Definidos finalistas das copas Sub 13 e Sub 15

19/11/2018, 17:24h

Acorda pra Vencer e Aprendendo com a Bola decidirão a Copa Sub 13 e o Flamengo Cruzalmense e NFA jogarão a final da Copa Sub 15. As vagas às finais dos certames foram decididas na quinta-feira, 15, no Joia da Princesa.

Ao contrário do local – acontecerão no Joia da Princesa, as datas das partidas finais ainda não foram definidas pelo Departamento de Esporte da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, que realiza as competições.

Para chegar à final na Sub 13, o Acorda pra Vencer eliminou o Sportivus e o aprendendo com a Bola venceu, nas cobranças de penalidades, o Anchieta, por 4 a 3 – a partida terminou empatada em 1 a 1.

Pela Copa Sub 15, o Flamengo Cruzalmense derrotou o Desportiva Brasil por 2 a 0 e o NFA – que tem 100% de aproveitamento na competição, venceu o Mão Amiga por 1 a 0.



  •  

Acorda pra Vencer e CSO farão final da Copa de Bairros

19/11/2018, 17:17h

CSO e Acorda pra Vencer são os finalistas da Copa de Bairros, que está marcada para as 10h do dia 16 de dezembro, no Joia da Princesa, com entrada franca.

O estádio recebeu um público considerado bom pela organização da competição – realizada pela Prefeitura de Feira de Santana por meio da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer.

As torcidas da Queimadinha (CSO) e do Jardim Cruzeiro (Acorda pra Vencer) farão a festa na grande final. Na verdade vão repetir a animação registrada na manhã de domingo passado.

O CSO derrotou o bicampeão Vitória, por 2 a 1, e deu o troco no time do Papagaio pela campanha de 2016, quando ficou como vice-campeão.

Na segunda partida, que terminou em 0 a 0, a vaga foi disputada nas cobranças de penalidades entre o Acorda pra Vencer, que converteu as cinco cobranças, e o Galileia, que perdeu uma.

A decisão da Copa de Bairros, vai acontecer no dia 16, explica o Departamento de Esportes, devido à realização de shows musicais no Estádio Joia da Princesa nos próximos finais de semana.

Anfitriões mostraram força no Interdistrital

Pela Copa Interdistrital, os times anfitriões se deram bem na primeira rodada pelas semifinais. A Seleção de Humildes derrotou o time de Ipuaçu por 1 a 0.

Em Bonfim de Feira, o time local venceu o de Jaíba por 2 a 1. No dia 25, quem triunfou no domingo passado joga por um empate para chegar à final.



  •  

Tia de criança com necessidades especiais realiza sonho de aprender balé e se torna monitora

19/11/2018, 17:12h

Desde criança, Leilane Batista Santana tem o sonho de ser bailarina. Durante a infância nunca teve oportunidade, mas depois de adulta encontrou essa chance através do Programa Arte de Viver, iniciativa da Fundação Cultural Egberto Costa. Hoje, aos 36 anos, é monitora da oficina de balé baby. 

“Tudo começou quando vim até o Maestro Miro para  matricular minha filha e minha sobrinha. Porém a minha sobrinha é especial e precisava de uma pessoa pra poder ficar auxiliando-a durante as aulas. Então eu me dispus. E me realizei através da minha sobrinha, e da minha filha. A cada aula aprendo com elas. Sou uma aluna dedicada também", revela. 

A primeira apresentação de encerramento das atividades da Oficina de Balé Baby 2018.2 aconteceu na última quinta-feira, 15, no Teatro Angela Oliveira, do Centro de Cultura Maestro Miro. Além das turmas do CCMM, o evento contou com a presença de alunas das praças do CEUs Cidade Nova, Jardim Acácia, Aviário e participação de alunos da Escola Municipal Prof. Lídice Antunes Barros. A oficina Balé Baby é ministrada pelo professor Adauto Silva. 

As atividades de encerramento do Programa Arte de Viver continuam a partir do dia 12 de dezembro, no Teatro Ângela Oliveira, no Centro de Cultura Maestro Miro.



  •  

FEIRA EM HISTÓRIA: Como surgiu a bandeira do município

19/11/2018, 16:26h

Aproveitando a comemoração do Dia da Bandeira do Brasil, o jornalista Adilson Simas relembra o surgimento da bandeira de Feira de Santana e as mudanças que ela sofreu ao longo do tempo. Confira abaixo o artigo:

NESTE DIA DA BANDEIRA – E A BANDEIRA DE FEIRA

A Bandeira de Feira surgiu do projeto de lei que em 1966 o prefeito Joselito Amorim enviou com as devidas justificativas para a apreciação da Câmara Municipal.

