Escola Regina Vital promove sua X Mostra de Artes, com foco no Programa Novo Mais Educação

12/12/2017, 10:44h

Há 10 anos a Escola Municipal Regina Vital realiza a sua Mostra de Artes. A iniciativa tem o objetivo de apresentar a toda comunidade escolar os trabalhos desenvolvidos pelos estudantes ao longo do ano. Em 2017, o Programa Novo Mais Educação foi o tema escolhido para o evento que aconteceu no último sábado, 9.

Cerca de 170 alunos do 2º ao 5º ano são beneficiados pelo programa do Governo Federal que oferece aulas de artesanato, coral e música, futebol e acompanhamento pedagógico nas disciplinas de matemática e português, no contraturno das aulas regulares.

Os alunos montaram stands nas salas de aula para receberem pais, responsáveis e moradores do bairro Campo Limpo. Alguns estudantes apresentaram gêneros textuais, outros trouxeram jogos; os alunos de música fizeram apresentações de músicas com hits dos anos 80 e os estudantes de artesanato criaram releituras das obras do artista plástico Gustavo Rosa.

“É o momento de culminar os nossos projetos e mostrar à comunidade tudo o quê a gente produz durante o ano. Para os estudantes, a Mostra de Artes ajuda a vencer a timidez, estimular a criatividade e também os torna mais sensíveis”, destaca a professora Indaiara Silva, gestora da escola.



  •  

Referência mundial no violão, Robson Miguel é atração do Natal Encantado

12/12/2017, 8:51h

Reconhecido internacionalmente, o violonista Robson Miguel, considerado o melhor neste instrumento em todo o mundo, será uma das atrações do Natal Encantado. Vai se apresentar no dia 18. Na mesma noite a cantora Gal Costa também vai ocupar o palco.

A apresentação do violonista, diz o prefeito José Ronaldo de Carvalho, aumenta exponencialmente o brilho das comemorações natalinas, que terá presenças de grandes estrelas da Música Popular Brasileira. “Será mais um grande nome para animar as noites festivas”.

Robson Miguel também é arranjador, compositor, produtor e maestro. O primeiro lugar no ranking é reconhecido pelo prestigiado Círculo Violonístico Europeu de Madrid. No seu repertório clássicos consagrados. O músico transforma o violão em vários instrumentos.

O Natal Encantado será aberto no dia 17, com a Orquestra Sinfônica da Bahia. Nas noites seguintes se apresentarão Gal Costa: voz e violão, mais Robson Miguel, 14 Bis, Alcione, Fagner e Joana – todos no palco 1.

No palco 2 (nas mesmas noites) se apresentarão Divas, Tropicália 50 anos, Orquestra Neojiba, Baiana Bossa, Wanderley Cardoso e a Orquestra Sanfônica de Serrinha.

Também serão atrações feirenses Vênus Carvalho, com o show “Esse samba em mim”, Sarau de Quintal, Dan Silveira, Chorinho entre amigos, Dionorina in Concert, Robson Miguel e Santini & Trio, que neste ano ganhou o Troféu Caymmi, na categoria Melhor Banda. O baterista Flávio Gallo foi o Melhor Instrumentista.



  •  

José Ronaldo anuncia liberação completa das pistas da Presidente Dutra sobre as obras do túnel da João Durval

12/12/2017, 8:43h

Na próxima semana, as pistas da Avenida Presidente Dutra sobre as obras do túnel da Avenida João Durval Carneiro estarão completamente liberadas para o trânsito de veículos.

Já as obras do túnel só deverão ser concluídas dentro dos próximos seis meses, conforme anunciou o prefeito José Ronaldo de Carvalho, ao ser entrevistado no programa Jornal das Duas, ancorado pelo radialista Paulo José, e coadjuvado por Danillo Freitas, na Rádio Sociedade, na tarde desta segunda-feira, 11.

