SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

Feira ultrapassa meta de vacinação contra sarampo e poliomielite

3/9/2018, 17:39h

Feira de Santana ultrapassou a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde ao vacinar 99,83% do público alvo contra a poliomielite e 97,01% referente ao sarampo. Com esses primeiros dados, lançados até esta segunda-feira, 03, o município fica à frente do índice estadual, que marca 86,36% e 85,86%.

“Nos empenhamos para alcançar o maior número de crianças possíveis. Isso é saúde pública e Feira de Santana tem esse compromisso de trabalhar na prevenção”, ressalta a secretária municipal de Saúde, Denise Lima Mascarenhas.

A campanha mobilizou a comunidade durante todo o mês de agosto e não será prorrogada devido ao alcance de mais de 95% do público alvo. Para alcançar bons resultados, os profissionais de saúde buscaram a conscientização de pais e responsáveis, através de palestras nas unidades de saúde, e intensificando a busca ativa das crianças por meio dos agentes comunitários de saúde.

Surto de sarampo tem assustado

Além disso, o município aderiu a dois dias “D” de vacinação, no objetivo de captar o público e promover a proteção contra ambas as doenças, que já eram consideradas erradicadas, mas nos últimos meses o surto de sarampo tem assustado algumas regiões do país.

“Lembramos que a tríplice viral e a pólio são vacinas de rotina, que devem ser administradas tanto na infância, quanto na idade adulta para aqueles que nunca foram vacinados”, ressalta.

  •  

Cassa registra aumento na procura por vacina

2/9/2018, 11:23h

Os gêmeos Miguel e Rafael, de um ano e oito meses, filhos de Ari de Almeida (foto - abaixo), foram duas das 43 crianças que foram vacinadas no CASSA (Centro de Assistência Santo Antônio) até às 11h deste sábado, 1º de setembro, Dia D de vacinação.

No Cassa e em outras unidades de saúde, mais a Secretaria de Saúde, crianças de até cinco anos foram imunizadas contra paralisia infantil e receberam a tríplice viral – que evita o sarampo, a caxumba e a rubéola.

O esforço visa melhorar os índices de vacinação no município, que até a semana passada atingiu 76,84% contra a paralisia infantil e 70,80% contra o sarampo. Os números de Feira estão melhores do estadual e do apresentado nacionalmente.

As vacinas foram aplicadas nas 13 UBS: Baraúnas, Caseb (unidades I e II), Capuchinhos (Cassa), Cidade Nova (CSU), Jardim Acácia (Dispensário Santana), Brasília (Irmã Dulce), Jardim Cruzeiro, Mangabeira, Queimadinha, Subaé, Rua Nova e Serraria Brasil.

A enfermeira Flávia Sampaio Campos, do Cassa, disse que a frequência deste sábado está melhor da registrada no Dia D anterior e que foi baixo – apenas duas – cadernetas de vacinação que estavam desatualizadas.

“Nos últimos dias os nossos agentes comunitários de saúde foram às casas das crianças registradas nesta UBS e que não tinham sido vacinadas e cobraram aos pais a participação neste sábado”. Credita o comparecimento a esta ação.

  •  

Vacinação contra sarampo e poliomielite tem dia "D" no sábado

30/8/2018, 11:54h

Em Feira de Santana, 76,84% do público alvo já foi imunizado contra poliomielite e 70,80% contra sarampo. Mesmo estando acima do índice estadual (70%) e na média do nacional (76%), o município irá aderir ao dia “D” de vacinação, no próximo sábado, 1º/9.

A mobilização acontece na sede da Secretaria Municipal de Saúde e nas 13 Unidades Básicas de Saúde, localizadas nos bairros: Baraúnas, Caseb (unidades I e II), Capuchinhos (Cassa), Cidade Nova (CSU), Jardim Acácia (Dispensário Santana), Brasília (Irmã Dulce), Jardim Cruzeiro, Mangabeira, Queimadinha, Subaé, Rua Nova e Serraria Brasil.

Das 8h às 17h, pais e responsáveis devem se dirigir aos pontos com a caderneta vacinal da criança. A campanha é destinada para os pequenos com idade entre um a quatro anos, 11 meses e 29 dias, inclusive para os que já receberam todas as doses das vacinas.

