SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Jovens e adultos conquistam novas perspectivas de vida com o projeto Janelas para o Futuro

13/12/2018, 14:28h

Jovens e adultos mudaram o rumo da sua história de vida nesta quarta-feira, 12. Os onze estudantes acabam de concluir as oficinas de informática e orientações para o mercado de trabalho, oferecidas pela Secretaria Municipal de Educação. As atividades são uma iniciativa do Núcleo de Tecnologia (Nutec/Seduc), em parceria com o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) Zezito Freitas.

Durante a certificação, conhecemos o percurso de Ian dos Santos Aragão, de 24 anos, que foi convidado às oficinas por sua tia, que atua no CREAS, e decidiu fazer o mesmo por seus amigos, chamando-os aos cursos; Vitor Viana, de 20 anos, único colega de Ian que aceitou o convite, já está empregado – ele trabalha com transcrição de textos.

Há também a história de Gilbert Pereira Sales, de apenas 13 anos, mas que já demonstra grande habilidade com informática. E Ana Cláudia Cerqueira Santos, mãe de família, que, ao matricular seu filho, André Santos, no curso, foi convidada a se inscrever e acabou por levar também a filha, Vitória Santos, e ainda o enteado, Fabrício Leite. Nesta quarta-feira, todos foram certificados.

"Enxerguei nos cursos uma porta aberta"

“Decidi ficar porque enxerguei nos cursos uma porta aberta. É importante principalmente para os jovens por que muitos não têm oportunidades e aqui percebem seu potencial”, diz Ana Cláudia.

Os cursos foram realizados no Centro Digital Drance Mattos Amorim, no bairro Baraúnas. Iniciados em setembro, integram o projeto Janelas para o Futuro, iniciativa de inclusão digital da Seduc. Neles, os participantes têm contato com noções e ferramentas básicas de computação – como Word, Excel e PowerPoint – aprendem a elaborar currículos e cartões de visita, além receber dicas para conseguir um emprego. E finalmente adquirem conhecimento sobre ética profissional, postura adequada em entrevistas, entre outros.

O programa buscou atender principalmente jovens em situação de vulnerabilidade social, assistidos pelos CREAS. Para os inscritos também matriculados em escolas de Educação Básica, frequência satisfatória é pré-requisito para a participação.

Reintegração social

A professora Luiza Sales (foto), chefe do Nutec, diz que a iniciativa é também uma forma de reintegração social. “Por esse aspecto, é uma forma de garantir que os estudantes continuem avançando também nos estudos regulares”, destaca.

Durante a cerimônia de certificação, a diretora do Departamento de Ensino, professora Jozelia Araujo (foto), parabenizou todos os envolvidos no programa, desde os alunos aos técnicos do Núcleo de Tecnologia e equipe do Centro Digital. “É uma iniciativa que dá perspectiva de vida aos jovens e mostra que se eles tiverem oportunidade, podem ir longe”.

Karla Linhares (foto), coordenadora do Centro Digital, além de também parabenizar os jovens, agradeceu pelo empenho dos profissionais que atuaram no programa. “Às assistentes do CREAS, por sua dedicação; e aos técnicos do Nutec, que foram professores atentos, responsáveis pela difusão do conhecimento mais valioso deste século, que é a tecnologia; sem professores, nenhuma das outras profissões existiria”, defende.

  •  

Divulgado resultado e classificação de concurso para professor

13/12/2018, 10:21h

O resultado e classificação preliminar do concurso público para professor da Rede Municipal de Ensino foi divulgado nesta quinta-feira, 13, na edição do Diário Oficial. Os candidatos podem conferir a lista acessando o site www.diariooficial.feiradesantana.gov.br.

Na edição do Diário Oficial está disponível as listas relacionadas aos candidatos inscritos para às vagas destinadas às pessoas com deficiência, ampla concorrência, afrodescendentes e indígenas, além das vagas destinadas à candidatos oriundos da escola pública ou bolsistas.

O candidato também poderá consultar seu desempenho individual acessando o site www.aocp.com.br. O Boletim ficará disponível por 30 dias, a contar da data de publicação da lista.

O prazo para interposição de recurso, que deverá ser protocolado em formulário próprio, será entre os dias 14 e 17 de dezembro.