Ainda sob os efeitos positivos do Pacote de Obras que lançou na semana passada, José Ronaldo interagiu com os ouvintes do programa, ávidos em certificar se os seus respectivos bairros foram contemplados com a iniciativa do Governo Municipal.

Concurso Público

Quanto a realização de concurso público, ele ponderou que a Prefeitura Municipal está ultimando uma análise técnica para abrir uma licitação pública para a contratação de uma empresa gabaritada em elaboração de provas para o preenchimento de vagas de professores e agentes da Guarda Municipal.



  •  

Ação no centro da cidade visa reordenamento de barracas e carros de mão

11/12/2017, 19:2h

Visando desobstruir as calçadas públicas no centro da cidade, especialmente na rua Sales Barbosa e avenida Senhor dos Passos, a Secretaria de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, em parceria com a Secretaria de Prevenção a Violência, Polícia Militar, e outros segmentos está realizando uma ação de reordenamento junto a vendedores ambulantes que utilizam barracas e carros de mão nestes locais. A força-tarefa já é realizada há alguns anos em decorrência do aumento do movimento no centro comercial neste período natalino. 

O trabalho realizado nesta segunda-feira, 11, foi alvo de protestos por parte de vendedores de frutas. Segundo a Settdec, trata-se de pessoas que vendem produtos em carrinho de mão,  principalmente, que insistem em descumprir normas. 

Já foi disponibilizado espaço para eles na Praca Bernardino Bahia, mas muitos continuam a ocupar as calçadas, especialmente na área da faixa exclusiva  de ônibus na avenida Senhor dos Passos.

Esta é uma situação que, alem de estar em desobediência a legislação, causa risco aos pedestres, que deixam de caminhar  pelo passeio e passam a transitar na pista. 

O Governo  Municipal vai  manter a fiscalização para coibir  a irregularidade, organizar o centro comercial e evitar acidentes. Trata-se ação conjunta, que além da Prefeitura, conta com o apoio de entidades representativas, como o Sindicato dos Camelôs, CDL e Associação Comercial.

COMÉRCIO MAIS SEGURO

O trabalho realizado pela Settdec é alinhado a operação Comércio Mais Seguro, da Polícia Militar, em parceria com a Prefeitura, que resulta no aumento de 30% do efetivo de policiais militares para atuar, durante todo o período natalino, nas ruas centrais da cidade.   

 

 



  •  

Semmam entrega certificados, firma projeto e doa aparelho sonoro, nesta terça, no Parque do Saber

11/12/2017, 18:24h

Professores homenageados, alunos receberão seus certificados, projetos de parceria firmados e a doação de equipamentos sonoros apreendidos durante a “Operação Feira quer silêncio”. A noite desta terça-feira, 12, será movimentada para a Secretaria de Meio Ambiente.

O evento está marcado para ser iniciado às 19h, no Museu Parque do Saber Dival Pitombo, com a presença do prefeito José Ronaldo de Carvalho, o secretário Sérgio Carneiro e diversas outras autoridades.

Serão homenageados 40 professores que participaram dos oito cursos e duas oficinas oferecidos pela Unamacs (Universidade Aberta de Meio Ambiente e Cidadania Sustentável) no primeiro semestre. Os facilitadores foram todos voluntários.

Dezesseis pessoas físicas e jurídicas, que contribuíram com ações em defesa da natureza, receberão o Prêmio Guardiões do Meio Ambiente. O reconhecimento deve-se as ações positivas focadas na defesa do meio ambiente.

Aproximadamente 300 alunos receberão seus certificados, mais os 15 servidores da Secretaria de Serviços Públicos, do Departamento de Áreas Verdes e do setor de coleta, que participaram do curso de 80h, com foco no descarte de resíduo.

O “Projeto sustentabilidade nas escolas” será firmado entre a Semmam, Secretaria de Educação e a Pepsico. A iniciativa objetiva o recolhimento das embalagens cartonada tetra park, usadas em achocolatados, em escolas da rede municipal. A empresa vai reutilizar o produto.