Horário visa a facilitar

“Sensibilizamos aos pais que ainda não levaram as crianças aos postos, que compareçam. O horário do sábado visa inclusive facilitar para aqueles que não levaram os filhos por indisponibilidade durante a semana”, ressalta a secretária de Saúde, Denise Lima Mascarenhas.

Durante todo o período da campanha, a Secretaria esteve intensificando a busca ativa para vacina, através dos Agentes Comunitários de Saúde, com salas de espera para a comunidade com abordagem do tema, busca da população nas micro áreas descobertas e controle das salas de vacina com relação nominal das crianças.

Último caso registrado em 2007

O último caso registrado de sarampo em Feira de Santana foi em 2007. Já de poliomielite não há registro nos últimos anos no município. Porém com o surto de sarampo em outras localidades do Brasil, como Roraima e Amazonas, a estratégia é proteger as crianças para evitar a proliferação da doença que pode levar a morte.

  •  

Mulheres são 80 por cento das pessoas em tratamento contra tabagismo no CAPSad

29/8/2018, 18:21h

Em 15 anos, cerca de oito mil pessoas são registradas no Centro Assistência Psicossocial Álcool e Drogas Dr. Gutemberg Almeida. Destas, 70% são exclusivamente tabagistas – ou com outros vícios associados. E as mulheres são mais de cinco mil neste universo - fazem o tratamento ou fizeram.

Atualmente cerca de 300 pessoas estão sendo acompanhadas por especialistas do CAPSad. E 240 são do sexo feminino, que correspondem a 80%. Mulheres na faixa etária dos 40 anos são as mais vulneráveis a este vício. “São muitos os motivos apresentados por elas”, diz a psicóloga Carolina Carvalho, que coordena o órgão.

Há 32 anos, o 29 de agosto é o Dia Nacional de Combate ao Fumo, criado com o objetivo de conscientizar e mobilizar a população sobre os riscos à saúde decorrentes ao consumo do cigarro. O tabagismo é a principal causa de morte evitável de todo o planeta.

Os homens de meia idade, diz a coordenadora, são mais propensos ao alcoolismo e os jovens buscam as drogas ilícitas. O tratamento é oferecido às pessoas a partir de 15 anos e uma das condicionantes é que resida em Feira de Santana. Antes de iniciar o tratamento, as pessoas são submetidas a um teste que indica o grau de dependência, informação que pode ser usada no seu direcionamento.

Ela enfatiza que nos últimos anos o número de pessoas que buscam o tratamento contra o tabagismo vem aumentando em Feira. Crê na mudança de comportamento e que chega a 80% os casos de sucesso. Mas que muitas têm recaídas.

E no grupo em tratamento existem pessoas de todas as idades. Como dona Maria Alice, que fuma há meio século e deseja parar, como escreveu em um mural no órgão. Outra paciente está há quase 15 anos lutando contra o tabagismo. Ainda não conseguiu, mas continua na busca da cura.

E o fumo não é um vício fácil de abandonar. Para enfrenta-lo em condições de vitória, segundo a especialista, a vontade pessoal é fator primordial e, se for o caso, o uso de medicamentos. O CAPSad, o paciente é atendido por uma equipe formada por psiquiatra, pedagoga, psicóloga, assistente social, educador físico, entre outros.

  •  

Grupo Bem Viver, o "anjo da guarda" de trabalhadores lesionados tratados no Cerest

29/8/2018, 15:4h

Trabalhadores lesionados por esforço repetitivo e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho têm o acompanhamento do Grupo Bem Viver do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), da Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana. Semanalmente, eles participam de encontros que estimulam a participação no processo de recuperação, ajudando-os a lidar com as limitações que a doença impõe.

Frustração e desinteresse

“Eles chegam aqui sentindo muita dor física, além de situações vivenciadas por assédio moral no trabalho. O grupo terapêutico tem o objetivo de motivar esses pacientes e proporcionar uma melhora na parte emocional, os ensinando a lidar com a ansiedade, frustração, desânimo e desinteresse, para uma reintegração da melhor forma a instituição a qual trabalham”, relata a psicóloga responsável pelo grupo, Polyana Rebouças (foto).

