SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

Ônibus do Hemoba coleta sangue de doadores até sexta, no centro de Feira

6/12/2017, 9:25h

O número de pessoas que se inscreveram para doar sangue na unidade móvel de coleta do Hemoba passou de 60, nesta terça-feira, 5. A coleta foi iniciada na segunda-feira e o acumulado nestes dois dias supera a 65 bolsas.

A iniciativa é resultado de parceria firmada entre a Prefeitura de Feira de Santana, por meio da Secretaria de Saúde, e o Hemoba. A campanha acontece pela terceira vez.

O ônibus do Hemoba está parado no estacionamento da Prefeitura, onde vai ficar até a próxima sexta-feira, 8. As doações serão decisivas para formar o estoque de final de ano, quando a demanda aumenta significativamente.

Pessoas saudáveis podem doar. A idade é a partir dos 16 anos – neste caso o doador deve estar acompanhado por um responsável. Devem estar alimentadas, o peso a partir de 50 quilo e se ingerir bebida alcoólica a doação deverá ser feita 12 horas depois do último gole.

Objetivo é abastecer estoque do Clériston Andrade


A campanha objetiva o reforço no estoque estratégico do Banco de Sangue do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), a instituição, diz a assistente social do Hemoba, Márcia Almeida. Segundo ela, a demanda naquela unidade de atendimento de pacientes de alta complexidade é variável. O Banco de Sangue do HGCA atende aos seus pacientes mais a demanda do Hospital Estadual da Criança. “Uma bolsa de sangue é fracionada em até quatro tipos de hemocomponentes”, observa. 

PERSONAGEM 1


Priscila Natália Pereira Ferreira, estudante, que doou sangue pela segunda vez

“As pessoas devem se conscientizar sobre a sua importância. Ajudar está na essência de querer ajudar quem precisa, salvar vidas”.

PERSONAGEM 2

Antônio Mariá (à esquerda), educador físico

“Estou na campanha para ajudar o banco de sangue a recompor o estoque e a parte usada por um amigo, recentemente. Ninguém sabe o amanhã. Ajudar é sempre bom”.

  •  

Previsão da campanha de doação de sangue é coletar 600 bolsas

5/12/2017, 15:47h

A campanha de doação de sangue “O melhor presente é aquele que vem do coração”, iniciada nesta segunda-feira, 4, pretende arrecadar até sexta-feira, 8, pelo menos, 600 bolsas de sangue – o dobro da quantidade coletada na última ação.

A iniciativa é da Secretaria Municipal de Saúde, através da Seção de Capacitação Permanente, em parceria com o Hemoba. A ação está acontecendo no estacionamento da Prefeitura, na avenida Getúlio Vargas.

A coordenadora da Seção de Capacitação Permanente, Ariella Covas, justifica que a campanha visa garantir o estoque do Hemoba durante o período de final de ano, quando as doações caem.

“Convidamos a população a participar dessa iniciativa para que possamos ajudar o maior número de pessoas que necessitaram de sangue. Doar sangue representa um gesto de solidariedade e amor,” considera.

A assistente social do Hemoba, Márcia Almeida, afirmou que “o estoque está critico, sobretudo, dos tipos sanguíneos negativos, que são os mais raros”. De acordo com ela, doar sangue é um procedimento seguro e simples. São utilizados materiais descartáveis, portanto, não há risco de contaminação.

O ônibus do Hemoba está localizado no estacionamento da Prefeitura Municipal até sexta, das 8h às 17h. Os candidatos a doar sangue precisam ter entre 16 a 69 anos – menor de idade deve estar acompanhado de um responsável legal - estar em boas condições de saúde e ter se alimentado, evitando comidas gordurosas. Os doadores também devem comparecer com documento de identificação com foto. 

  •  

Prefeitura de Feira vai inaugurar mais duas unidades de saúde

5/12/2017, 9:40h

O acesso à saúde da população de Feira de Santana ganhará reforço com a inauguração da Unidade de Saúde da Família Dr. Hilarião Gomes da Silva Filho, no próximo dia 7, às 19h30, no bairro Queimadinha. A USF foi construída na rua Rio Grande, S/N, próximo à Fonte do Lili, com recursos do Tesouro Municipal.

Além desta USF, a Prefeitura de Feira de Santana, através da Secretaria Municipal de Saúde, vai inaugurar uma USF no George Américo, transferindo duas equipes de Saúde da Família (II e a IV), que funcionavam em casas alugadas, para um imóvel próprio.

