SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Criada comissão de monitoramento e avaliação do Plano Municipal de Educação

7/8/2018, 17:25h

Uma comissão integrada por vários setores da sociedade será responsável pelo acompanhamento, monitoramento e avaliação do Plano Municipal de Educação (PME), conforme orienta a lei nº 3.651, de 2016, que instituiu o documento.

O Plano Municipal de Educação é um documento orientador de políticas públicas pelos próximos dez anos. Nele, estão reunidos as metas e objetivos para o setor educacional de Feira de Santana em todos os âmbitos e modalidades, até o ano de 2026, uma vez que sua criação foi em 2016. O documento deve nortear o trabalho das autoridades na formulação do orçamento público, dos projetos de leis que beneficiem a população e sobretudo as escolas de um modo geral.

O decreto que cria a comissão foi publicado no Diário Oficial eletrônico do município, edição de sábado, 4. A presidente do organismo é a professora Rosana Fernandes Falcão, da equipe técnica da Seduc.

Atribuições da comissão

Participam ainda da comissão representantes do Conselho Municipal de Educação (CME), da Câmara de Vereadores, da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), do Conselho do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB-Sindicato), do Sindicato dos Professores do Estado da Bahia (SINPRO-BA) e do Núcleo Territorial de Educação (NTE-19), antiga Direc.

Entre as atribuições da comissão estão: organizar o trabalho de avaliação do PME; apropriar-se do plano; envolver todas as esferas administrativas e instituições que atuam ou interferem nas políticas educacionais; buscar apoio técnico da equipe para a fundamentação dos relatórios anuais e divulgá-los amplamente.

  •  

Coleta de lixo eletrônico realizada na escola Maria Antônia da Costa

7/8/2018, 17:20h

Como forma de despertar nos alunos a consciência ambiental, um ponto de coleta de lixo eletrônico foi montado na Escola Municipal Maria Antônia da Costa, do bairro Santa Mônica. A iniciativa fez parte das atividades da 8ª edição do Congresso do Meio Ambiente, realizado na última semana (31 de julho). O resultado da coleta será recolhido pela ECOBA, empresa especializada na valorização dos resíduos de componentes eletrônicos.

Durante duas semanas, a comunidade do bairro teve a oportunidade de descartar adequadamente itens como TVs de tubo, notebooks, aparelhos celulares, entre outros. Os alunos da unidade de ensino realizaram campanhas de divulgação no bairro para conscientizar os moradores e indicar a melhor forma de descarte do lixo eletrônico. A ação foi encerrada na última sexta-feira, 3.

Perigo do lixo eletrônico

“Os estudantes assistiram a uma palestra sobre logística reversa para compreender melhor os perigos dos materiais eletrônicos inservíveis que geralmente são jogados no lixo comum; também foram às ruas do entorno para divulgação da escola como ponto de coleta; realizaram entrevistas para ver o quanto a pessoas sabem do tema e transformamos os resultados em gráficos”, relata a vice-diretora da escola, Ilnara Brandão.

O congresso contou com a participação de alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental e a presença da comunidade do bairro, pais e familiares.  Neste ano, o tema foi “Iniciação científica: energizando a natureza”.

Congresso com parcerias importantes

Além das apresentações de produções internas desenvolvidas pelos alunos, o congresso contou também com a parceria da Embasa, que promoveu oficinas para os estudantes; a empresa ECOBA, que viabilizou um projeto de logística reversa – que promove soluções ambientais - na escola; de estudantes de física da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), que sua vez desenvolveram uma mostra de experiências com energia; e finalmente do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), que ofereceu orientações para a comunidade.

Conscientização dentro e fora da sala

“Considero um importante avanço para o despertar do sujeito ecológico”, acredita a assistente social Roseane Santos, responsável pela execução do projeto social das obras de ampliação do sistema de abastecimento de água de Feira de Santana, da Embasa.

O projeto aborda, desde a primeira edição, diversos temas ligados à sustentabilidade, visando colaborar com a conscientização dentro e fora do ambiente escolar. “Acompanho a evolução e mudanças do congresso. Este ano, o diferencial foi a participação dos nossos parceiros. As contribuições trouxeram mais brilho ao evento”, defende a coordenadora pedagógica, Tamara Rabelo.