“Lá vem a lesionada”

Paciente do Cerest há mais de oito anos, Maria da Glória (foto - recebendo a massagem), 52 anos, relata ter vivenciado momentos difíceis desde o diagnóstico da doença de Ler/Dort. “A dor começou no braço direito, depois foi se espalhando pelos dois braços e mãos. No início eu trabalhava em um período e fazia fisioterapia no outro, porém as dores foram aumentando e chegou ao ponto que qualquer movimento causava dor e choque. Eu pensei várias vezes ‘para onde eu vou?’ quando me vi numa situação sem poder trabalhar e ouvia de colegas lá vem a lesionada”, relata.

“Somos, hoje, outras pessoas”

Emocionada, Maria da Glória conta que encontrou no Cerest o apoio para lutar contra a doença. “Eu participo aqui do grupo Bem Viver e tenho o acompanhamento dos profissionais que trazem benefícios muito bons para gente. Eu louvo a Deus porque através do Cerest somos, hoje, outras pessoas”, diz, se referindo também aos colegas, pacientes do grupo.

Atividades lúdicas e massagem

Para ajudar a motivar os pacientes, o grupo desenvolve além de palestras, sessões de alongamentos, massagens, atividades lúdicas com dinâmicas, trabalhos artesanais e plantações. “Nessas atividades lúdicas eles colocam a mão na massa e se sentem valorizados”, ressalta a psicóloga.

  •  

Sessão Científica do Samu aborda síndromes virais nessa quarta-feira

29/8/2018, 10:16h

Com o tema “Síndromes Virais – H1N1” acontece nesta quarta-feira, 29, mais uma Sessão Científica do Samu. O evento, realizado uma vez ao mês, terá capacitação extra ministrada pelo médico Ricardo Gassmann Figueiredo, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, às 19h.

Este ano, Feira de Santana notificou de janeiro a junho 79 casos suspeito de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sendo 17 casos confirmados como H1N1. Estudantes e profissionais de saúde poderão acompanhar a discussão do tema com direito a certificado de duas horas emitido pelo órgão.

  •  

Vigilância Epidemiológica intensifica ações contra leishmaniose em Maria Quitéria

28/8/2018, 8:51h

Dos 16 casos de leishmaniose diagnosticados este ano em Feira de Santana, quatro foram de pessoas que residem no distrito Maria Quitéria. Devido ao número de casos na localidade (25% do total), a Secretaria Municipal de Saúde, através da Vigilância Epidemiológica, realizou na última quinta-feira, 23, uma sensibilização e discussão de estratégias junto aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) que atuam no distrito.

Entre as orientações passadas para prevenção da população, está o uso de mosquiteiro e repelente antes de dormir. Thaís Peixoto (foto), referência técnica em leishmaniose, orienta para as pessoas evitarem ficar fora de casa à noite, por ficarem mais expostas às picadas do flebótomo, inseto transmissor da doença, também conhecido como mosquito palha.

“O flebótomo tem ação noturna, especificamente por volta das 17h às 6h. Além disso o mosquito tem como característica o voo baixo e saltitante, por isso ele pica os membros inferiores com facilidade”, ressalta.

Atenção aos sintomas da doença

Quando a leishmaniose é diagnosticada precocemente, maior a possibilidade de evitar a morte. Para isso é necessário ficar atento aos sintomas da doença: febre por mais de sete dias, perda de peso, falta de apetite, palidez e aumento da barriga. “Ao notar os sintomas o indicado é comparecer a unidade de saúde para receber atendimento e realizar a notificação”, orienta a coordenadora da VIEP, Francisca Lúcia de Oliveira (foto).

Francisca também alerta que “se a pessoa tiver além dos sintomas, um animal em casa que apresente queda de pelo, crescimento exagerado das unhas e falta de apetite, é mais um motivo para procurar atendimento”.

Ambientes propícios ao mosquito

Os agentes de endemias têm encontrado nas residências ambientes propícios para a proliferação dos insetos, é o que informa o coordenador de endemias, Edilson Miranda (foto).

“Ao chegar nas residências encontramos madeira, entulho, galinheiro, ambientes que facilitam o alojamento do flebótomo. A população tem que fazer a sua parte cuidando de suas casas”, informa o coordenador de Endemias, Edilson Miranda.

  •  

Campanha de vacinação contra sarampo e poliomielite termina sexta-feira

27/8/2018, 15:27h

A campanha de vacinação contra sarampo e poliomielite prossegue até a próxima sexta-feira, 31. Em Feira de Santana cerca de 35% do público alvo ainda falta ser imunizado.