De acordo com a Leilane Lacerda, coordenadora adjunta da Atenção Básica, outras unidades que estão sendo construídas nos bairros Parque Ipê e Santo Antônio dos Prazeres já estão em fase de conclusão.


“O município já conta com 107 equipes de saúde da família. Além destas que ainda serão entregues, o Governo Municipal já inaugurou mais vinte USF, que foram construídas nos últimos quatro anos”, afirma. Também foram ampliadas oito USF; quatorze passaram por reforma e três foram reformadas e ampliadas.

  •  

Começa segunda-feira campanha de doação de sangue, no estacionamento da Prefeitura

1/12/2017, 18:17h

Com o objetivo de mobilizar toda a comunidade feirense, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), através da Seção de Capacitação Permanente (SCP), está promovendo a III Campanha de Doação de Sangue, em parceria com o Hemoba. A ação acontece entre os dias 4 e 8 de dezembro no Estacionamento da Prefeitura, das 8h às 17h.

“Essa campanha é uma das mais importantes, pois é a ultima campanha do ano e servirá para abastecer o estoque do Hemoba. Com as festas de final de ano, a demanda aumenta e por isso a SMS decidiu realizar a ação nessa época”, ressalta a coordenadora da SCP, Ariella Covas.

Para ser um doador de sangue é necessário pesar acima de 50 kg e ter idade entre 16 e 69 anos. Já no caso de doação de medula óssea, é preciso ter entre 18 e 55 anos, além de um bom estado de saúde. Os doadores devem evitar alimentação gordurosa e não podem está em jejum.

Quem pretender doar, deve comparecer ao local da ação com um documento oficial de identificação com foto (RG, carteira de trabalho ou carteira de motorista).

Na última campanha foram arrecadadas cerca de 300 bolsas de sangue. Esse ano a expectativa é dobrar o número. “Pretendemos alcançar uma meta diária de 120 bolsas”, ressalta Ariella Covas.

  •  

Jovens de 20 a 39 anos são maioria entre infectados pelo HIV em Feira, em 2017

1/12/2017, 18:3h

A faixa etária de maior risco é de 20 a 39 anos. Há mais homens infectados que mulheres. Esses dados se referem a contaminação pelo HIV (Aids), em Feira de Santana, período de janeiro a outubro deste ano. Foram apresentados pela coordenadora do Centro de Referência Municipal DST/HIV/Aids, Vanessa Sampaio, em uma sessão especial realizada na Câmara de Vereadores, na quinta-feira, 30.

Em 2017, aumentam os casos de contaminação pelo vírus.  De janeiro a outubro foram registrados 300 casos novos no Município, enquanto que em 2016 foram diagnosticados 205 casos novos nesse mesmo período. Na opinião da coordenadora, esse aumento se deve, em parte, ao fato de que as pessoas têm procurado mais os serviços de saúde para realizar os testes para diagnóstico da doença.

Ainda de acordo com dados apresentados por Vanessa Sampaio, desde o início da epidemia, 78 milhões de pessoas se contaminaram com o HIV no mundo.  Conforme estimativa do Ministério da Saúde 842,710 mil pessoas vivem com HIV/aids. A média é de 40 mil casos novos por ano.

Mais de 2.200 pessoas são assistidas pelo Município

Atualmente 2.230 pessoas, que convivem com o vírus HIV em Feira de Santana, estão sendo acompanhadas pelo Centro de Referência Municipal DST/HIV/Aids, informa a coordenadora do órgão, Vanessa Sampaio (foto). Elas são assistidas por uma equipe multidisciplinar composta por infectologista, pediatra, obstetra, fisioterapeuta, psicólogo, assistente social, odontólogo, nutricionista, enfermeiro, farmacêutico e bioquímico. Além do diagnóstico e acompanhamento, é feita a distribuição de preservativos e medicamentos.

Projeto institui Dezembro Vermelho no âmbito municipal

A sessão especial foi realizada para tratar sobre o Projeto de Lei nº 51/2017, de autoria do vereador Luiz da Feira (foto), que institui o Dezembro Vermelho no âmbito municipal. Além da coordenadora do Centro de Referência Municipal DST/HIV/aids, integraram a mesa de honra a vereadora Gerusa Sampaio, que presidiu a sessão, e a secretária municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, que representou o prefeito José Ronaldo.