Sem maiores discussões a V Legislatura transformou o projeto na Lei nº 507 que o prefeito sancionou em 19 de dezembro de 1966, quatro meses antes de concluir sua gestão.

A Lei, conforme publicado na imprensa local, também foi assinada por Tancredo André dos Santos, secretário de Finanças; José Joaquim Lopes de Brito, secretário de Viação e Obras Públicas; Almiro Vasconcelos, secretário de Educação e Cultura; Antônio Freitas Costa, secretário de Agricultura e por Augusto Matias, secretário de Saúde e Assistência Social.

Coube, porém ao prefeito João Durval, que sucedeu Amorim no comando do poder executivo, tomar as medidas seguintes para colocar em execução a Lei que no seu Artigo 1º, além da Bandeira, também instituiu o Brasão do Município.

O grande momento aconteceria somente em 1968, mas precisamente em 26 de julho, dia em que se comemora Senhora Santana, a Padroeira da Cidade.

O local escolhido para a solenidade foi a Praça da Bandeira, com grande presença popular e inúmeras autoridades convidadas, entre elas o Governador Luiz Viana Filho.

Naquele dia foram oficializadas 9 bandeiras, constituídas, conforme determinava a Lei, por 16 faixas nas cores alternadas de verde e vermelho, dispostas duas a duas paralelamente no sentido horizontal e vertical em banda e em barra, partindo de um retângulo branco central, onde está aplicado o Brasão.

O bispo diocesano Dom Jackson Berenguer Prado procedeu a benção das Bandeiras que foram paraninfadas por duas personalidades da vida feirense:

João Marinho Falcão, prefeito nos anos 50, e Dona Maria Bereniza Bahia da Silva, filha do ex-intendente Bernardino Bahia e viúva do ex-intendente e ex-prefeito Arnold Silva.

Conforme ata lavrada pelo jornalista Helder Alencar, assistente do prefeito, cinco das nove bandeiras foram destinadas ao prédio da Prefeitura.

As outras, em número de quatro, foram distribuídos com a Câmara Municipal, Fórum Filinto Bastos, Biblioteca Municipal e Ginásio Municipal.

Especulou-se que cores foram inspiradas no Fluminense de Feira

Sobre a escolha do verde, vermelho e branco para a bandeira, especulou-se que assim se fez  para que as cores da cidade fossem também as cores do Fluminense que desde 1954  representava Feira de Santana no campeonato baiano de futebol profissional.

Essa versão surgiu quando a AD Bahia de Feira precisou trocar de nome para continuar no profissionalismo, por exigência do presidente da FBF, Carlos Alberto de Andrade.

Criou-se o Feira Esporte Clube, que não podendo adotar as cores da cidade, pois elas já estavam no uniforme do Fluminense, seus dirigentes optaram pelo vermelho e amarelo contidos no símbolo da Diocese da Cidade.

A Propósito, vale lembrar que a mesma Lei 507 que criou a Bandeira e o Brasão de Feira também instituiu, através do artigo 2º, a Ordem Municipal do Mérito, para laurear pessoas com relevantes serviços prestados à cidade.

Sabe-se que apenas uma vez a prefeitura teria recorrido ao artigo 2º daquela Lei. Segundo alguns, foi para homenagear o jornalista Assis Chateaubriand, presidente das Emissoras e Diários Associados e seu representante na Bahia, o também jornalista Odorico Tavares, diretor do extinto “Diário de Notícias”, onde assinava a famosa coluna “Rosas do Vento”.

Os dois jornalistas tiveram papel importante na implantação do Museu Regional de Feira de Santana.

Em 2005, na mesma linha da Lei 507, mas com maior dimensão, o prefeito José Ronaldo através do Decreto nº 792 de 11 de julho, criou a Ordem Municipal do Mérito de Feira de Santana.

Assim, a partir daquele decreto o prefeito condecora como comendadores e oficiais, personalidades com serviços prestados a esta cidade. As primeiras condecorações aconteceram ainda naquele ano. (Adilson Simas)



  •  

Secretários Borges Júnior e Carlos Brito participaram, em Barcelona, de Congresso Internacional de Cidades Inteligentes

19/11/2018, 14:18h

Os secretários Antônio Carlos Borges Júnior (Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico) e Carlos Brito (Planejamento) participaram, entre os dias 14 e 16, em Barcelona, Espanha, do Smart City World Congress (SCEWC), encontro que reuniu 17 mil profissionais, 600 expositores e 650 cidades de todo o mundo, empenhados em alavancar a implementação das tendências e inovações no campo das cidades inteligentes constantes das agendas globais.