Ainda na edição do Diário Oficial desta quinta, também foi divulgado o resultado da prova de títulos após a interposição dos recursos.
 

  •  

Aluno de 13 anos é exemplo de evolução a partir do Programa Música na Escola

12/12/2018, 16:34h

O clima das comemorações natalinas contagia os alunos envolvidos no programa Música na Escola todo final de ano. Porém, Lucineide Aquino Brito, mãe de Vanildo Xavier dos Santos, 13 anos, tem muito mais a celebrar do que o Natal. Para ela, a mudança no comportamento do seu filho foi o maior presente. Vanildo é estudante do 5º ano da Escola Municipal Carlos Alberto do Carmo, do bairro Feira IX.

Na manhã de segunda-feira, 10, Lucineide viu de perto, pela segunda vez, a habilidade do seu filho. “Tem futuro!”, comemorou. O garoto foi um dos integrantes do grupo que tocou flauta doce na programação do Natal na Escola, na unidade de ensino.

Apresentação feita por alunos do 2º ao 5º ano da Escola Carlos Alberto do Carmo

Alunos do 2º ao 5º ano, integrantes do Programa Música na Escola, participaram das atividades. A mãe de Vanildo conta que desde que ele ingressou no programa, em 2015, seu comportamento mudou.

“Ele não gostava de estudar, eu precisava ficar sempre relembrando. Hoje em dia, ele está mais obediente e respeitoso”, diz. Vanildo admite seu antigo mau comportamento, mas também reconhece a mudança; a flauta e as amizades conquistadas no programa são fatores que ele destaca como maiores causas de sua transformação.

Josinete dos Santos Santana, monitora do Música na Escola na modalidade Instrumento, foi surpreendida pelo aluno antes do evento. “A programação estava marcada para começar às 8:00; ele chegou aqui às 7:30 pedindo para ensaiar”, conta a professora, rindo.

Programa contribui para melhora na leitura e da frequência 

Para ela, muitos aspectos do programa influenciam essa mudança. “Além da música que, por si só já tem esse potencial, os requisitos para participação são cruciais, como a melhora na leitura e a frequência regular na escola”, destaca.

A diretora da escola, Denise Freitas Silva, descreve as apresentações que marcam o fim de ano como fundamentais para mostrar aos pais todo o trabalho que é desenvolvido com os alunos durante as aulas. "Muitos não conseguem prestigiar as atividades regulares, portanto, esse momento em conjunto é uma ótima oportunidade, pois conseguimos mostrar o quanto os alunos se envolvem com o programa, o quanto ele é importante na formação deles".

Os estudantes da Educação de Jovens e Adultos da Escola Municipal Carlos Alberto, que compõem o coral do programa na unidade de ensino, também se apresentaram no turno da noite.

  •  

Projeto Acordes realiza sonho de aluna de aprender a tocar um instrumento

10/12/2018, 14:6h

Um sonho realizado. Assim definiu Giovanna Santos Ferreira, aluna do 6º ano da Escola Municipal Ana Brandoa (Tomba) sobre a participação no Projeto Acordes. Há quatro anos, a iniciativa da empresa Belgo Bekaert Arames, realizada em parceria com a Prefeitura de Feira de Santana, oferece a alunos da Rede Municipal de Educação aulas de flauta doce e violino totalmente gratuitas.

Na última quinta-feira, 6, Giovana e dezenas de outros estudantes apresentaram números musicais durante o encerramento do projeto.

Giovanna (foto) participa do Acordes desde os oito anos. Hoje, aos 12, acredita que não consegue mais imaginar seu futuro sem a música. “Eu sempre quis aprender a tocar algum instrumento. Quando soube que teria aulas na minha escola, me inscrevi logo e decidi seguir a minha paixão. Preciso da música para me sentir realizada”, conta a adolescente que também integra a Orquestra Sinfônica Infantojuvenil do Programa Música na Escola e duas filarmônicas.

Participam do Projeto Acordes alunos das escolas municipais Ana Brandoa e Valdemira Alves Brito, ambas situadas no bairro Tomba. “A música colabora para a motivação dos estudantes em sala de aula, muitas vezes influencia o bom comportamento na escola e em casa também, melhora a autoestima e muitos alunos querem continuar mesmo depois de passarem para o Ensino Médio”, conta a diretora da Escola Ana Brandoa, Elizangela da Silva Ribeiro.