O vereador convidou a comunidade a participar das ações que serão desenvolvidas durante o Dezembro Vermelho e reforçou a importância das pessoas adotarem as medidas de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis. “O número de pessoas contaminadas pelo HIV tem crescido de forma preocupante em nosso município. Portanto, no próximo mês, teremos o Dezembro Vermelho, uma iniciativa criada através de projeto de minha autoria, para mobilizarmos toda a população a se prevenir”.

Associação de Familiares vê preconceito como grande barreira

A presidente da Associação de Familiares, Amigos e Pessoas Vivendo com HIV e AIDS - Juntos pela Vida, Josefa Faria dos Anjos, falou sobre as dificuldades enfrentadas pelos portadores de infecções sexualmente transmissíveis e destacou a importância do uso do preservativo como principal ferramenta de prevenção e combate à contaminação. “A aids não tem cara, não escolhe pessoas. Alguém precisa dizer basta ao preconceito. Precisamos gritar contra esse preconceito e abraçar esta causa”, protestou.

A Secretária de Saúde do Município, Denise Mascarenhas, reforçou: “Precisamos acabar com isto”, disse ela, sobre o “preconceito que ainda existe na sociedade”, com os portadores do HIV/AIDS. 

Locais e datas para fazer teste rápido do HIV, em dezembro

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) intensifica, este mês de dezembro, as ações de enfrentamento do HIV em Feira de Santana. Haverá uma ampla mobilização na sede e zona rural para realização de testes rápidos para detecção do HIV, bem como  palestras de conscientização quanto a importância do uso do preservativo para a prevenção da aids e outras doenças sexualmente transmissíveis. Esta ação, que  acontece nas policlínicas da Prefeitura, começou nesta sexta, 1, vai marcar o Dezembro Vermelho no município. A iniciativa é do Centro de Referência Municipal DST/HIV/aids.

PROGRAMAÇÃO DEZEMBRO VERMELHO/RONDA DE TESTAGEM
04/12 – POLICLÍNICA DO TOMBA.
07/12 – POLICLÍNICA DA RUA NOVA.
08/12 – POLICLÍNICA PARQUE IPÊ.
14/12 – POLICLÍNICA FEIRA X.
15/12 – POLICLÍNICA DE HUMILDES.
18/12 – POLICLÍNICA DE GEORGE AMÉRICO.
21/12 – POLICLÍNICA SÃO JOSÉ.

  •  

Profissionais de saúde se atualizam sobre aplicação e armazenamento de insulina

22/11/2017, 9:23h

Profissionais que atuam nas unidades de saúde do município de Feira de Santana passaram por uma Atualização em Diabetes na manhã desta terça-feira, 21, no auditório João Batista de Cerqueira, na Secretaria de Municipal de Saúde. O evento realizado pelo Centro de Atendimento ao Hipertenso e Diabético (CADH), trouxe um alerta sobre a aplicação e armazenamento de insulina e a dispensação de medicamentos.

“Não se deve colocar a insulina no gelo e nem no isopor. Se gela e descongela a insulina perde o seu efeito. O ideal é armazená-la na geladeira na terceira gaveta, longe do congelamento”, alerta a coordenadora do CADH, Andreia Santos.

Segundo Andreia, é importante os enfermeiros orientarem os pacientes sobre a conservação adequada da insulina. “Para os pacientes que não possuem geladeira, a insulina após aberta pode ser usada até 30 dias, se mantida em local fresco, o ideal é a temperatura ambiente de 25º", alerta.

O diabetes é ocasionado pela elevação do nível de açúcar do sangue. O tipo 1 da doença é autoimune e geralmente ocorre em crianças e adolescentes. Segundo um dos palestrantes, o farmacêutico Marcelo Soares, o tipo 1 da doença é diagnosticado em até 10% dos casos. Diferente do tipo 2, doença crônica mais frequente em adultos, diagnosticado em cerca de 90% dos pacientes.

“O tipo 2 é ocasionado quando o organismo não consegue usar adequadamente a insulina que produz”, afirma Marcelo Soares. Ainda segundo o farmacêutico, o tipo 2 da doença pode ser controlado com dieta e prática de atividade físicas.

A atualização em diabetes prossegue nesta quarta-feira, 22, a partir das 8h, na SMS. A ação faz parte das atividades da Secretaria Municipal de Saúde em alusão ao Dia Nacional de Combate a Diabetes, 14 de novembro.