Entidades que prestam assistência social no município e que tenham o reconhecimento de utilidade pública pela Câmara Municipal receberão equipamentos sonoros apreendidos durante as operações “Feira quer silêncio”.



  •  

Unamacs projeta novos cursos para 2018

11/12/2017, 16:33h

Os bons resultados atingidos pela Unamacs (Universidade Aberta de Meio Ambiente e Cidadania Sustentável) no seu primeiro semestre de atividades, tanto em qualidade como em quantidade, estão sendo comemorados na Secretaria de Meio Ambiente. Do final de agosto até o final de novembro a instituição realizou oito cursos e duas oficinas, que somados, tiveram as participações de mais de 250 pessoas – média de 25 por turma. 

A Semmam já organiza a grade para o próximo semestre. Algumas sugestões foram apresentadas e estão sendo avaliadas, conforme explica o secretário de Meio Ambiente, Sérgio Carneiro. “Precisamos estudar as viabilidades das propostas para que atenda o maior número de interessados em participar dos cursos e oficinas”.

O sucesso da Unamacs, conforme o secretário, se deve muito ao empenho das professoras Elizângela Lucena e Érica Teles, intituladas por ele como "reitoras da Unamacs". "O empenho delas e a dedicação foram fundamentais para que os objetivos fossem atingidos".

TRANSFORMAÇÃO

A UNAMACS é aberta a pessoas de todas as idades, independente do nível de escolaridade. Para a professora Érica Teles (foto), o interesse e compromisso dos alunos superou todas as expectativas. "A transformação e mudança de atitudes foram evidentes", salientou.

RECOMPENSA

“Maior recompensa é proporcionar a reflexão”, diz Elizângela 

Os cursos e oficinas são totalmente gratuitos para os alunos. O professores, por sua vez, nada cobram para ministrar as aulas. Mas para os mestres, a maior recompensa é proporcionar a reflexão ambiental. “É uma oportunidade ímpar na vida dessas pessoas. E poder fazer parte disso é muito gratificante”, ressalta Elizângela Lucena.

SOBRE A UNAMACS

Elizângela Lucena, Sérgio Carneiro e Erica Teles, representantes da Unamacs

Os cursos foram realizados no Parque da Cidade Frei José Monteiro Sobrinho, com cargas horárias variadas. O maior deles foi o de “Capacitação em Resíduos Sólidos: Destino e Reuso”, que teve 80 horas. 

A UNAMACS é a primeira Universidade Aberta do Meio Ambiente da Bahia e do Norte e Nordeste neste formato, para capacitação de cursos e de educação informal, a terceira do Brasil, acompanhada da UMAPAZ (em São Paulo) e a Unilivre (em Curitiba) e a sétima no mundo.

A educação informal surge na Inglaterra em 1969 e chega no Brasil com a concepção da Universidade Aberta à Terceira Idade, onde os mais velhos vão a um local em que desenvolvem atividades mentais de jogos, cursos de corte e costura, dança e salão com mentores que, não necessariamente, tenham cursos superiores. O Meio Ambiente se apropria dessa ideia e oferece cursos como o de compostagem, jardinagem, minhocário e capacitações acerca do tema “meio ambiente” e que, diferentemente das Universidades tradicionais, não exigem anos de graduação.



  •  

Nenhum estrangeiro que não seja naturalizado brasileiro poderá explorar box no Shopping Comercial Popular, afirma José Ronaldo

11/12/2017, 14:26h

“O mundo inteiro busca dinheiro na China para investimentos, assim como o Governo do Estado, que tem ido à China constantemente para conseguir financiamento para a construção da ponte Salvador/Itaparica e o Porto de Ilhéus. Os governos de outros estados e o Governo Federal também não têm medo de empresas nacionais se associarem a grupos chineses para executar os seus projetos”.

