SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

Fumantes, diabéticos e hipertensos têm mais chances de desenvolver síndrome coronariana

23/11/2018, 8:47h

Com o tema síndrome coronariana, o SAMU (Serviço De Atendimento Móvel e Urgência) encerrou o ciclo das Sessões Cientificas de 2018, nesta quarta-feira, 21. O evento realizado no auditório da Secretaria Municipal de Saúde teve como palestrante o cardiologista Edval Gomes.

A síndrome coronariana ocorre quando há um bloqueio ou fechamento total da artéria que irriga o músculo do coração. Esse acontecimento pode desenvolver outras manifestações clínicas, como angina instável e o infarto.

De acordo com Edval Gomes, o indivíduo diabético, hipertenso e que fuma, tem mais chances de desenvolver esse evento. “Precisamos ficar atentos a esses fatores de risco, pois a melhor maneira de evitar a síndrome coronariana do zero é tratando-os corretamente”, afirma.

Profissionais devem ficar atentos a pacientes que relatem mal-estar no peito

O cardiologista Edval Gomes (foto) também orientou os profissionais a ficarem atentos ao atender pacientes que relatem qualquer mal-estar no peito. “Se tem desconforto torácico, o primeiro passo é fazer o eletrocardiograma”, ressalta.

A síndrome coronariana foi a escolha do último tema a ser trabalhado em 2018, um dos motivos é o grande número de pessoas que morrem por infarto agudo do miocárdio antes do atendimento médico. “Os indicadores apontam um número de 60%”, informa a coordenadora do SAMU, Maiza Macedo.

Conhecimento teórico agregado à prática

De acordo com Maiza (foto), a Sessão Cientifica é hoje dos quatro grandes projetos feitos pelo órgão continuadamente. “Aliamos esse conhecimento teórico com a nossa realidade e com a rede de atenção as urgências. Abarcamos não apenas os profissionais do SAMU, mas toda a rede, agregando também estudantes de medicina e enfermagem”.

Durante todo o ano, o SAMU esteve discutindo variados temas de saúde e atualização de protocolos, a perspectiva é retornar com essas atividades em fevereiro de 2019. “Tivemos o prazer de trazer aqui grandes profissionais, referenciais e pesquisadores de Feira de Santana e Salvador. Essas atividades com certeza vão contribuir com a nossa formação e a assistência que será prestada”, ressalta Tarciso Maia (foto), médico do Núcleo de Educação Permanente do SAMU (NEP).

  •  

População pode solicitar controle de focos do Aedes aegypti através do Disk Dengue

22/11/2018, 14:22h

De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, a população de Feira de Santana tem a disposição o serviço de solicitação gratuito para o controle de focos do mosquito Aedes aegypti ‘Disk Dengue’. Através do número 0800 284 6656, a Vigilância Epidemiológica (Viep) faz o controle das demandas da população e encaminha os agentes de endemias.

Este ano, 147 denúncias foram recebidas através do serviço. De acordo com a supervisora técnica da Viep, Neuza Santos, o número de solicitações poderia ser maior. “O Disk Dengue é uma ferramenta vantajosa e recebe inclusive denúncia anônima. A população deve usar essa ferramenta, pois assim estará ajudando as autoridades sanitárias do município a combater as doenças acometidas por esses vetores”, ressalta.

Além de ser uma ferramenta que promove o contato direto entre a Vigilância e comunidade, o serviço facilita a ação imediata da equipe e promove a identificação de locais ou terrenos que podem ter passado despercebidos pelos agentes. “Às vezes a equipe já passou na localidade e não tinha nada, então depois de um tempo, ao completar o ciclo, houve a denúncia do morador. Isso facilita e promove uma ação mais rápida”, ressalta.

Para realizar a denúncia ou solicitação do serviço é necessário ficar atento a alguns pontos importantes, como o endereço correto e ponto de referência. A população também pode entrar em contato com o 156, que funciona das 7h às 1h da madrugada, e também serve para denunciar focos do mosquito entre outros fatores.

  •  

Secretaria de Saúde convoca população para eleição de conselhos locais

21/11/2018, 15:15h

A população do bairro Alto do Papagaio e do distrito Governador João Durval Carneiro, antigo Ipuaçu, terão a oportunidade de escolher os representantes do conselho local de saúde. A Secretaria de Saúde publicou edital de convocação das eleições na edição do Diário Oficial (www.diariooficial.feiradesantana.ba.gov.br) desta quarta-feira, 21.