  •  

Aos 72, ela controla o diabetes com fruta, verdura e atividade física

14/11/2017, 13:28h

Há cerca de dez anos, Nilza Santana, 72, descobriu que tem diabetes através de exames. Na época levou um susto, mas logo se conscientizou e hoje sabe conviver com a doença. “Controlo minha alimentação, consumindo alimentos mais naturais, a exemplo de frutas e verduras, e pratico aulas de dança e hidroginástica. E assim, levo uma vida feliz”. 

Na manhã desta terça-feira, 14, ela participou da mobilização referente ao Dia Mundial do Diabetes, promovida pelo Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (Cadh), no estacionamento da Prefeitura.

O evento que teve como tema “Mulheres e diabetes – nosso direito a um futuro saudável”, ofertou diversos serviços à população, como testes de glicemia, aferição de pressão arterial e orientações nutricionais.

A secretária municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, esteve presente na abertura da mobilização pelo Dia Mundial do Diabetes. Ela destacou a importância da mobilização para promover a saúde da população do município, reforçando a atenção que as pessoas devem dar a sua saúde buscando sempre a prevenção. “Através de ações como essa, conseguimos atingir um maior número de pessoas. Ao tempo que, estamos promovendo a saúde de cada um dos participantes”, ressaltou. 

Estilo de vida poderia reduzir casos em 70%

A coordenadora do Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (Cadh), Andrea Silva, destacou uma pesquisa desenvolvida pela Federação Internacional do Diabetes em que aponta que “70% das pessoas que têm a doença poderia ter sido evitada, caso tivessem adotado um estilo de vida saudável”. “Por isso, sempre alertamos que a alimentação saudável e a prática de atividade física regular são fatores de prevenção”, afirma. A diabetes é uma doença considerada silenciosa e é caracterizada pelo aumento da taxa glicêmica - acima de 99mg/dl já indicativo para controle do açúcar no sangue.

“A mulher é um agente influenciador de hábitos saudáveis. Portanto, se ela for melhor informada e tiver melhores recursos vai conseguir uma resposta positiva para a saúde da sua família”, considerou 

PERSONAGEM

 

“Encontrei essa oportunidade enquanto me deslocava para o comércio e gostei. Graças a Deus, fiz o teste de glicemia e está tudo bem com a minha saúde”.

Eugênia Dantas, 52 anos, pela primeira vez submetida ao teste de glicemia.

Há 35 anos convivendo com a doença

 

Paciente do Cadh, Inaldo Soares, de 57 anos, também participou da ação. Há 35 anos descobriu que tem diabetes. E por conta da doença, aprendeu a adotar novos hábitos alimentares, evitando o consumo de açúcares e abolindo a ingestão de refrigerantes. “Eu me convenci que tenho diabetes. Ainda assim, com os cuidados que adquiri, precisei amputar alguns dedos do pé”, contou o motorista aposentado que diz “não abrir mão de um baile”.

Servicos prestados na mobilização atraiu muita gente

 

Os participantes da mobilização realizada no estacionamento da Prefeitura Municipal pelo Dia Mundial do Diabetes também tiveram acesso a teste de fundo de olho para diabetes e puderam atualizar a caderneta de vacinação. Foram disponibilizados cortes de cabelo, limpeza de pele, maquiagem, além de atividade física.

  •  

As pessoas estão adquirindo diabetes "cada vez mais cedo", alerta médica

13/11/2017, 21:51h

“Antes, as pessoas ficavam diabéticas a partir dos 45 anos. Hoje estão adquirindo a doença cada vez mais cedo”. O alerta é da médica endocrinologista Suzete Matos. Ela participou, nesta segunda-feira, 13, da abertura da Semana do Diabetes promovida pelo Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (CADH), órgão, vinculado a Secretaria Municipal de Saúde. Nesta terça-feira, 14, comemora-se o Dia Mundial do Diabético.

O diabético deve aceitar a doença para viver melhor, recomendou a médica. “É uma doença que pode ser controlada. Glicemia boa é obrigação, disse ela, durante café da manhã foi servido aos pacientes assistidos pelo CADH, que atende a mais de 3,5 mil pessoas em Feira de Santana. 

A médica afirma que é difícil a mudança de hábitos, quando da descoberta da doença. “Deve-se investir em qualidade de vida”. Além da mudança alimentar, a inserção de atividade física é fundamental. 