  •  

Mais de 35 por cento dos alunos do Acelera Brasil apresentaram melhora

2/8/2018, 9:28h

Mais de 35% dos alunos da Rede Municipal de Educação contemplados pelo programa Acelera Brasil – que tem por objetivo diminuir a distorção entre a série em que o aluno está matriculado e a sua idade – apresentaram avanço no quesito “produção textual”, no período de maio até junho.

Esses alunos passaram a escrever textos com frases ampliadas e desenvolvimento lógico de ideias, segundo relatório apresentado durante reunião do Comitê Gestor – integrado pelas lideranças dos setores da Secretaria Municipal de Educação e profissionais do Instituto Ayrton Senna, responsável pela implantação do programa. O encontro aconteceu na manhã de quarta-feira, 1º, na sede da Seduc.

Resultados apresentados em reunião

Os resultados obtidos no bimestre maio-junho nos programas desenvolvidos pelo instituto em parceria com a Seduc - Se Liga, Acelera Brasil e Gestão da Alfabetização - foram apresentados na reunião que contou com a participação da secretária de Educação, Jayana Ribeiro. O objetivo do encontro foi analisar os desafios de cada instituição de ensino e propor soluções, além de discutir as metas do Plano Nacional de Educação.

Mais alunos leem com fluência

Já na escrita, o número de alunos que consegue escrever palavras com sílabas complexas teve um aumento de 10,1% e os que leem com fluência apresentaram crescimento de 8,5%, entre outros fatores. Dentre os alunos atendidos pelo programa Se Liga – dirigido aos estudantes matriculados nos anos iniciais do ensino fundamental que não estão plenamente alfabetizados – houve queda de 10,4% entre aqueles que ainda não conseguem ler e de 10,5% entre os que escrevem sem compreensão funcional.

O número de alunos que se mostraram capazes de encontrar informações explícitas em textos curtos e também em textos longos cresceu 7,4%; e aumentou para 6,4% o número de crianças que desenvolvem um tema com parágrafos curtos e ampliados.

Formação e acompanhamento

O programa Gestão da Alfabetização oferece formação e acompanhamento ao coordenador pedagógico das escolas municipais. Segundo a gerente de projetos do Instituto Ayrton Senna, Nelma Lopes, apesar de o programa estar numa fase ainda inicial, quando comparado aos demais, apresenta resultados positivos, mesmo que de maneira mais lenta. “Conseguiremos melhores resultados à medida que os coordenadores pedagógicos forem abraçando a ideia”, declarou.

Mais escolas atendidas

Segundo a coordenadora dos programas de correção do fluxo escolar – Se Liga e Acelera Brasil – Lisandra Sampaio, o número de escolas atendidas pelo Gestão da Alfabetização pulou de 22 em 2017 (com 58 turmas) para 80 em 2018 (com 409 turmas), fator que também influencia nos resultados.

  •  

Concurso para professor do município tem inscrição prorrogada

31/7/2018, 17:12h

Foi prorrogado até o próximo dia 13 de agosto o prazo de inscrição para o concurso público que vai selecionar professores da Educação Infantil ao Ensino Fundamental II para a Rede Municipal de Feira de Santana. Estão sendo oferecidas 100 vagas. A carga horária é de 20h semanais e o salário inicial é de R$ 2.009,13.

O edital de prorrogação foi publicado no Diário Oficial Eletrônico do município no último sábado, 28, edição nº 784. A inscrição só pode ser realizada via internet, no site da AOCP Concursos Públicos, empresa responsável pela realização do certame, conforme resultado de concorrência pública. O endereço eletrônico é www.aocp.com.br.

O prazo para pagamento da taxa de R$ 100,00, referente ao valor de inscrição, também foi prorrogado. Caso o candidato não efetue o pagamento do seu boleto até a data do vencimento, deverá acessar o endereço eletrônico www.aocp.com.br, imprimir a segunda via do boleto bancário e realizar o pagamento até o dia 14 de agosto de 2018. Inscrições feitas com pagamento após essa data não serão acatadas.

Concurso terá três fases

No último edital, também foi incluída a modalidade Cad Único para solicitação de isenção da taxa de inscrição – para aqueles que estiverem inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. O concurso constará de três fases para todas as áreas, sendo elas redação, prova objetiva e de títulos.