De referência internacional, o SCEWC tem como principal objetivo criar uma plataforma líder de ideias, redes, experiências e negócios internacionais à procura das soluções mais relevantes e inovadoras no contexto do desenvolvimento urbano sustentável. Além disso, esta iniciativa oferece oportunidades de networking, criação de novas sinergias entre atores, partilha de conhecimentos e promoção de novas estratégias para cidades mais sustentáveis.

Dentro da programação, os representantes do Executivo feirense visitaram a TMB, empresa que opera o transporte público (metrô/ônibus) na Região Metropolitana de Barcelona, um dos principais benchmarks de mobilidade urbana do mundo, atendendo a uma população de 3,2 milhões de habitantes.



  •  

Estudantes concluintes refletem sobre carreira profissional durante a Feira das Profissões

19/11/2018, 14:8h

A reta final do ensino médio muitas vezes representa momentos de tensão na vida dos estudantes do 3º ano que se deparam com cobranças, expectativas e indecisões. No intuito de abrir os horizontes dos pré-vestibulandos, foi realizada na última terça-feira, 13, a Feira das Profissões, no Cine Teatro da Praça CEU da Cidade Nova. Estudantes do 9º ano do Colégio Monsenhor Mario Pessoa e do 3º ano do Colégio Luiz Viana assistiram a explanação de possibilidades no campo profissional, com a participação de convidados voluntários.

A iniciativa partiu da estudante de direito e estagiária da Biblioteca do CEU da Cidade Nova, Gleyce Sena (foto). "Nosso objetivo, que era plantar a sementinha do futuro, foi atingido. A gente tem um projeto aqui na biblioteca que se chama visita guiada e a gente traz esses alunos pra fazer essa visita, apresentando como é que funciona. E no primeiro encontro eu percebi que alguns alunos tinham uma mentalidade fechada, no sentido de que a condição social determina o que eles poderiam ser. E isso ai fez com que fomentasse essa ideia da Feira de Profissões”, relatou.

A advogada Taiara Lima (foto) contou que mesmo com baixo poder aquisitivo, o estudo sempre foi prioridade para seus pais. Estudou maior parte do tempo em escola pública e muito cedo resolveu que queria ser advogada. Ao concluir o ensino médio tentou o vestibular de direito algumas vezes, mas não desistiu, quando conseguiu foi aprovada logo em 3 faculdades.

Gabriela Behrmann (foto) transmitiu para os alunos o quanto é importante estudar, independentemente de ter o ensino superior. Para ela, não existe outro caminho qualquer que seja a profissão escolhida. “Tanto para seguir carreira de jogador de futebol, médico, nutricionista ou advogado, o conhecimento é fundamental e deve ser buscado da melhor forma”.

 

“A gente não pode ser lagarta, ficar só se arrastando e achando que o mundo tá ali naquele plano, a gente tem que ser borboleta, olhar o horizonte e perceber que o mundo tá além aquilo ali”, completou.

 

O professor de biologia Marcelo Faislon, do colégio Luiz Viana, exaltou a importância da iniciativa. “Essa proposta que o CEU nos fez foi bastante proveitosa. Faz parte da formação desses alunos, propor momentos que eles possam discutir e esclarecer sobre as diversas carreiras que por ventura eles venham a escolher”, afirmou Marcelo.

 

 

O evento foi uma injeção de ânimo para os estudantes que tiveram contato com profissionais de direito, contábeis, psicologia, biologia, nutrição, publicidade, administração, cinema e educação física e ainda contou com a presença da artista e estudante de publicidade Jeysa Ribeiro, conhecida como Duquesa, que relatou a sua transição do ensino médio para o ensino superior e como concilia os trabalhos musicais com a faculdade.



  •  

Gincana da Escola Adenil Falcão arrecada uma tonelada de alimentos e roupas

19/11/2018, 10:13h

Nada menos que uma tonelada de alimentos, centenas de peças de roupas e calçados foram doados na tarde da última quarta-feira, 14, pela Escola Municipal Adenil da Costa Falcão, do bairro Brasília, ao Centro Social Monsenhor Jessé, que atende a pessoas em situação de rua. Os donativos foram arrecadados durante a Gincana Solidária promovida pela escola, com a participação dos estudantes e professores, que este ano chegou à sexta edição.