Projeto de Vida

O objetivo principal do Acordes é a musicalização dos alunos, visando os benefícios na aprendizagem, melhoria na concentração, disciplina e no contato social. “Temos estudantes que estão no projeto desde o início, alguns já tocam músicas em solo e deram continuidade ao estudo para além da escola. Acompanhamos muitos relatos de pais felizes com os resultados”, avalia Maria Rita Fonseca, representante da equipe do projeto.

“Vemos os benefícios na vida dos nossos filhos e até mesmo no nosso lar. O comportamento da minha filha melhorou muito em casa e nos estudos”, aponta Gilvan Dias da Silva (foto), pai de Moemi Sade Dias, de 9 anos.

O gerente das unidades Belgo Bekaert de Feira de Santana, Roberto Tavares (foto), comemorou o êxito do projeto. “A música nos transforma. Assistindo às apresentações, esqueci os problemas e estresses do dia. Tenho certeza que estes estudantes terão um futuro promissor se desejarem seguir este caminho”, acredita.

“A música tem um componente muito especial na formação de cada um, consegue transformar sim a vida de muitas pessoas e, na educação, temos visto resultados positivos com projetos como o Acordes”, comemora a professora Paula Soto (foto), chefe de gabinete da Secretaria Municipal Educação.

  •  

Plano gestor de 2019 das escolas municipais é entregue em encontro formativo

9/12/2018, 1:44h

Potencialidades e desafios de cada escola foram apontados a partir da troca de experiências entre gestoras das unidades de ensino da Rede Municipal de Educação, que traçaram em conjunto metas para o próximo ano letivo definidas no Plano Gestor. Todos os conhecimentos compartilhados foram divididos entre os Grupos de Trabalhos (GT’s), estabelecidos durante as formações para diretoras, promovidas mensalmente desde o início do ano letivo, e encerradas na manhã desta sexta-feira, 7. O encontro foi realizado no Museu Parque do Saber.

Atualmente, as escolas estão divididas em oito GT’s; cada um conta com uma ou duas gestoras mais experientes que mediam a atuação do grupo. O objetivo do encontro é proporcionar a troca de ideias entre estes e os profissionais mais recentes, visando facilitar a elaboração do Plano Gestor.

Neste último encontro, as mediadoras fizeram um balanço do aproveitamento de todo o ano. Os planos gestores foram entregues ao Grupo de Gestão e Mediação da Secretaria de Educação. Eles serão reavaliados e discutidos durante a Jornada Pedagógica de 2019, que acontece entre os dias 4 e 8 de fevereiro.

As discussões, tanto nas formações quanto nos encontros organizados pelas próprias diretoras, foram norteadas principalmente por três aspectos: administrativo, pedagógico e financeiro. Elaine Mercês, uma das mediadoras do seu GT e diretora da Escola Municipal Agrário de Oliveira Melo, do distrito de Ipuaçu, contou que uma das práticas pedagógicas de sua escola passadas às colegas durante os encontros foram as formações internas.

Buscar uma transformação a partir deles

Suzana Alves (foto), diretora da Escola Municipal Nossa Senhora das Candeias, do distrito de Humildes, relata que trabalhar com vistas para os resultados obtidos no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2017 foi um ponto destacado durante os encontros de seu Grupo, do qual foi mediadora. “Temos que revê-los e buscar uma transformação a partir deles; buscar melhorá-los”.

A maioria das mediadoras destacou dois fatores em comum nas discussões dos grupos: apesar das diferenças estruturais de cada escola, os desafios constatados são semelhantes e os encontros colaboram para encontrar soluções coletivas, como as experiências de uma unidade escolar servem para ajudar nas outras.

Temos que nos reinventar

Em sua fala a secretária de Educação, Jayana Ribeiro (foto), reforçou a importância dos resultados obtidos pelos Grupos de Trabalhos. “Para os nossos alunos, tudo é novidade. Temos que nos reinventar para continuar passando a nossa mensagem de uma educação de qualidade. Precisamos sempre buscar oferecer o melhor com aquilo que dispusemos. E é isso que é possível ser alcançado com as trocas de proporcionadas nos encontros dos GTs”.