As vagas foram distribuídas da seguinte maneira: 44 para ampla concorrência, 4 para pessoas com deficiência, 21 para afrodescendentes e indígenas e 31 para candidatos oriundos da escola pública e bolsista de escola particular.

Vagas por disciplina e categoria

As vagas para ampla concorrência estão distribuídas da seguinte maneira: 27 para professor de pedagogia, cinco para professor de educação física; para professores de língua portuguesa, arte, ciências, matemática, história e geografia, são oferecidas duas vagas por disciplina.

Já as pessoas com deficiência dispõem de três vagas para pedagogia e uma para educação física. Os candidatos afrodescendentes e indígenas concorrem a uma das 12 vagas para pedagogia; três de educação física; os de língua portuguesa, arte, ciências, matemática, história e geografia dispõem de uma vaga por disciplina.

Já os candidatos oriundos de escola pública e bolsista de escola particular têm a possibilidade de ocupar uma das 18 vagas para pedagogia; ou quatro para educação física; os de língua portuguesa, arte e matemática concorrem a duas vagas por matéria; já os de ciência, história e geografia, uma vaga por disciplina.

  •  

Curiosidade das crianças é aliada no processo de alfabetização, diz educadora

27/7/2018, 16:23h

“Precisamos reconhecer a curiosidade das crianças sobre o mundo natural. Não podar esses questionamentos e dúvidas é essencial para o seu desenvolvimento integral”. A orientação é da professora Darlene Lima, da Divisão de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação. Ela foi uma das orientadoras do encontro de formação continuada para coordenadores pedagógicos da Educação Infantil, na terça-feira, 24. A formação, que aconteceu na Seduc, explorou a temática “Alfabetização científica na Educação Infantil”.

“A criança já tem o dom da curiosidade e é importante que saibamos explorar isso. Questionamentos como ‘por que o céu é azul?’; ‘por que água do mar é salgada?’; ‘como surgem os arco-íris?’; que são frequentemente feitos por crianças, são grandes oportunidades em que o conhecimento científico pode ser explorado e explicado a elas”, explica a professora.

Segundo Darlene, é necessário que haja a promoção de experiências em que possam ser abordados aspectos como a observação, a investigação, o registro, questionamentos, entre outros.

Formatos de cada parte do corpo

O objetivo do encontro foi destacar esse olhar sensível no agir das coordenadoras pedagógicas. “Em um experimento com a própria sombra, por exemplo, podemos trabalhar a observação de vários fatores, como os movimentos e os formatos de cada parte do corpo”, afirma Darlene.

Os encontros de formação continuada para coordenadores são realizados mensalmente. Este foi o quinto deste ano. Mais cinco formações estão agendadas até dezembro. A próxima será no dia 23 de agosto.

  •  

Alunos da Escola Clóvis Ramos Lima comemoram a construção de uma quadra de esportes

27/7/2018, 10:47h

Uma quadra coberta e equipada com vestiários e toda a infraestrutura para a prática de esportes era tudo que os alunos da Escola Clóvis Ramos Lima sonhavam como objeto de consumo. Na manhã desta sexta-feira, 27, o que era sonho passou a se materializar com o início das obras do equipamento esportivo, previsto para ser inaugurado dentro de oito meses.

Localizada na Rua Arco Verde, no bairro Parque Ipê, a Escola Clóvis Lima atende, atualmente, a 470 alunos do curso Fundamental II, e foi inaugurada em l978, na primeira gestão do ex-prefeito Colbert Martins da Silva ( 12/11/1928 a 7/11/1994).

O complexo poliesportivo, que também estará à disposição da  juventude que reside no entorno da escola, vai custar R$ 418.886,22 aos cofres públicos e as obras estão sob a responsabilidade técnica da AVEC Construções.

“Esta quadra também será útil  aos adolescentes da comunidade, que agora poderão praticar esportes e ficar longe do perigo das drogas. Toda  a sociedade será grata pela construção desta quadra”, pontuou a professora Carla Gotardo, diretora do educandário.

A secretária de Educação, jayana Ribeiro, ao observar que a construção da  quadra era  um pleito recorrente dos jovens alunos da Escola Clóvis Lima, acrescentou que “  este equipamento vai agregar mais qualidade no aprendizado dos alunos”.

