Carga perigosa estacionada na cidade é crime. Denuncie!

19/2/2018
Carga perigosa estacionada na cidade é crime

Compartilhar no Facebook    
  •  

Trabalho de regularização fundiária é retomado no bairro Rua Nova

20/2/2018, 16:16h

Com o propósito de garantir a escritura dos imóveis, aos seus proprietários, a Secretaria Municipal de Habitação e Regularização Fundiária está realizando no bairro Rua Nova o Cadastro Físico e Socioeconômico dos moradores. Conforme estimativa 90% das residências da Rua Nova não têm escritura - a documentação de suas propriedades. 

A equipe da Secretaria de Habitação tem visitado casa a casa, aplicando um questionário a fim de identificar os imóveis que não possuem documentação e se os moradores se enquadram no perfil da Lei Federal 13.465/2017, que dispõe sobre a regularização fundiária. Metade dos imóveis já foi visitada, segundo técnicos da secretaria.

"Esse trabalho foi iniciado no município há alguns anos e nós retomamos na atual gestão, com a conferência dos dados fornecidos pelos moradores, a exemplo das dimensões dos terrenos e o perfil das famílias”, diz o secretário, assegurando que “o documento deve refletir a realidade".

Documentos necessários para dar entrada na legalização

De acordo com o titular da Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária do Município, Eli Ribeiro, para ter direito ao benefício as famílias devem ter renda mensal de até três salários mínimos. Terão que apresentar os documentos pessoais, certidão de nascimento dos filhos, caso sejam menores de 18 anos e cartão do Bolsa Família, se forem beneficiários.  Além da Rua Nova, esse trabalho será levado para outros bairros de Feira de Santana. Moradores do George Américo, Jussara e Papagaio já foram contemplados há alguns anos.

Processo não tem custo para o proprietário

Prepostos da Secretaria de Habilitação têm realizado reuniões com os moradores, agentes comunitários de saúde e representantes de entidades religiosas para explicar o processo de regularização fundiária e esclarecer dúvidas. “Após a conclusão dos cadastros, a Secretaria de Habitação vai encaminhar as informações para o Cartório de Registro de Imóveis. Cada lote terá sua matrícula para identificá-lo. O documento será concedido de forma gratuita pelo município. É um processo que não tem custo para o morador”, ressalta o consultor da Sehab, Amarildo dos Santos (foto).

“Único comprovante era um pedaço de papel”

Um recibo de compra e venda é o único documento que Edson Pinto (foto) tem do imóvel onde reside com duas irmãs, na rua dos Bandeirantes, na Rua Nova. Aos 63 anos, diz que foi criado na localidade que surgiu das terras de Ernestina Carneiro, mais conhecida como Dona Pomba. "Aquela época, os imóveis eram construídos em terrenos doados ou vendidos e o único comprovante do acordo era um pedaço de papel", relata. Ele é um dos que vão ser beneficiados pelo trabalho da Prefeitura, de legalização das propriedades no bairro.



  •  

Centro Pop Rua Elisabete Martins passa a funcionar em sede própria

20/2/2018, 15:5h

Coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Social, o Centro Pop Rua Elisabete Martins – destinado a acolher pessoas que se encontram transitoriamente em vulnerabilidade social – foi inaugurado, na manhã desta terça-feira, 20, na rua Juvêncio Erudilho.

Contíguo ao Centro de Abastecimento, a instituição, que já funcionou em casas alugadas, passa a contar com sua sede própria. De acordo com a sua coordenadora, Ediane Sibele, em média são atendidas mensalmente 350 pessoas.

O atendimento do equipamento consiste em fornecer uma refeição matinal e banho. Funcionando como um centro de triagem, o Centro Pop, que homenageia a professora Elisabete Gomes Martins (mãe do vice-prefeito Colbert Martins), também cuida das pessoas que apresentam algum tipo de doença, encaminhando-as para as clínicas e postos de saúde do Município, e auxiliando-os a reencontrar com as suas famílias.

O Centro Pop Rua, que é uma parceria entre os governos da União, Estado e Município, tem um custo anual de R$ 1,1 milhão, sendo  40% provenientes do Estado e 60% dos cofres da Prefeitura.

A casa do morador de rua

Ao agradecer a homenagem póstuma à sua genitora, o vice-prefeito Colbert Martins destacou a importância dos serviços prestados pelo Centro Pop a um problema que atinge a pequenas e grandes cidades brasileiras.