Com estes argumentos o prefeito José Ronaldo de Carvalho desmentiu, durante entrevista concedida na manhã desta segunda-feira, 11, ao quadro “Na Sala do Povo”, do Programa Acorda Cidade, os boatos espalhados por setores refratários a construção do Centro Comercial Popular, de que o entreposto seria explorado por comerciantes de origem chinesa.

No jornalístico da Rádio Sociedade comandado pelo radialista Dilton Coutinho, José Ronaldo enfatizou, inclusive, que a Câmara Municipal aprovou um Projeto de Lei encaminhado pelo Poder Executivo, proibindo que estrangeiros ocupem áreas comerciais no Centro Comercial Popular, a não ser quer sejam naturalizados brasileiros.

Presidido pelo empresário mineiro Elias Tergilene, a Fundação Doimo, responsável pela construção do Centro Comercial, atua nos ramos de mineração de pedras ornamentais para a Construção Civil, no setor industrial; e na implantação de shoppings populares. Todos estes seguimentos contam com capital italiano, brasileiro e chinês.

No tocante à implantação do Centro Comercial Popular, a Doimo está representada pelo capital brasileiro (Elias Tergilene), e os sócios chineses e italianos. Este fato, entretanto, “não tem nada a ver com o espaço ser direcionado a comerciantes de origem chinesa”, descartou o prefeito.

Embora este tema tenha ganhado destaque durante a entrevista, dada à importância socioeconômica que envolve o investimento, que tem como um dos principais objetivos reordenar o comércio informal nas ruas centrais da cidade, José Ronaldo também respondeu sobre as ações do seu governo, a exemplo das obras do BRT, que segundo ele deverão ser concluídas nos próximos seis meses.

Com transmissão simultânea através da página que o programa mantém no Facebook, a maioria das participações dos ouvintes se referiu às obras contidas no Pacote de Obras lançado na semana passada pelo prefeito, orçado em mais de R$ 35 milhões, sendo cerca de R$ 14 milhões destinados à pavimentação de ruas e praças, na sede e nos distritos.



  •  

Centro da cidade recebe iluminação e decoração especial para o Natal

11/12/2017


Compartilhar no Facebook    
  •  

Feira teve Carnaval, antes de criar a Micareta

11/12/2017, 12:20h

Autor do livro “31 Anos de Micareta”, o jornalista e historiador Helder Alencar lembra que em tempos idos existia Carnaval em Feira de Santana, ainda com a denominação de Entrudo. O advento da nova rodovia Feira-Salvador contribuiu para o declínio da festa carnavalesca na cidade, pois com as facilidades de locomoção por conta da rodovia, os foliões passaram a optar pelo Carnaval da capital. Foi assim, e graças aos artigos do jornalista Antônio Garcia, que a folia em Feira mudou de nome e data, nascendo a Micareta de Abril, a maior do Brasil. Vale a pena ler o artigo de Helder Alencar. (Adilson Simas)

O CARNAVAL NA FEIRA

Hélder Alencar


São antigas, muito antigas mesmos, as festas de Momo na Feira de Santana. Elas datam de quando o carnaval ainda era a festa, denominada de Entrudo, festa que precedeu no Brasil, como em Portugal, aos grandes festejos carnavalescos.

Diz Luiz Câmara Cascudo, inegavelmente, o maior folclorista brasileiro, no seu “Dicionário de Folclore Brasileiro”, que o “entrudo brutal e alegre viveu até meados do Século XIX”.

Assinala ainda, Cascudo, que “pelo norte ao centro sul do Brasil o movimento era geral. Água, farinha do reino, gomas ensopavam os transeuntes – águas molhando famílias inteiras em plena batalha”.

O velho jornal “O Comercial” que por muitos anos se editou na Cidade de Feira de Santana, condenava, em 1871, o entrudo feirense, com a seguinte nota: “O divertimento do entrudo passou nesta vila sem lamentar-se desgraça alguma, graças ao desuso em que vai caindo esse péssimo brinquedo”.

O entrudo permaneceu, entretanto, até 1891, ano em que os jornais locais dão conta das primeiras manifestações carnavalescas.