Ao dar a ordem de serviço, o prefeito Colbert Martins da Silva Filho traçou um breve perfil do patrono da escola, ressaltando que “Clóvis Ramos Lima foi um bancário que também deixou a sua contribuição ao  Município, através das suas atuações  como vereador”.

O ato contou com as presenças do secretário de Desenvolvimento Urbano, José Pinheiro, dos vereadores José Carneiro Rocha, Fabiano da Van e Edvaldo Lima.   

  •  

Escola Arthur da Silva ganha materiais esportivos e vai sediar Caravaninha em setembro

27/7/2018, 10:41h

A Caravana do Esporte e das Artes encerrou sua edição em Feira de Santana na tarde de quarta-feira, 25, mas estará de volta em breve com a Caravaninha, que será realizada em setembro, na Escola Municipal Arthur Martins da Silva, situada na Pedra Ferrada, no distrito de Maria Quitéria. A unidade de ensino recebeu dos organizadores do evento um “kit futebol”, contendo faixa limitadora, traves com rede e 5 bolas.

A Caravaninha contará com a participação de 500 estudantes e professores da Rede Municipal de Educação que estiveram envolvidos no primeiro evento. “Sempre fazemos doações para uma escola. Nosso objetivo é estimular a prática esportiva, a interação entre os alunos e a diversão na escola”, conta Alexandre Arena, coordenador pedagógico do Instituto Esporte e Educação, que promove o evento.

“Esta é uma oportunidade única, pois permite disseminar ainda mais a ideia de um esporte menos competitivo. Nesta próxima edição, que será organizada pelos professores da Rede, há inclusive a ideia de implementar características próprias da cultura feirense”, diz a professora Hérika Vasconcelos, gestora da Escola Municipal Arthur Martins da Silva.

  •  

Caravana ensina novas estratégias com música, ritmo e ludicidade

25/7/2018, 18:37h

Estratégias que envolvem música, ritmo e ludicidade foram apontadas pelos professores da Rede Municipal como os principais conhecimentos adquiridos durante os encontros de formação da Caravana do Esporte e das Artes. O evento, que reuniu 3 mil estudantes e 270 educadores da Rede Municipal de Educação, foi encerrado nesta quarta-feira, 25, após três de atividades intensas, no Complexo Poliesportivo Oyama Pinto.

Os educadores que participaram da formação “Arte educacional - Viva com arte” foram também atuar como orientadores das atividades no último dia do evento, com centenas de alunos. Os profissionais aplicaram os novos conhecimentos em música e dança, interagindo com os estudantes. 

Conhecimento sendo colocado em prática

Para a professora Keila de Lima, é hora de botar em prática também na escola a teoria e as técnicas aprendidas durante as oficinas. “Assim que voltei pra sala de aula, comecei a trabalhar os ritmos através da chamada dos nomes dos alunos, tentei tornar a minha aula mais lúdica e percebi um maior interesse deles nos assuntos abordados”, destaca Keila.

As oficinas de artes desta quarta-feira contaram também com a presença da Filarmônica 25 de março, composta por 15 jovens e regida pelo maestro Antônio Neves. No repertório, músicas clássicas e regionais levaram ainda mais ritmo às atividades, promovidas pelas professoras de música e dança, Heloisa Leone e Rita Lagrota, respectivamente.

Interação e troca de experiências

“Foi um desafio trabalhar com alunos de outras unidades de ensino, ao mesmo tempo em que interagíamos com outros professores. Foi uma experiência maravilhosa, aprendemos muitas técnicas úteis para levarmos mais arte para o nosso dia-a-dia. A filarmônica trouxe um toque ainda mais especial para a nossa prática”, relata a professora Rosiane Lima Dias, da Escola Municipal Anízio Pereira Bernardes, do distrito da Matinha.

Teoria aliada a prática

Quem esteve na oficina aprendeu ainda curiosidades sobre instrumentos da filarmônica; dançou, participou de coreografias e se divertiu. “Realizamos um momento de apreciação musical, trabalhamos os sons, cantamos e dançamos. Garantimos a interação e atenção dos estudantes de forma lúdica e aliamos toda a teoria aprendida à prática”, explica Heloisa.