“São pessoas que não estão em casa e que, momentaneamente, precisam de atenção e atendimento, e estão com dificuldades para reaver os seus direitos e retomar a sua vida normal ”, disse.



  •  

Governo Municipal dá início as obras do Galpão de Carne da feirinha do Feira X

20/2/2018, 13:25h

Com capacidade para comportar dez boxes, as obras do Galpão de Carne da feirinha do Conjunto Feira X foram iniciadas pelo Governo Municipal, na manhã desta terça-feira, 20. O equipamento está sendo erguido numa área de 1.180 metros quadrados, orçado em R$ 180 mil, e será entregue dentro de 120 dias.

Obedecendo aos padrões sanitários exigidos pela Portaria 304 do Ministério da Agricultura, o Mercado de Carne se assemelha ao que vem sendo concluído pela Prefeitura nas feirinhas dos bairros George Américo e Sobradinho. Equipados com balcões frigoríficos, serra-fita, pia inox e água corrente, o entreposto do Conjunto Feira X receberá uma cobertura metálica, além de sanitários feminino e masculino.

“Esta obra será bastante satisfatória, tanto para os comerciantes quanto para os moradores do bairro, porque as instalações serão higiênicas e mais atraentes, que era um sonho de toda a comunidade”, comemorou Jaime Silva do Nascimento, morador há 32 anos na casa de nº 80, na Rua B.



  •  

Equipamento de Proteção Individual no controle à infecção hospitalar é tema de curso

20/2/2018, 12:4h

Com o intuito de reforçar sobre o processo de limpeza, higienização e a utilização de EPI’S (Equipamentos de Proteção Individual), ocorrerá no dia 7 de março, a partir das 14h, no auditório do Hospital Inácia Pinto dos Santos – Hospital da Mulher, a palestra ‘Importância do serviço da lavanderia e uso de EPI’S no controle de infecção hospitalar’.

Voltada para os funcionários de higienização e lavanderia do Hospital, a atividade, que ocorre a cada 3 meses, servirá como uma espécie de atualização das normas e rotinas dos setores.

Processo de limpeza e higienização é o foco da palestra

“Vamos abordar como deve ser feito o processo de limpeza e higienização nos setores, principalmente no CO (Centro Obstétrico), UTI e berçário. Assim também como a importância do trabalho desses funcionários no contexto do Hospital”, destaca a coordenadora do serviço de higienização e lavanderia do HIPS, Lais Rodrigues (foto).

Já a engenheira em segurança do trabalho, Josiane Costa, abordará a importância da utilização dos EPI’S (equipamento de proteção individual) no ambiente hospitalar.

A utilização desses equipamentos (avental, óculos, máscara, luvas e protetor auricular) é fundamental para garantir a saúde e proteção do trabalhador, evitando acidentes de trabalho e prevenindo a contaminação e disseminação de fungos, bactérias e microrganismos causadores de doenças.  

“Cada EPI tem sua finalidade e deve ser utilizado por cada profissional. A proposta da palestra é conscientizar o trabalhador sobre o uso desses equipamentos para estar protegendo a sua saúde contra algumas infeções hospitalares e prevenir algum acidente que pode ocorrer no âmbito laboral”.



  •  

Após parto em praça pública, há três meses mãe e filho são acolhidos pelo Consultório de Rua

20/2/2018, 9:4h

Com um filho de três meses no colo, Ester Gonçalves foi a primeira pessoa a receber atendimento na mais recente ação noturna do Programa Consultório de Rua, da Secretaria Municipal de Saúde. Desde o nascimento da criança, eles recebem toda atenção da equipe. A moradora de rua fez o parto sozinha, numa praça da cidade. 

Os profissionais de saúde tem dado prioridade no seu atendimento, através de consultas mensais, que envolvem desde procedimentos básicos como consultas, acompanhamento da situação vacinal do bebê e assistência social.

"A gente é uma família", diz moradora de rua sobre relação com as enfermeiras

“Me sinto acolhida. As meninas (enfermeiras) vivem aqui realizando consultas, brincam com meu bebê. A gente é uma família”, ressalta Ester Gonçalves, enquanto amamenta o filho na casa de acolhimento.