  •  

Poetisa de 11 anos surpreende na abertura do Festival Estudantil Temático de Trânsito

7/12/2018, 16:6h

Jamily Matos Fagundes da Silva, aluna do 4º ano da Escola Municipal Antônio Alves Lopes, do bairro Viveiros, encontra inspiração em tudo. Em todas as memórias vivas ela traz as lembranças de quando começou a escrever poesia. Nesta quarta-feira, 5, durante a culminância do Festival Estudantil Temático de Trânsito – Fetran, ela foi a responsável pela abertura das apresentações; e o fez com poesia.

Além da estudante, alunos de todas as turmas do Ensino Fundamental I – do 1º ao 5º ano – de cinco escolas da Rede Municipal de Educação estão apresentando até esta sexta-feira, 7, uma série de atividades que reúnem de maneira geral o que aprenderam com o festival.

De todos os conhecimentos adquiridos desde agosto, quando começaram as atividades, Jamily se refere a um cuidado que se tornou especial: “quando eu tinha 7 anos, gostava muito de me sentar no banco da frente, no carro do meu pai, e achava que não havia idade correta para isso. Agora, sei que o certo é a partir dos 10 anos”, destaca. Aos 11 anos de idade, ela já pode tranquilamente ocupar o seu assento preferido.

Durante a apresentação, a aluna falou sobre segurança no trânsito. “Vimos que têm acontecido muitos acidentes e muitas pessoas se machucam. Então, eu quis chamar a atenção para isso: a importância de estarmos sempre atentos, obedecermos às leis de trânsito e também brincarmos com segurança”, ressaltou.

Primeiro livro deve ser lançado em breve

Como não poderia deixar de ser, Jamily sonha em seguir carreira na poesia e já está se organizando, junto com o pessoal da escola, para lançar um livro com seus escritos. Até aqui, ela não mostra ter nenhum tipo de barreira para as temáticas que aborda.

Alunos de cinco escolas participam do Fetran

Os alunos produziram vários ícones da sinalização do trânsito, como semáforos, placas e faixas de pedestre. Ao longo das aulas, a turma do 5º ano explorou mais enfaticamente a produção de textos sobre o tema; o 4º ano produziu cartazes; e as turmas de 3º, 2º e 1º ano estudaram o tema nos livros, contação de história e dramatizações.

“Transformar atitudes para salvar vidas” foi o tema do Fetran este ano. Em Feira de Santana, as cinco escolas participantes são: Maria Antônia da Costa (Santa Mônica), Otaviano Ferreira Campos (Novo Horizonte), Antônio Alves Lopes (Viveiros), Escola Pai e Mãe (Campo Limpo) e Dr. João Duarte Guimarães (distrito de Humildes).

Voltado para escolas próximas a rodovias ou em áreas de trânsito intenso

Segundo Michelle Alencar, agente do Grupo de Educação para o Trânsito (Getran) da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o projeto busca atingir escolas que estão próximas às rodovias ou nas áreas de trânsito conflituoso. Neste ano, aproximadamente 90.000 estudantes e professores foram contemplados.

Quatro eixos foram explorados pelos professores durante as aulas de forma transversal –sensibilização da comunidade escolar; leitura de imagens; urbanidade; estatísticas e meios de transporte. Na disciplina de matemática, por exemplo, o tema foi abordado na escola a partir do estudo das estatísticas de trânsito; na culminância da Semana do Trânsito, os alunos foram às ruas do bairro munidos de todas as produções para sensibilizar os moradores.

Para a vice-diretora da escola, Glécia Rômulo, a sensibilização foi dos mais importantes conceitos discutidos com os alunos. “Por que conhecemos a maioria das regras de trânsito, mas às vezes, por conta da correria do dia-a-dia, ou algo assim, as desrespeitamos. Então, é importante essa sensibilização para não nos esquecermos de que é fundamental haver esse respeito. Pela segurança de todos”, defende.

Na manhã desta sexta-feira, 7, ocorre o encerramento das atividades; será na Escola Pai e Mãe da Associação Comunitária e Cultural Tiradentes.

  •  

Divulgado edital de resultados da prova de títulos do concurso público para professor

6/12/2018, 18:17h

Divulgado nesta quinta-feira, 6, o edital de resultados da prova de títulos do concurso público para professor da Rede Municipal de Educação. Cada candidato poderá consultar seu resultado no endereço eletrônico www.aocp.com.br ou no Diário Oficial Eletrônico do município, edição de hoje, de número 879.