  •  

Práticas esportivas devem ser mais inclusivas, defende orientador da Caravana

24/7/2018, 19:1h

Disseminar a ideia de um esporte que não valorize apenas a competição, o rendimento, mas sim a participação de todos. Este é o principal objetivo do encontro de formação “Esporte Educacional/Esporte Para Todos”, oferecida aos professores da Rede Municipal de Educação durante a Caravana do Esporte e das Artes, que está em Feira de Santana até esta quarta-feira, 25. A formação está sendo realizada na Faculdade Pitágoras.

Modalidades tradicionais são excludentes, diz Alan

Segundo Alan Leão, orientador do encontro, as modalidades tradicionais são excludentes, pois premiam apenas os melhores. “Se uma turma tem 40 alunos que vão jogar basquete na aula de Educação Física, por exemplo, 30 estudantes vão apenas assistir à partida, pois as equipes naquele esporte são formadas apenas por cinco jogadores de cada lado. Queremos garantir também a participação daqueles 30, e principalmente a diversão”, defende.

Ele afirma que os esportes competitivos estão formando “mini-homens”, portanto as atividades proporcionadas pela Caravana são adaptadas às características físicas dos alunos. “No nosso basquete, temos tabelas mais baixas. Se um aluno faz mais pontos num jogo, ele se empolga e volta na próxima aula. Esse é o nosso raciocínio”, explica Alan. Além de redes feitas com garrafas pet, as bolas são mais leves, para evitar machucar os alunos e também mais baratas por que são feitas com material reutilizado.

“São muitas escolas e estudantes. Queremos incentivar essas ideias, então nos perguntamos: o que é mais fácil: os prefeitos comprarem bolas de R$ 200,00 para todas as escolas ou, mais acessíveis, por R$ 8,00?”, indaga o professor.

A Caravana do Esporte e das Artes conta com uma rede de atletas parceiros, dentre eles, está Diogo Silva, campeão pan-americano de taekwondo. Segundo Alan, todos eles defendem a abordagem educacional do esporte. “O ‘esporte-rendimento’ é desgastante, debilita a saúde e causa vários traumas. Nas formações, Diogo fala sobre lesões, injeções a que foi submetido, tudo por conta dessa busca pelo melhor rendimento”, diz.

Tudo que é tratado com os alunos no circuito montado no Complexo Poliesportivo Oyama Pinto é abordado com os professores nas formações juntamente com a parte teórica. Segundo Alan, todo jogo pode ser canalizado para o desenvolvimento de  algum conteúdo.

  •  

Corpo em movimento: oficina de dança conquista estudantes durante a Caravana

24/7/2018, 17:50h

O sorriso estampado no rosto dos alunos da Rede Municipal de Educação demonstra a animação dos estudantes durante a oficina de dança oferecida pela Caravana do Esporte e das Artes. Eles pularam, rodaram, aprenderam novos passos e se divertiram muito enquanto colocavam o corpo em movimento. A atividade integra até esta quarta-feira, 24, a Caravana do Esporte e das Artes, que está montada no Complexo Poliesportivo Oyama Pinto, no bairro Campo Limpo.

A caravana promove diversas atividades esportivas e no âmbito artístico para aproximadamente 3 mil estudantes. A tenda das artes promoveu também a oficina de música para os alunos, com noções de ritmo e coordenação motora de forma lúdica.

Já na oficina de dança, os estudantes foram convidados a explorar o espaço, interagir e socializar com os colegas. “Tentamos despertar o interesse destas crianças pelas linguagens artísticas, fazer com que se movimentem, corram, pulem, se mexam... Tivemos uma boa resposta e interação dos estudantes de Feira de Santana, que foram bastante participativos”, avalia Rita Lagrota, professora de dança da caravana.

As atividades propostas nas oficinas foram compartilhadas com os professores da Rede Municipal de Educação durante as formações que são realizadas simultaneamente à Caravana. “Tudo que nós aplicamos aqui foi abordado também com os professores que estão nas capacitações. A participação ativa das crianças mostra que a proposta realmente funciona com eles. Dá certo.”, destaca Rita. Nesta quarta-feira, 25, os professores da Rede Municipal estarão na Caravana, compartilhando com os alunos o conhecimento que aprenderam.

“Me diverti muito e conheci pessoas bem legais durante a oficina”, comemora Sabrina de Almeida Souza, aluna do 3º ano da Escola Municipal Izidro Alves de Jesus, situada na Matinha. “Eu adoro dançar e com certeza gostaria de fazer isso mais vezes com os meus colegas”, afirma.

  •