“Pedimos aos pais e responsáveis que levem seus filhos aos postos. Estamos chegando à última semana da campanha e muitas ainda faltam ser vacinadas”, ressalta a referência em imunização, Carlos Henrique Valverde.

A meta é imunizar 95% do público alvo, que corresponde a 33.751 crianças. Todas com idade entre um a quatro anos, 11 meses e 29 dias devem receber as doses dos imunizantes, inclusive as que já possuem o esquema vacinal completo.

“Somente as crianças imunizadas contra sarampo a menos de 30 dias devem evitar a dose extra de reforço. No caso da poliomielite, o reforço com a vacina de gotinha é indiscriminado”, informa.

Flacidez muscular

A poliomielite é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida. Sua principal característica é a flacidez muscular com sensibilidade. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa pela via oral (ao falar, tossir ou espirar), por objetos, alimentos e água contaminada com fezes de portadores da doença. Desde 1990 não são registrados casos no Brasil.

Os sintomas do sarampo são: tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa, por meio de secreções respiratórias. A vacina é o meio mais eficaz para prevenção.

  •  

Secretária de Saúde de Feira premiada por projeto com acupuntura

24/8/2018, 14:47h

A secretária municipal de Saúde, Denise Lima Mascarenhas, recebeu na quinta-feira, 23, o Prêmio Irmã Dulce, pelo uso da acupuntura no tratamento da dor crônica pós-chikungunya, apresentado na 15ª Mostra Brasil Aqui Tem SUS em Belém (PA). Durante o evento, a secretária também foi homenageada pelo serviço desenvolvido como diretora do Conselho Estadual dos Secretários Municipais de Saúde da Bahia (COSEMS/BA).

A premiação evidencia mais um trabalho de assistência e reabilitação desenvolvido pelo município de Feira de Santana em atenção aos usuários do SUS. O destaque da acupuntura está na melhora apresentada nos pacientes após amenização da dor crônica, sintoma que acaba incapacitando as vítimas na realização de várias atividades.

Equipe que desenvolveu o projeto

Entre os autores do projeto estão médicos e enfermeiros da Vigilância Epidemiológica do Município: Maricelia Maia, Arabi Xinguara, Luiz Carlos Alcântara, Eloisa Bahia, Hélvia Maia e Denise Mascarenhas.

Para a secretária de Saúde, os resultados obtidos não seriam possíveis sem a colaboração de todos os envolvidos na prestação do serviço. “Os projetos aplicados pela gestão municipal têm o compromisso de garantir qualidade em assistência, buscando resultados positivos para recuperação de nossos pacientes. E nós contamos com o comprometimento e dedicação de vários profissionais”, ressalta.

Dezenas de pessoas nas sessões gratuitas

O serviço de acupuntura acompanha vítimas acometidas com a chikungunya desde a epidemia de 2015. Semanalmente, cerca de 60 pessoas participam de forma coletiva das sessões gratuitas realizadas no auditório Dr. João Batista Cerqueira.

Além do serviço de acupuntura, Feira de Santana também teve premiado o Projeto Aconchego na segunda edição do evento em 2017. O trabalho ganhou visibilidade na promoção de assistência a mães e crianças com microcefalia do município.

  •  

Secretaria Municipal de Saúde recebe prêmio Irmã Dulce

22/8/2018, 17:36h

A Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana receberá prêmio Irmã Dulce pelo Conselho Estadual dos Secretários Municipais de Saúde da Bahia (COSEMS/BA), nesta quinta-feira, 23. A homenagem se refere à participação do município na 15ª Mostra Aqui Tem SUS, realizada durante o 34º Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde em Belém (PA).

Durante o evento, Feira esteve apresentando o uso da acupuntura no tratamento da dor crônica pós chikungunya.  O trabalho é desenvolvido pelo município desde 2015 e tem apresentado resultados positivos na melhora das dores e sintomas adversos causados pelo surto da doença.

Reconhecimento e incentivo

Para a secretária municipal de Saúde, Denise Lima Mascarenhas [foto], a premiação é uma forma de reconhecer e incentivar cidades como Feira de Santana, que assumem esse compromisso de inovar com técnicas de tratamento e compartilhar as experiências dando oportunidade para que outros locais também possam aderir.

Esta é a segunda edição na qual Feira de Santana é premiada. Em 2017 o município teve reconhecido o Projeto Aconchego, que promove assistência para mães e crianças com microcefalia.

  •