Ao longo desse período, a Gincana Solidária buscou sempre estimular a boa convivência entre os alunos, despertando valores como respeito, cidadania e solidariedade. Este ano, o tema do projeto foi “Adenil é mais Brasil”.

Pessoas em situação de vulnerabilidade

A coordenadora pedagógica da escola, Josiene Lima (foto), explica que o projeto sempre enfoca o tema das pessoas em situação de vulnerabilidade. “Crianças órfãs, com câncer, idosos e pessoas com anemia falciforme já foram beneficiados pela iniciativa nos anos anteriores”, lembra. Os alunos participam de diversas atividades pedagógicas voltadas para este tipo de população antes de escolher uma específica.

15 voluntários atuam na instituição

O Centro Social Monsenhor Jessé há oito anos atende a pessoas em situação de rua ou que estejam entrando nessa condição. Atualmente, 15 voluntários atuam na instituição; Rosana Nunes Oliveira (foto) está lá há cerca de quatro anos. Ela conta que o Centro atende pelo menos 200 pessoas por dia e presta diversos serviços ao longo da semana.

São servidos almoços de segunda a quinta-feira, das 13:30 às 15:00; encaminhamento para registros de documentos pessoais – e para conseguir taxa de isenção para o mesmo – às quartas-feiras; banho e distribuição de roupas às quintas-feiras, além de campanhas de agasalho ao longo do ano. Não há atendimento externo às sextas-feiras.

“Amanhã é dia de trabalhar muito!”, diz Rosana, aos risos. Não há qualquer empecilho burocrático para quem deseja fazer doações. “É só chegar e deixar. Se não puder trazer, a pessoa pode entrar em contato com a gente que damos um jeito de buscar os donativos”, completa. Quem quiser doar para o Centro Social Monsenhor Jessé pode entrar em contato com a instituição através do telefone 3225-3993.

Aprendendo a respeitar

Davi Ferreira (foto), aluno do 4º ano da Escola Municipal Adenil Falcão, foi um dos responsáveis por entregar os itens; participando da gincana pela primeira vez, ele diz que é importante sabermos que não devemos chamar essas pessoas de “moradores de rua” ou “mendigos”. Conta que a melhor parte do projeto foi aprender a respeitar e ajudar aos outros. 

Geruza Ferreira (foto), diretora da escola, relata que está mais encantada com o projeto a cada ano que passa. “Estamos conseguindo contagiar as pessoas para que olhem com mais cuidado para as minorias sociais. E é isso mesmo que queremos: dar destaque a essas pessoas, infelizmente, ‘invisibilizadas’, é como se elas se tornassem invisíveis para a sociedade; isto se reflete claramente no tema que escolhemos para este ano”, argumenta.

Os alimentos e demais itens foram doados pelos alunos e seus familiares entre 22 de outubro e 4 de novembro, período em que os estudantes do 1º ao 5º ano se envolveram nas atividades da gincana. Cinco equipes competiram entre si, sendo cada uma responsável por uma região do Brasil. Provas intelectuais e físicas, gritos de guerra, comidas e vestuário típicos regionais foram alguns dos pontos estudados durante a competição.



  •  

Copa de Bairros, Interdistrital e Olimpíada Estudantil no final de semana

16/11/2018, 8:38h

Os jogos das semifinais da Copa de Bairros 2018 serão realizados no Estádio Alberto Oliveira, o Joia da Princesa, no próximo domingo, 18. A primeira disputa é entre CSO (Queimadinha) e Vitória (Papagaio), às 8h. Logo após, às 10h, a segunda vaga para final será decidida no confronto entre Galiléia (Baraúna) e Acorda pra Vencer (Jardim Cruzeiro).

Pela Copa Interdistrital, os jogos das semifinais serão nos distritos de Humildes e Bonfim de Feira, a partir das 9h. Em Humildes, o time da casa recebe o time de Ipuaçu e Bonfim de Feira enfrenta o Jaíba, em busca de uma vaga na grande final.

Disputas da Olimpiada no sábado e domingo

No Complexo Poliesportivo Oyama Pinto acontecem disputas de Futsal e Atletismo, pela Olimpíada Estudantil 2018. Os jogos acontecem no sábado, 17, e no domingo, 18, das 8h às 17h.

No Ginásio Municipal Joselito Amorim, o baleado é o destaque com jogos sábado, das 14h às 22h e domingo, das 8h às 17h.



