Educação é a base de uma cidade empreendedora, defende especialista

6/11/2018, 14:20h

O Plano de Desenvolvimento Econômico Sustentável de Feira de Santana (PDES) e "Cidades Empreendedoras e Cidades 4.0" foram temas das palestras de abertura da quarta Semana Global do Empreendedorismo, na noite de segunda-feira, 5, no auditório do Sesi. O evento, em vários locais, prossegue até o dia 11, próximo domingo.

A Semana, realizada em parceria por vários órgãos, entre eles a Prefeitura de Feira de Santana, tem como objetivo a inserção no movimento global que tem como foco o fortalecimento do empreendedorismo, capacitando e inspirando pessoas. Também se volta no sentido de potencializar novos negócios.

Cidades do Vale do Silício, nos EUA, e Santander, na Espanha, são exemplos

Para o professor Elzo Aranha (foto), que discorreu sobre Cidades Empreendedoras e Cidades 4.0, a educação é a base de uma cidade empreendedora e que ambas estão conectadas. Conceitualmente, cidade empreendedora, programa desenvolvido pelo Sebrae, focando na administração pública e voltado ao desenvolvimento do ambiente de negócios.

Cidade 4.0, também chamada de cidade inteligente, é aquela que adota experiências inovadoras, com rapidez e eficiência nas resoluções dos problemas e foca numa sociedade com maior qualidade de vida. O professor citou como exemplo cidades do Vale do Silício, nos Estados Unidos – são empreendedoras e inteligentes, e a espanhola Santander, considerada a primeira a ter este título na Europa.

Para ele, a cidade empreendedora deve observar a necessidade da demanda e que as faculdades são verdadeiros celeiros de novas ideias. “O que se deve é saber como capta-las”. Formas de empreendedorismo foram apresentados. “O que se tem é o empreendedorismo por necessidade e não de oportunidade”, afirmou. No primeiro caso, abre-se um negócio depois de se perder o emprego. No segundo, a ideia e o ambiente deveriam ser estudados.

Promover ações a curto, médio e longo prazos

Roberto Silva Junior e Monique Leiras, ambos da EY, empresa que está elaborando o PDES, falaram sobre a importância do instrumento para o desenvolvimento das cidades. O Plano, diz o consultor, tem como objetivo organizar os conhecimentos necessários para promover ações a curto, médio e longo prazos.

Falaram sobre as etapas do Plano – o local está fase de diagnóstico. Munique Leira afirmou que o PDES de Feira de Santana deverá ser concluído até meados do próximo ano, quando será encaminhado à Câmara Municipal para ser analisado pelos vereadores e transformado em Lei.

Também serão realizadas oficinas com a participação da comunidade, construção de agendas estratégicas e oficina final para a apresentação do documento à sociedade. “A EY produz um plano para ser implantado nos próximos 12 anos e deixar um legado para Feira de Santana. O PNUD, programa da ONU para o desenvolvimento e a Sudene, participam do desenvolvimento do PDES de Feira.



  •