Trabalho em campo requer abordagem diferenciada

Um bom papo faz parte da abordagem diferenciada. Ao chegar no local os profissionais apresentam a proposta da equipe. Rapidamente a fila se forma. E os moradores de rua vão se aproximando.  O acolhimento é iniciado com a coleta de dados. Atenciosa, a enfermeira logo pergunta ao próximo a ser atendido como ele se sente.

Com uma sensação de mal estar, além de uma inflamação na pele,  Welington Silva, 41 anos, é mais um morador acompanhado pelo programa. Há 20 anos vivendo nas ruas, ele conta que a aproximação se deu através da assistente social.

“Eu tinha receio de procurar a unidade de saúde por falta de documentação, sempre eu desistia. Aqui é mais fácil. Eu gosto do atendimento. Cheguei aqui com insônia e uma inflamação, logo fui atendido e já estou saindo com o medicamento na mão”, relata.

Funciona como um posto de saúde itinerante, descreve enfermeira

A enfermeira e referência técnica, Darlene Santos, explica que o Consultório de Rua funciona como um posto de saúde itinerante, onde alguns pacientes são direcionados a partir do atendimento no programa para outros serviços.

“Mesmo sem possuir comprovante de residência, os moradores de rua tem a garantia e assistência do atendimento na Rede Municipal de Saúde. Há casos que necessitam ser encaminhados a uma unidade e a gente faz isso através do sistema de referência do município, com as parcerias dentro da própria rede, como Hospital da Mulher e CMDI”, informa.

Implantado em 2015, o trabalho do Consultório na Rua é desenvolvido por médicos, psicólogos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e assistentes sociais. A iniciativa visa ofertar serviços básicos de saúde, como testes rápidos de HIV, sífilis e hepatite, aferição de pressão arterial e atendimentos médicos de maneira mais oportuna, por meio das equipes e serviços da atenção básica.



  •  

Tratamento de Fisioterapia Domiciliar devolve esperança a pacientes

20/2/2018, 8:29h

É no aconchego da sala de sua casa que Moisés Silva, 44 anos, se recupera de um acidente de moto, com o auxílio do serviço de Fisioterapia Domiciliar da Secretaria Municipal de Saúde. Ele já havia perdido a esperança de voltar a andar, por ter sofrido múltiplas fraturas na área pélvica e na perna direita, o levando a passar seis meses acamado.

Há três meses, acompanhado pelo município, Moisés recebe semanalmente a visita do fisioterapeuta, André Villa Flor. O paciente conseguiu recuperar os movimentos das pernas e sente-se entusiasmado.

"O tratamento me devolveu a esperança", afirma o paciente

“O tratamento fisioterápico me devolveu a esperança de voltar a andar. Há cada resultado positivo me sentia entusiasmado e motivado a continuar o tratamento”, relata Moisés (foto), enquanto realiza os exercícios com o auxílio do profissional.

Para o fisioterapeuta do programa, André Villa Flor, o resultado não seria alcançado em tão pouco tempo sem a colaboração do paciente. “Ele é muito disciplinado, oriento exercícios para ele fazer nos finais de semana e ele realiza todos. Sem essa parceria não obteríamos tanto resultado”, afirma. 

Com seis fisioterapeutas, cada profissional atende uma média de 10 pacientes por dia. Em casos mais delicados, o beneficiado pode receber entre duas a três visitas por semana. Entre as atividades realizadas pelos profissionais estão: alongamento, fortalecimento muscular, mobilização articular, treino e coordenação de equilíbrio.

Os casos mais comuns são vítimas de acidente de moto e AVC

“A paciente mais velha em tratamento possui 99 anos, ela sofreu uma queda e lesionou o fêmur. Os casos mais comuns de pacientes em tratamento são jovens vítimas de acidente de moto e vítimas de AVC (Acidente Vascular Cerebral)”, ressalta o fisioterapeuta André Villa Flor (foto).

A solicitação das atividades reabilitadoras é feita através dos profissionais das Unidades Básicas de Saúde ao setor da Divisão de Enfermagem.



  •  

Motorista sem habilitação invade sinal, ameaça agentes de morte e é detido

19/2/2018, 21:11h
Abordado por ter invadido, no sinal vermelho, o cruzamento da rua Barão de Cotegipe com a avenida Sampaio, no centro da cidade, um homem ameaçou de morte dois agentes da Superintendência Municipal de Trânsito (SMT), na noite de sábado. Raphael Moura Lopes dos Santos, residente no bairro Ponto Central, nesta cidade, foi detido e levado a Central de Flagrantes da Polícia Civil, por policiais militares.