A especialista observa que com a chegada ao mercado de medicamentos mais eficientes no controle da doença, os diabético estão vivendo mais, desde que siga o tratamento e a orientações do endocrinologista, médico indicado para trata-lo. “Não existe meio-termo. Os índices devem estar controlados”. Índice em jejum até 99 é o ideal, até 126 pré-diabético e a partir daí, diabético.

“Para ser atendido no CADH, o paciente precisa ser referenciado por uma unidade básica de saúde e deve apresentar, ano menos, três complicações relacionadas à doença”, explica a coordenadora Andréia Silva. São atendidos por uma equipe multidisciplinar formada por médicos clínico geral, angiologista e endocrinologista, enfermagem, fisioterapia, nutricionista, psicólogo e assistente social. 

Na segunda-feira, as comemorações foram exclusivas para pacientes do CADH, mas nesta terça, no estacionamento da Prefeitura, todos os cidadão poderão participar das atividades e atendimentos feitos por especialistas que serão oferecidos pelo órgão.

  •  

Mulher é alvo de campanha em Feira no Dia Mundial do Diabetes

13/11/2017, 15:36h

O Dia Mundial do Diabetes, 14 de novembro, será marcado por diversas atividades no Estacionamento da Prefeitura de Feira de Santana, a partir das 8h. O evento promovido pelo Centro de Atendimento Hipertenso Diabético (CADH)  tem como tema “Mulheres e diabetes – nosso direito a um futuro saudável”. A iniciativa alerta para o crescimento do diabetes em mulheres (7,8%) enquanto nos homens (6,9%), os dados são do Ministério da Saúde.

Em Feira de Santana cerca de 3.500 pacientes diagnosticados com diabetes são acompanhados pelo CADH. Segundo a coordenadora, Andreia Santos, a campanha promoverá a importância do acesso equitativo para todas as mulheres que correm risco ou vivem com diabetes, além de estimular a educação de autogestão e fortalecer a capacidade de prevenção do tipo 2 de diabetes.

No local, as ações e atendimentos serão estendidos para toda população. Serão realizados testes de glicemia, rastreamento da diabetes tipo 2, atendimento médico, nutricional e psicólogo. O público ainda irá contar com aula de zumba, apresentação de grupos da 3ª idade, corte de cabelo e massoterapia. A participação é gratuita.

  •  

Diminuem casos de catapora em Feira de Santana

9/11/2017, 14:20h

Reduziu, de janeiro a outubro deste ano, em relação ao mesmo período do ano anterior, os casos de catapora, no município de Feira de Santana. A informação é da Vigilância Epidemiológica, órgão da Secretaria Municipal de Saúde. No ano passado foram registrados 198 casos, enquanto que, neste período em 2017, foram notificadas 172 ocorrências da doença.

Mas entre os meses de agosto a novembro – final do inverno até a primavera, período de baixas temperaturas – é esperado pelos órgãos de Saúde um aumento “considerado normal” nos casos de catapora. É quando se observa surtos da doença em creches, escolas e pré-escolas.

De acordo com a enfermeira técnica da Secretaria Municipal de Saúde, Marisete Aguiar, a catapora, ou varicela, é sazonal. “Portanto, apresenta aumento normal e esperado em determinado momento do ano”, salienta informando que “até o agora não foi registrado aumento significativo da doença”. 

A catapora é uma infecção viral, aguda e caracterizada pelo aparecimento de febre e pontos vermelhos que tomam forma de bolhas. As bolhas ao secarem transformam-se em feridas secas. Esta é uma doença benigna e acomete de crianças a adultos. A transmissão acontece de pessoa a pessoa, através do contato direto ou secreções respiratórias. Também por objetos contaminados por pessoas infectadas. Entre os primeiros sintomas da doença, estão febre baixa, dor de cabeça e pontos avermelhados que se transformam em bolhas.  

Ainda segundo a enfermeira, “enquanto houver bolhas ou feridas a transmissão é possível”. Daí as recomendações em evitar o contato com pessoas infectadas; e manter o doente afastado das suas atividades – escolas, creche, trabalho, entre outros. “Realizamos oficinas educativas nas escolas, onde orientamos os docentes a identificar os casos de varicela e a adotar medidas de controle precocemente, evitando assim a transmissão de uma pessoa pra outra”, diz observando que professores e alunos são fontes disseminadoras de informações.

Vacina

Em 2013 o Ministério da Saúde introduziu a vacina tetravalente viral, que protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela (catapora), na rotina de vacinação de crianças entre 15 meses e 2 anos de idade que já tenham sido vacinadas com a primeira dose da vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola).

  •