Ainda há prazo para interposição de recurso, que deve ser protocolado em formulário próprio, disponível no mesmo link citado anteriormente, excepcionalmente nesta sexta-feira, 7, e na próxima segunda-feira, 10.

  •  

Escola Municipal Chico Mendes festeja identidade negra com Paula Sanffer

6/12/2018, 10:43h

A Escola Municipal Chico Mendes, do bairro Campo Limpo, viveu ares de Micareta nesta terça-feira, 4. Um festejo, um culto à identidade negra, à “Africanidade em Nós”, como diz o tema da 7ª edição do Projeto Faces da África Brasil. Uma verdadeira festa marcada pela presença da cantora feirense, Paula Sanffer, da banda Timbalada.

Paula, que alcançou sucesso após sua passagem pelo programa de talentos da Rede Globo, The Voice Brasil, foi uma das personalidades feirenses estudadas pelos alunos do Ensino Fundamental II, ao longo do projeto, iniciado no mês de outubro. A trajetória da cantora é marcada também por seu posicionamento em defesa da identidade negra.

A gente sente na pele o racismo

Paula Sanfer (foto) trouxe para a culminância das atividades uma mensagem que sempre carrega consigo. “Ser negra é um orgulho, mas a gente sente na pele o racismo. É preciso incentivar os estudantes, lembrar que eles devem acreditar em suas potencialidades e perseverar nos seus sonhos”, orientou.

Apesar do sucesso na banda soteropolitana de raízes africanas, Paula vem de origens evangélicas, o que não lhe causa nenhum tipo de conflito pessoal. “Existe apenas um elo que leva o indivíduo até o seu Deus, que é a fé. É preciso respeitar todas as religiões”, defendeu.

O projeto Faces da África Brasil, que acontece há sete anos, surge da necessidade de valorização da raça negra, da percepção e reconhecimento dos traços afrodescendentes na comunidade que se reconhece como tal e pertencente ao bairro Campo Limpo.

Explorar elementos de valorização da própria identidade

“É um projeto que se fundamenta nesses pontos de conflito. Alguns estudantes têm vergonha até de dizer que moram no Campo Limpo, então buscamos explorar elementos de valorização da própria identidade em vários eixos, desde a autoestima enquanto afrodescendentes ao pertencimento local”, explica Maria das Neves (foto), professora de História e coordenadora do projeto.

Desde outubro, os alunos estudam personalidades feirenses. No 6º ano, Julieta Carteado foi a escolhida – inclusive pela participação da escola no projeto “Feira Que Te Quero Ver” 2018, quando os estudantes exploraram o mesmo tema; no 7º ano, a escolhida foi a cantora Paula Sanffer; Gilsam Reggaeman, no 8º; e Tonho Dionoria, no 9º ano. Além da mini-apresentação de Paula, os alunos também fizeram seus números durante a culminância do projeto.

Mudança de comportamento

Laisa Karoline de Melo (foto), 15 anos, aluna do 9º ano, destaca que percebeu uma transformação no comportamento de muitos colegas durante o projeto. “Há mais respeito. Até os que não enfatizam tanto assim seus traços afrodescendentes entendem aqueles que os demonstram com mais vontade”, relata.

Para Aionara Ribeiro (foto), de 11 anos e aluna do 6º, além de incentivar o empoderamento dos alunos negros, o projeto ultrapassa as fronteiras da desigualdade. “Graças a este enfoque entendemos que, apesar de termos nossas diferenças físicas, somos todos iguais por dentro”, diz. Autoaceitação e respeito ao próximo são os aprendizados que ela destaca.

  •  

Cardápio da merenda escolar deve priorizar agricultura familiar feirense nos próximos anos

5/12/2018, 17:16h

Revisar o cardápio das escolas da Rede Municipal de Educação e inserir mais itens da agricultura familiar. É este um dos objetivos do setor de Alimentação Escolar da Secretaria Municipal de Educação que está implementando algumas das mudanças propostas pelo programa Cidade Empreendedora, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Para discutir as alterações e fortalecer a parceria com os agricultores familiares de Feira de Santana, gestoras escolares, merendeiras, membros do Conselho de Alimentação Educacional, agricultores e nutricionistas da equipe técnica da Seduc se reuniram na tarde desta segunda-feira, 3.