Dirigindo o veículo Fiesta, placa JQK-4000, ele evadiu-se do local, após cometer a infração. A equipe da SMT acionou a sirene de sua viatura e seguiu o automóvel, com o objetivo de que o homem parasse.

Raphael só resolveu estacionar na altura do cruzamento da rua Barão do Rio Branco com a avenida Presidente Dutra. Ele desceu do veículo e nesse momento teria feito a ameaça de “encher de bala os agentes”, caso “a multa chegasse”, conforme relatado em Boletim de Ocorrência na delegacia. Entrou no carro e seguiu. A partir daí, os agentes acionaram a PM, através do 190, e continuaram acompanhando o Fiesta. A Polícia Militar, através dos soldados Etevaldo Barbosa da Silva e Nilton Américo de Sena Neto, conseguiu interceptar o veículo, na avenida Maria Quitéria, imediações onde ficam algumas farmácias.

Os agentes, então, finalmente puderam fazer o seu trabalho. Apurou-se a procedência do automóvel, descobrindo que estava sem licenciamento, e que o condutor não possuía a Carteira Nacional de Habilitação. O veículo foi guinchado e encaminhado para o local onde ficam por irregularidade na documentação.

O superintendente municipal de Trânsito, Maurício Carvalho, que é advogado, diz que o motorista deverá responder pela ameaça de morte feita aos agentes. “A SMT e a Procuradoria Geral do Município vão acompanhar. Temos o dever de proteger ao servidor público que, no exercício de sua profissão, aborda um condutor que invade o sinal vermelho, causando sério risco de acidentes e ainda se acha no direito de ameaça-lo”, afirma.



  •  

Trânsito na Conselheiro Franco sofre mudanças a partir desta terça-feira

19/2/2018, 17:55h

O trânsito na rua Conselheiro Franco será reorganizado a partir desta terça-feira, 20, devido à instalação de mais dois PVs (Pontos de Visita) do Tunnel Liner. Cerca de 40 metros do lado direito da rua – sentido Olímpio Vital – serão interditados, tendo início nas imediações do CUCA (Centro Universitário de Cultura e Arte) – na Loja JW –, seguindo até parte da agência do Bradesco – na Loja Franka.

Segundo informações da Via Engenharia, empresa responsável pela realização das obras, a intervenção deve durar de 45 a 60 dias. Neste período, não será permitido estacionamento de veículos no lado esquerdo do trecho (entre o Cuca e o Bradesco) para evitar o congelamento do trânsito. Todo o trecho será devidamente sinalizado e agentes de trânsito estarão presentes para orientar e otimizar o trânsito.

“Sabemos que é uma área onde há muito movimento, então pedimos a colaboração e a paciência de todos durante esse tempo, pois estas obras são importantes, inclusive, para a implementação total do sistema de drenagem da cidade e do próprio BRT”, afirma o superintendente municipal de Trânsito, Maurício Carvalho.

Confira os detalhes no mapa abaixo: 



  •  

Aberto período de inscrição para cursos profissionalizantes

19/2/2018, 14:36h

O Centro Integrado de Capacitação e Apoio ao Adolescente e Família Gilza Melo (Cicaf), equipamento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Sedeso), realiza as inscrições para os cursos profissionalizantes de 2018, nesta terça-feira, 20, e quarta-feira, 21. Os interessados devem se dirigir ao anexo da Igreja do Avivamento Bíblico, na avenida Senhor dos Passos, esquina com a rua Senador Quintino.

Estão sendo oferecidas 720 vagas distribuídas entre 13 cursos. Os candidatos podem optar entre Básico Integrado (informática básica, relações interpessoais e atendimento ao público – 100 vagas), Aprendiz Empresarial (100 vagas), Garçom (50 vagas), Auxiliar Administrativo (50 vagas), Manutenção em Micro (25 vagas), Depilação (25 vagas), Corte Masculino (50 vagas), Corte e Escova (50 vagas), Penteado (50 vagas), Atendente de Farmácia (100 vagas) e Informática para Adulto (100 vagas).