Em 1877 – durante o entrudo feirense, no baile das máscaras do Hotel Globo, o moço Francisco Xavier de Macedo recebeu uma estocada e, no local denominado Minadouro desancaram a pauladas a Martim Levino Diêgo.

Como se pode notar a fama do Minadouro data de longos anos. O entrudo era assim, uma festa bárbara, violente e absurda, precursora do Carnaval.

Na Feira de Santana houve muitos entrudos, até que surgisse o Carnaval que duraram alguns anos, quando então apareceu a festa magnífica e grandiosa que é a Micareta.

Passada a fase do entrudo, a cidade começa a viver o período carnavalesco propriamente dito e em 1891, a imprensa falava em Carnaval, que teve a sua primeira agremiação fundada em 1924, o “Clube Carnavalesco 2 de Julho”.

Oscilando entre a animação em certos anos e o fracasso em outros; o carnaval foi sobrevivendo na Feira de Santana, proporcionando ao povo momentos inesquecíveis de alegria, até que o aparecimento da rodovia para Salvador decretasse o início do declínio carnavalesco, aparecendo fraco e sem grande movimentação o tríduo de momo de 1932.

A nova rodovia determinava a ausência de foliões, que preferiam o carnaval de Salvador.

Menção especial merece o carnaval feirense de 1929, não só pela animação que reinou, como também pela revolta popular acontecida na terça-feira, quando a cidade ficou às escuras por certo tempo.

Portando velas, o povo realizou enorme passeata até a sede da Cia. Melhoramentos, que ficava situada defronte do local onde hoje se ergue o Feira Tênis Clube, sendo contido, entretanto pelo então intendente Dr. Elpídio Raymundo da Nova.

Voltando a luz o povo se divertiu na Praça da Matriz até as primeiras horas da madrugada de quarta-feira, ao som da Sociedade  Filarmônica 25 de Março, que no coreto realizava retrata.

O fracasso do carnaval feirense, com animação caindo de ano para ano, foi determinando o nascimento das festas de após páscoa, que pouco ganharam mais animação e consistência até o seu surgimento definitivo.

O carnaval de 1937, um dos últimos realizados nesta cidade, apresentou a Srta. Eunira Alves Boaventura como Rainha e as Srtas. Teté Fernandes, Maria Luiza Motta, Bernadete Lima Santos e Mary da Silva Azevedo, como princesas.

O sr, Heráclito Dias de Carvalho, Prefeito Municipal na época e por sinal um dos mais operosos que já passaram pelo governo de Feira de Santana, era o Presidente de Honra da Comissão, que era constituída, na parte executiva, pelos Srs. Oscar Erudilho, Hermogênes, Alvaro Moura Carneiro, Rodolfo Ballalai, Pedro Matos e Vitor Santana.

A Comissão de Propaganda apresentava:  Antônio Garcia, Oscar Erudilho. Eliziário Santana e Arlindo Ferreira, sendo a Comissão de Bailes assim constituída:  Oscar Marques, Antônio Matos, Edgard Vasconcelos, Álvaro Carvalho e Almiro Portugal.

Joaquim Costa, José Maciel Ribeiro, Florisberto Moreira e Tertuliano Carneiro eram encarregados das ornamentações das ruas, enquanto Jacy Assis, Ceres Figueiredo, Eunira Boaventura, Cremilda Sampaio, Mariinha Assis, Eunice Alves Boaventura e Bernadete Lima Santos compunham a Comissão Feminina.

Antes dos festejos carnavalescos de 1937, a Comissão Feminina realizou a Festa dos Zíngaros, que foi assim comentada por uma cronista da época: “A encantadora Festa dos Zíncaros, promovida pela prestigiosa Comissão Feminina foi o prenúncio do brilhantismo do Tríduo da Folia em que (podemos já informar) só haverá bailes a fantasia em as noite de sábado, 6 de fevereiro próximo e da segunda-feira gorda, reservados o domingo e a terça-feira de Momo para as passeatas vespertinas e noturnas de cordões, batucadas, ranchos e blocos e para o corso de veículos ornamentados”.