Durante o encontro, foram identificados no menu atual itens que não são do cultivo local e que podem ser substituídos por alguns daqueles produzidos pela agricultura familiar. 

Alguns itens foram sugeridos para compor a lista de alimentos distribuídos às escolas. A lista foi montada com base em dois aspectos prioritários: manter a qualidade nutricional do cardápio e estimular nos alunos uma alimentação saudável. O terceiro aspecto será outro de fundamental importância - contribuir  para o desenvolvimento econômico desses produtores.

O programa Cidade Empreendedora, fruto do convênio entre o Sebrae e o governo municipal, foi firmado em julho. A iniciativa integra uma gama de mudanças de administrativas que a Prefeitura de Feira de Santana está implementando em sua gestão.

O programa já atinge 40 cidades baianas; é realizado em vários eixos - educação, agricultura, assistência social, etc. - visando promover o desenvolvimento da cidade e o estímulo ao empreendedorismo.

A ideia, além de priorizar os alimentos produzidos pela agricultura familiar, é equilibrar as despesas do município, aumentando o custo-benefício dos itens da merenda adquiridos pela Prefeitura. A substituição de alguns itens já deve começar em 2019, mas o processo será implementado gradativamente.

A batata inglesa, por exemplo, não é um item produzido por agricultores de Feira. Fabrine Schwanz, consultora de Compras da Agricultura Familiar, do Sebrae, faz um alerta ainda que seja de maneira hipotética. “Se há no cardápio das escolas, por exemplo, um purê de batatas, por que não substituí-lo por um purê de aipim?”.

  •  

Estudantes da Escola Monteiro Lobato superam ‘medo da arte’ e expõem suas obras

5/12/2018, 16:12h

Do medo que paralisava à produção de belas pinturas. Estes dois principais momentos marcaram o projeto de artes do Centro de Educação Monteiro Lobato, do bairro Capuchinhos. O projeto, que ganhou o título “Redescobrindo a arte”, culminou na última sexta-feira, 30, na 1ª Mostra de Artes da escola.

Ana Clara de Jesus, do 5º ano, foi uma das alunas que viveu os momentos descritos no parágrafo acima. “Fiquei com medo, não queria participar por que achava que não iria conseguir”, contou. Assim como aconteceu com os demais estudantes envolvidos, o medo foi superado.

Ana Clara agora sonha em ser artista

No caso de Ana Clara (foto), a empolgação foi ainda maior: ela agora sonha em ser artista. Aproveitou a visita de um artista convidado pela escola para conhecer mais o campo das artes e descobriu sua vocação.

A turma da aluna ficou responsável por estudar e abordar a história do grafite. Inspirada nas obras do feirense Geziel Rafael da Silva Ramos, o KBÇA, ela pintou uma moça segurando um guarda-chuva debaixo de uma chuva de tinta.

Desde julho, os estudantes do Ensino Fundamental I vêm estudando a obra e o estilo de artistas feirenses e brasileiros, e também praticando, desde os rabiscos iniciais às telas expostas na Mostra de Artes.

Além de KBÇA, as obras de Cândido Portinari foram estudadas pelos alunos do 4º ano; Juraci Dórea, pelo 3º ano; Tarsila do Amaral, pelo 2º ano; e Romero Britto, pelo 1º ano.

A coordenadora pedagógica da escola, Milena Almeida, conta que o projeto foi iniciado em 2017, mas não foi possível realizar a mostra naquele ano. O objetivo, segundo a professora, é desconstruir o medo dos alunos de enveredarem pelo mundo artístico.

Releitura de grandes obras

As produções também permitem criar releituras de obras de grandes artistas conceituados. Na opinião de Danusa Paiva (foto), professora de Artes, este é um dos grandes pontos positivos do projeto. “Essa oportunidade de criar algo que tenha a cara deles é muito importante. Todo grande artista saiu de uma escola e também partiu de um momento em que não detinha as habilidades que, posteriormente, lhe consagraram”, destaca.

A professora também ressaltou as reações de surpresa e felicidade dos alunos ao perceberem que alguns dos artistas estudados estão em plena atividade, como KBÇA. “Já reconhecem os grafites dele espalhados por Feira!”, completou.

  •