No Alto do Papagaio a eleição será no dia 19 de dezembro, das 8h30 até às 15h30, na unidade de saúde da localidade. Já no distrito de Ipuaçu, a eleição será no dia 26 de dezembro, também das 8h30 até às 15h30, na unidade de saúde local.

A eleição dos conselheiros será para exercício de mandato do biênio 2018/2020. O edital completo será fixado nas respectivas unidades de saúde.

  •  

Programa Mais Médicos oferece 9 vagas para Feira de Santana

20/11/2018, 16:53h

Para garantir a assistência dos atendimentos feitos pelas equipes de Saúde da Família, o Ministério da Saúde publicou nesta terça-feira, 20, o novo edital do Programa Mais Médicos. Em Feira de Santana, nove vagas estão sendo ofertadas para repor o quadro ocupado pelos médicos cubanos.

As inscrições podem ser feitas a partir desta quarta-feira, 21, através do site maismedicos.gov.br, e encerram no próximo domingo, 25. De acordo com critérios estabelecidos pelo Ministério, os profissionais devem ser brasileiros com CRM Brasil ou diploma revalidado.

O Programa Mais Médicos conta com 24 profissionais atuantes em Feira de Santana, desses 14 são brasileiros, oito cubanos, um cubano com diploma revalidado e um mexicano. “Como um médico cubano já tinha retornado a seu país de origem antes do anúncio do governo, deixando uma vaga em aberto para contratação, soma-se assim nove vagas para o edital”, informa a Secretária de Saúde, Denise Lima Mascarenhas.

Todas as decisões tomadas acerca da contratação dos novos médicos estão sendo acompanhadas pelo Governo Municipal. “Nós temos hoje 115 equipes de Saúde da Família, nessas apenas oito médicos cubanos. Não é um número que trará impacto na assistência, visto que durante o processo de contratação, estaremos suprindo as vagas com profissionais do município”, ressalta a Secretária de Saúde.

  •  

Sessão Científica do SAMU aborda síndromes coronarianas nesta quarta-feira

20/11/2018, 9:27h

Com o objetivo de diminuir os índices de síndrome coronariana aguda, a Sessão Científica do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) aborda o tema “Síndromes coronarianas” nesta quarta-feira, 21. O evento acontece às 19h, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, e visa normatizar as condutas dos profissionais da rede de urgência e emergência no socorro dessas vítimas.

“Esse tema envolve dor no peito e o infarto agudo no miocárdio. Os indicadores apontam que muitas pessoas, em torno de 60%, morrem por infarto agudo do miocárdio antes de chegar a unidade hospitalar. Então trabalhar esse tema no pré-hospitalar móvel significa que a gente pode dar um suporte maior a esses profissionais da rede de urgência, emergência e até da Atenção Básica” explica a coordenadora do SAMU, Maiza Macedo.

O evento contará com palestra do cardiologista, Edval Gomes, e é aberto para estudantes da área de saúde e profissionais da rede de urgência e emergência.

“A Sessão Científica vai contribuir para qualificação desses profissionais, diminuindo a taxa de mortalidade relacionada ao infarto agudo do miocárdio, colaborando para o diagnóstico precoce e conduta”, ressalta Maiza Macedo.

  •  

SAMU reduz em 10 minutos o tempo de chegada ao local de ocorrência depois da base descentralizada

20/11/2018, 8:41h

Inaugurada há dois meses, a base descentralizada do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) realizou 136 atendimentos até a última quarta-feira, 14. O principal aspecto positivo desde a implantação do equipamento, instalado no Paço Maria Quitéria, é a redução de 10 minutos do tempo de chegada da equipe ao local da ocorrência.

“As ocorrências que estão acontecendo na área de abrangência, que antes a ambulância gastava em torno de 10 a 15 minutos para chegar ao local, hoje o tempo médio está em torno de 5 minutos. Uma mudança significativa que traz resultados positivos para a população”, ressalta a coordenadora do SAMU, Maiza Macedo.

Para Maiza, essa otimização no atendimento das ocorrências fortaleceu o primeiro indicador avaliado, que é o tempo resposta. “Isso contribui para a melhoria e qualificação do atendimento com a redução do tempo de espera do usuário”, ressalta.

Atuação em área geográfica em torno do centro da cidade

Com muitas ocorrências clínicas, envolvendo hipoglicemia, dor torácica e desmaios, seguido das ocorrências traumáticas, que envolve acidente de trânsito, ferimento por arma de fogo, arma branca e espancamento, a base descentralizada foi criada usando uma área geográfica em torno do centro da cidade para sua operacionalização.