Foi aí que o Profº Antônio Garcia, um dos redatores da “Folha”, sugeriu a realização da Páscoa da Folia dando definitivamente, início à chamada Micareta.

Era o Carnaval de 1937 aguardado com a máxima ansiedade pelo povo que se divertiu pouco sem sentir-se plenamente satisfeito, pois chuvas intensas e forte desabaram sobre a cidade durante o tríduo carnavalesco, especialmente na chamada terça-feira gorda, a partir das 15h, quando as chuvas foram mais fortes, prolongando-se ainda por toda a quarta-feira de cinzas.



  •  

O encontro de um ex-mecânico com a música, aos 80 anos de idade

11/12/2017, 11:51h

Aos oitenta anos de idade, o aposentado Raimundo Neves não se satisfez em apenas curtir seu momento de aposentadoria sem adquirir mais uma experiência para a sua vida. Ex-mecânico, começou a trabalhar novo e passou por muitos lugares nesse Brasil e até fora dele. Há um ano frequenta a oficina de musica do Programa Arte de Viver realizado pela prefeitura de Feira de Santana, através da Fundação Egberto Costa. Segundo o aposentado, antes da oficina nunca tinha tocado violão, mas guardava consigo uma vontade imensa de aprender a tocar o instrumento, e foi a partir das aulas que ele descobriu uma nova paixão. 

“Eu tinha que ter uma atividade. Sempre tive vontade de tocar violão, ai cheguei aqui no Arte de Viver e encontrei essa oportunidade. Como nunca fiquei parado e comecei a trabalhar desde muito novo, construindo plataforma de petróleo, já morei na África, trabalhei na Petrobras, na Odebrecht e depois de aposentado procurei pelas aulas de violão, que só fez a melhorar mais a minha vida”, diz Raimundo.

Turma canta composição própria

O aposentado Raimundo faz parte da turma do Professor Mano Gavazza que na sua apresentação tocou a música "Trem Bala", de Ana Varella, e "Música é vida", uma composição própria  do grupo.  

Plateia repleta de familiares e amigos

O encerramento das oficinas de música do semestre 2017.2 aconteceu no dia 5 no teatro Ângela Oliveira, do Centro de Cultura Maestro Miro. Os familiares e amigos foram prestigiar os quarenta e quatro alunos que se apresentarem divididos em três turmas. 

Professores fazem apresentação de abertura

A abertura do evento foi com uma apresentação dos três professores, Rogerio Ferrer, Mano Gavazza e Rafael Ras que tocaram e cantaram a música "Lamento Sertanejo" de Dominguinhos e Gilberto Gil.

“A arte tem o poder de transformação e a pessoa busca isto através da prática musical, teatral, seja qual for a escolha", disse Rogerio Ferraz após se apresentar com sua turma tocando Asa Branca de Luiz Gonzaga.

“Como professor é muito emocionante, é como se tivesse um filho vendo ele aprendendo a andar, a gente ver ele ganhando independência, e ver que aquele tempo que nos dedicamos não foi em vão. É um curso básico de violão popular, mas eles saem daqui com uma noção básica de como tocar uma música, posicionar o dedo, é muito interessante esse processo de todo semestre tá formando novas pessoas porque é um aprendizado”, ressalta Rafael Ras.

“Pra mim é gratificante demais, porque a gente ver o resultado nos olhos desses alunos. Quando eles compõe, eles dizem “essa frase é minha” oficinas como essas transformam a vida dessas pessoas. A gente se surpreende muito com o desenvolvimento deles durante as aulas, muitos chegam aqui tímidos e depois estão compondo músicas", conta Gavazza.

PERSONAGEM

O garoto José Neto, convidado pelo professor Mano, para declamar a letra da música composta por seus alunos.



  •