  •  

Balé infantil do Programa Arte de Viver mostra "Circo Mágico" em apresentação de encerramento

16/11/2018, 8:29h

“Circo Mágico” foi o tema das apresentações de encerramento das oficinas de balé oferecidas pelo Programa Arte de Viver para meninas de quatro a 12 anos. Pais e amigos lotaram o Teatro Angela Oliveira, do Centro de Cultura Maestro Miro, na manhã desta quinta-feira, 15. Numa manhã de festa a emoção tomou conta do espaço.

As oficinas são oferecidas ao longo do ano para 250 meninas no Maestro Miro, nos CEUs (Centro de Esporte e Arte Unificado) da Cidade Nova, Viveiros, Jardim Acácia e no Colégio Lídice. E as meninas mostraram que aprenderam as coreografias criadas pelo professor Adauto Silva.

“Trabalhar com crianças e trabalhar com o lúdico”, diz o professor. E as meninas correspondem no palco com desenvoltura, leveza, elegância e busca no aperfeiçoamento da técnica. “O que buscamos é desenvolver em todas educação e arte. E elas nos dão respostas positivas. Os nossos objetivos foram alcançados”.

O programa Arte de Viver é de inclusão. Lavina e Nicole, duas das alunas, teem problemas físicos, mas participam ativamente da programação. Contam com o estímulo das colegas e, mais importante, dos familiares, que vestiram camisa com sua fotografia, como disse a avó dela, Maria Amélia, para mostrar o orgulho que sentem.

Mãe das gêmeas Lívia e Lilia, Josenilda da Silva era a alegria em pessoa. “A educação e a disciplina do balé são importantes para elas. E estar aqui agora, vendo estes resultados é muito gratificante e a satisfação é grande”. As meninas entraram no programa neste ano. “E já estão matriculadas para 2019”.

Disse que os bons resultados no balé refletem positivamente na escola e no relacionamento familiar. “Adauto é muito rigoroso e exigente nas atividades. As crianças passam a cumprir os horários e melhorar o rendimento na escola, bem como estes ensinamentos podem ser notados nas nossas casas”.

Para os pais de Samilly, que vestiram uma camisa informando que são pais da menina, é muito emocionante ver os resultados e destacam o trabalho realizado por Adauto Silva. “Ele nos passa confiança porque faz isso com muito amor.



  •  

Comemoração e orgulho de estudantes da Escola Geraldo Dias com premiação dupla em festival

15/11/2018, 12:39h

A emoção tomou conta da Escola Municipal Geraldo Dias de Souza, do distrito de Humildes, que conquistou o 1º lugar nas categorias vídeo e e-book. A unidade de ensino, que contou parte da biografia do patrono em suas produções para o “Feira Que Te Quero Ver”, vibrou e comemorou durante a divulgação dos resultados.

A história de Geraldo Dias de Souza, empreendedor do distrito que deixou um legado histórico e cultural, foi tema de pesquisa levantada pelos estudantes. Além do estudo, eles fizeram entrevistas na própria comunidade, que permitiram a produção dos textos e vídeos. Geraldo de Souza faleceu em 26 de fevereiro de 2013.

“Mudei para Feira de Santana ainda este ano e não fazia ideia da importância do patrono da minha escola para a comunidade”, relata o aluno do 8º ano, Darlan Cristian de Oliveira Araújo (foto). “Participei da produção nas duas categorias e foi muito interessante, uma experiência maravilhosa”, afirma.

Professor que já trabalhou com o homenageado destaca felicidade

A proximidade do patrono com a comunidade deu maior ênfase aos trabalho, principalmente pela participação do professor Reginaldo da Silva Santos (foto) que contou ter trabalhado com Geraldo de Souza. “A maioria dos professores da escola conhecia e tinha algum contato com ele, era uma pessoa que defendia diversos valores positivos como a solidariedade, educação e honestidade. Fiquei muito feliz de ter a oportunidade de dividir com os alunos uma trajetória tão bonita”, ressalta o professor.

Além do trabalho de pesquisa realizado para conhecer a vida do patrono, os alunos também relacionaram as informações com períodos históricos marcantes. “Eles se tornaram pesquisadores, foram atrás de fontes confiáveis, ouviram a mesma história através de diversas pessoas para garantirem a coerência. Ficamos muito felizes com o prêmio, mas, principalmente, pela participação em um projeto cuja proposta é tão importante”, destaca Reginaldo.



  •