“Essa unidade móvel atende a bairros como Rua Nova, Vila Olímpia, Feira IX, Jardim Acácia e o comércio, que fazem ligação direta ou indireta com o Centro. Sendo que a solicitação de atendimentos tem sido liderada pelo bairro Rua Nova”, ressalta.

A base Centro do SAMU presta atendimento diário das 7h30 às 18h30, através da solicitação feita pelo número de telefone 192. O serviço é garantido em toda a cidade, 24 horas, todos os dias, através da base sede, situada no bairro Ponto Central.

  •  

Ação de prevenção a diabetes atraiu mais de 500 pessoas nesta quarta

15/11/2018, 12:2h

Em prol do Dia Mundial de Diabetes, a Secretaria Municipal de Saúde promoveu nesta quarta-feira, 14, a sexta edição do evento Feira de Olho no Diabetes. Com um público estimado em 500 pessoas, os mais variados serviços de saúde e atendimento com profissionais médico, endocrinologista, oftalmologista, odontólogo, nutricionista, psicólogo, assistente social, fisioterapeuta, entre outros, foram ofertados no Ginásio Municipal Joselito Amorim

De acordo com a coordenadora do Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (CADH), Andreia Silva (foto), o evento teve o objetivo de despertar a população sobre a importância de estar se cuidando para prevenir a doença e mostrar aos pacientes que é possível ter uma vida com qualidade, basta ter comprometimento com o tratamento e um bom controle da glicemia.

“A Federação Nacional de Diabetes informa que uma a cada duas pessoas tem diabetes e não sabe. Sendo que 90% das pessoas diabéticas possuem a doença do tipo 2, que é evitável com atividade física regular e alimentação saudável. É um número muito grande e estamos aqui para conscientizar sobre isso”, ressalta.

Maria aproveitou a oportunidade para atendimento médico

Maria Pereira (foto), 68 anos, tem diabetes há quatro anos. Ela ouviu falar sobre o evento no rádio e foi uma das primeiras a ser atendida. “Vim aferir a glicemia e já vou aproveitar para atendimento médico, pois eu fiz um exame de abdome total e acusou que meus rins estão desidratados, então eu quero entender melhor”, relata.

Quem também esteve presente foi Marina Coelho (foto), 69 anos, mais de seis anos com diabetes. Ela estava precisando de uma consulta com endocrinologista, soube do profissional no local ao aferir a glicemia. “A glicemia está um pouco alta, vou levar para ele avaliar. Meu médico já tinha solicitado que eu passasse por um endocrinologista, então vou aproveitar a oportunidade e fazer logo a consulta”, afirma.

O diabetes é uma doença multifatorial, uma síndrome metabólica onde o paciente tem um aumento elevado da glicose no sangue. “Geralmente o paciente tem grande perda de peso em pouco espaço de tempo, urina excessiva, sede excessiva, há situações que o paciente descobre porque tem uma lesão de difícil cicatrização ou vai percebendo dificuldade da visão”, informa Andreia Silva.

Em Feira de Santana o atendimento a esse público é assegurado pela Atenção Básica através das Unidades Básicas de Saúde e também pelo CADH, Centro especial voltado ao público, que atende pacientes com complicações em diabetes e hipertensão.

  •  

Quase metade dos pacientes diabéticos desenvolvem doença renal, alerta especialista

15/11/2018, 11:5h

Considerado um problema de saúde pública no Brasil e no mundo, o diabetes é caracterizado pelo descontrole do nível de açúcar no sangue. Em função da doença, complicações podem acometer outros órgãos, como os rins. Para alertar profissionais e estudantes de saúde, o Centro de Atenção ao Hipertenso e Diabético (CADH) promoveu nesta terça-feira, 13, um Seminário com as abordagens “Diabetes e os meus rins” e “A família e o diabetes”.

O evento, que aconteceu no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, contou com a médica Isabel Sento Sé (foto) alertando sobre os fatores de risco e tratamento da nefropatia diabética.  Segundo a médica, 20 a 40% dos pacientes diabéticos tipo 1 e tipo 2 possuem a doença renal. Os primeiros sinais podem levar 10 a 15 anos para aparecer após o diabetes.

“O mal controle glicêmico, a dislipidemia, hipertensão, obesidade, tabagismo e a susceptibilidade genética são alguns dos fatores que acomete o problema renal”, ressalta.

Isabel afirma que o tratamento da doença é cuidar de todos esses fatores de risco que a desencadeia, e alerta os profissionais para ter um olhar individualizado. “É preciso levar em conta se o paciente é idoso, cardiopata, se está em diálise. Então não tem uma receita para todos”, ressalta.