O secretário da Sedeso, Ildes Ferreira, ressalta a importância da iniciativa visando proporcionar a qualificação de jovens para inclusão no mercado de trabalho de forma mais competitiva. Observa também que todos os cursos são oferecidos gratuitamente pelo Governo Municipal.

A diretora do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional e Cidadania, Ivone Magalhães, explica que as inscrições podem ser feitas pela manhã e a tarde, sendo que os interessados devem ser adolescentes acima de 14 anos e adultos de todas as idades, com documentos pessoais, comprovante de residência, cartão do Bolsa Família ou Número de Inscrição Social (NIS).

Ivone Magalhães destaca ainda que as aulas serão ministradas na sede do Cicaf, à rua Manoel Matias de Azevedo, atrás da Estação de Transbordo Centro, data para a aula inaugural será anunciada posteriormente. E ressalta ainda que terá cadastro de reserva com 160 inscritos.



  •  

Hospital da Mulher capacita profissionais de saúde para imunização de bebês de alto risco

19/2/2018, 11:3h

Profissionais da área de saúde do Hospital Inácia Pinto dos Santos, o Hospital da Mulher, receberam treinamento sobre Palivizumabe - imunoglobulina (um tipo de anticorpo "pronto") que induz imunização passiva específica contra o vírus sincicial respiratório (VSR) em bebês de alto risco.

O Palivizumabe, elaborado por técnica de engenharia genética, previne quadros graves de infecções respiratórias em lactentes, como a bronquiolite e, principalmente, pneumonias.

A imunização é recomendada aos recém-nascidos pré-termo com menos de 29 semanas de idade gestacional no primeiro ano de vida; para aqueles nascidos entre 29 e 32 semanas, até o sexto mês; e para portadores de doenças cardíacas e pulmonares nos dois primeiros anos de vida.

Voltada para a diretoria técnica, enfermeiros, farmacêuticos, médicos e técnicos de enfermagem, a atividade foi ministrada por técnicos da SESAB (Secretaria de Saúde do Estado da Bahia) e do Laboratório ABBVIE no último dia 5 e teve como objetivo explicar a estrutura e a fisiopatologia do VSR, o impacto da imunização com o Palivizumabe, o fluxo desse anticorpo e o período de sazonalidade (típico de determinada estação ou época).

Demanda de imunização deverá ser maior este ano

De acordo com a membro da comissão do Palivizumabe do HIPS e também enfermeira, Neilde Lima Ribeiro, o treinamento foi fundamental para capacitar os profissionais e relembrar o assunto para a equipe anterior, dando continuidade à administração do medicamento.

“Iniciamos o Palivizumabe em 2017 ministrando o medicamento para as crianças internadas na UCI e, também, pacientes vindo externamente do ambulatório. Este ano, provavelmente, vamos ter uma demanda maior e, por conta disso, o treinamento foi essencial para os profissionais envolvidos na assistência”.

Período mais propenso a infecções é entre março e julho

Na atividade, o consultor da ABBVIE, Matheus Silva, destacou também a importância da Palivizumabe na sazonalidade, período propenso a ter mais infecções do VSR - no Nordeste esse período é de março até julho.

“É importante que a equipe esteja capacitada para imunizar os bebês, pois estamos entrando agora na sazonalidade do VSR. Com isso, é possível prevenir infecções respiratórias como bronquiolite e pneumonia, e evitar custos adicionais e o sofrimento das famílias e dos bebês”, explica.

Ao longo da palestra, os participantes tiveram oportunidade de acompanhar uma web-conferência com a enfermeira Érica Portella, responsável pelo treinamento técnico do Palivizumabe da ABBVIE. O contato mediou a retirada de inúmeras dúvidas dos profissionais presentes.

Imunização será aplicada não somente em crianças internadas na unidade

Já a coordenadora farmacêutica da SESAB, Franciane Souza, abordou no treinamento sobre o fluxo de acesso ao medicamento Palivizumabe, além de orientar como as mães e crianças devem se dirigir à unidade para ter o acesso, os registros e documentos necessários para a solicitação do medicamento e o cumprimento do protocolo do Ministério da Saúde.

“Além dos pacientes internos do hospital, o profissional vai atender as crianças que nasceram na unidade ano passado e que retornarão para tomar outra dose do Palivizumabe, bem como outras crianças da região que precisam da medicação”, explica.



  •