivo, os sambistas Valdir e Dênis (foto) fizeram a platéia dançar no ritmo que deixa o corpo bem mole, interpretando grandes clássicos do samba e também algumas canções autorais. E não faltou no repertório músicas como a música da pamonha, de André Lopes, que faz homenagem a Noratinho da Pamonha, que durante mais de meio século vendeu pamonha pelas ruas da cidade cantando sua música para avisar que estava chegando com a iguaria. Teve também clássicos como Alguém me Avisou, de Caetano Veloso, e Meu Amigo Charlie Brow, de Benito de Paula, dentre muitas outras canções de sucesso.

O samba é a expressão de nossa cultura

E para os amantes do bom samba, motivos não faltaram para animar a pista e sacudir o molejo. “O samba é uma expressão viva de nossa cultura. E em Feira de Santana temos bons compositores e cantores, como os do coletivo cultural, que estão animando o espaço com show de qualidade”, afirmou o jornalista e radialista Vicente Santos, enquanto sambava com Amanda Florentina.



  •  

Unidade de Saúde da Queimadinha já começou a funcionar nesta segunda

11/12/2017, 9:21h

A Unidade de Saúde da Família Dr. Hilarião Gomes da Silva Filho (USF), construída no bairro Queimadinha, na localidade da Fonte do Lili, começou a funcionar nesta segunda-feira, 11, com toda equipe de profissionais de saúde para garantir ganhos na qualidade de vida de uma das comunidades mais carentes de Feira de Santana e que mais experimentaram a modernização nos últimos anos. O equipamento foi entregue pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho, durante solenidade no final da tarde de domingo, 10.

Ao entregar a USF, José Ronaldo fez um relato dos investimentos promovidos pela sua administração municipal visando urbanizar a localidade, levando pavimentação, infraestrutura e inclusive viabilizando a construção de casas para famílias que viviam em condições subumanas em barracões construídos em locais que eram charcos.

UPA será entregue no início de 2018

José Ronaldo informou ainda sobre a pretensão de inaugurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro no início do próximo ano. “É uma das obras da saúde mais bonitas de Feira de Santana. Vai ter aparelho de Raio X e laboratório para que os pacientes possam fazer os exames no próprio local”, frisou.

O vice-prefeito Colbert Martins da Silva Filho ressaltou a importância da unidade de saúde, que vai proporcionar ganhos na qualidade de vida da comunidade.

Já o suplente de deputado federal Zé Chico observou que a iniciativa do Governo do prefeito José Ronaldo vem atender aos anseios da comunidade, que tanto necessitavam deste serviço.

Uma série de serviços será ofertada para a comunidade

Ao agradecer a Deus por dar forças à administração municipal para continuar o trabalho, a secretária de Saúde, Denise Mascarenhas (foto - discursando), observou que além da equipe de médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem, na USF também vai funcionar um núcleo do Nasf, com oferta de serviços de assistente social, nutricionista e psicóloga.

Comunidade vem ganhando melhorias nos últimos anos

Presidente da Associação de Moradores, Ana Rita de Souza Brito (foto - discursando), ou simplesmente Rita Gorda, como faz questão de ser chamada, fez um retrospecto dos últimos 20 anos na comunidade. “Nem nos melhores sonhos da gente imaginaríamos estar aqui hoje ganhando uma unidade de saúde. Agora a comunidade respira dignidade”, afirmou.

Liderança comunitária, Washington da Silva Andrade, mais conhecido como Carlinhos, ressaltou a busca da comunidade por melhorias e o empenho do Governo Municipal. A mesma observação foi feita por Nego Eder.



  •