Participação da família é fator importante

Para a psicóloga e também palestrante do evento, Priscila Morais, durante o tratamento do paciente diabético a participação da família é um fator importante. “O fato da doença ser crônica causa um bloqueio no paciente, ele acaba se rotulando como doente, ele não consegue se enxergar de uma forma diferente e isso dificulta o tratamento, desencadeando muitas vezes no isolamento social”, relata.

Andreia Santos (foto), coordenadora do Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (CADH), aproveitou o momento para incentivar os profissionais a a conscientizar os familiares sobre a inserção durante esse processo. “Hoje 425 milhões de pessoas convivem com a diabetes, que é evitável. Então se no conceito do paciente, a gente consegue inserir a família, fazendo que esta também venha aderir uma alimentação ideal, não como alguém que está doente, mas como alguém que deve se alimentar melhor, a gente vai conseguir uma adesão mais satisfatória ao tratamento e a prevenção dos outros familiares”, afirma.

  •  

Secretaria de Saúde leva a campanha Novembro Azul a funcionários da Sustentare

14/11/2018, 15:16h

Dando prosseguimento a campanha Novembro Azul, que tem por objetivo combater o câncer de próstata, uma série de ações preventivas foram desenvolvidas pela Secretaria de Saúde, junto a funcionários do Centro Operacional da Sustentare, empresa responsável pela coleta de lixo da cidade.

Em parceria com alunos do curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Feira de Santana, a Secretaria de Saúde disponibilizou testes rápidos como PSA, HIV, sífilis, hepatite B e C, exames de sangue e laboratoriais.

Levar o serviço para quem não tem tempo

De acordo com a coordenadora de Atenção Básica da Secretaria, Valdenice Queiroz (foto), "esta programação tem o intuito de prover para estes trabalhadores que não dispõem de tempo, no seu dia a dia, ações que permitam cuidar da saúde ".

Iniciativa importante, afirma coordenador

Para o coordenador de Coleta da Sustentare, Raimundo Costa Santos (foto), "esta iniciativa é importante para conscientizar a todos nós a necessidade de combater o câncer de próstata".

A programação, ocorrida na tarde desta quarta-feira, 14, no Aterro Sanitário da Sustentare, no bairro Nova Esperança, contou com a presença do prefeito Colbert Martins Filho, e foi encerrada com uma palestra proferida pelo urologista Bessa Júnior.

  •  

Feira tem 60 mil diabéticos e estima-se que outros 30 mil não sabem que possuem a doença

14/11/2018, 15:7h

Tendo como base as projeções mundiais feitas por especialistas, em Feira de Santana aproximadamente 60 mil pessoas, que correspondem a pouco menos de 10% da população local, são diabéticas. Estima-se que outras 30 mil teem as taxas de sangue alteradas, mas ainda não sabem.

O tipo mais comum, diz a enfermeira Andrea Silva, que coordena o CADH (Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso) é o II. “É uma doença que se pode prevenir com alimentação saudável e exercícios físicos”.  

Outro problema, diz, é que como a doença é assintomática, a grande maioria das pessoas apenas buscam orientação médica quando os sintomas aparecem: problemas na visão, feridas que custam a sarar, entre outros.

10% dos diagnósticos são para o tipo I da doença, que acomete crianças ou jovens

Cerca de 90% dos diagnósticos desta doença são para este tipo, que atinge pessoas na fase adulta das suas vidas, e os outros 10% são relacionadas à genética, o tipo I, que as pessoas a adquirem quando crianças ou jovens. Em ambas, o pacientes usa medicamentos. A I requer a aplicação de insulina.

O atendimento é integral e gratuito. As unidades básicas são a porta de entrada para o tratamento do diabetes. Em Feira de Santana é uma das poucas cidades do interior a ter centro de tratamento próprio. “O atendimento é referenciado pelas unidades de saúde para pacientes que apresentam complicações e restrito aos moradores de Feira”, afirma a coordenadora.

O CADH oferece equipe multiprofissional, formada por endocrinologista, cardiologista, nefrologista, angiologista, fisioterapeuta, enfermagem, psicologia, nutricionista, entre outras especialidades. O problema, diz a coordenadora, está na continuidade do tratamento.

Segundo o Ministério da Saúde, entre 2006 e 2016, no Brasil houve um aumento de 60% no número de diagnóstico para a diabetes, que saltou de 5,5% para 8,9% da população. Outro problema é o desconhecimento da doença. Estima-se que para cada duas descobertas, um caso não está notificado.

  •